PSD/Porto empenhado na Regionalização


13/03/2006

Agostinho Branquinho vai encetar uma série de contactos junto das distritais sociais-democratas para reunir apoios em torno daquela que já se tornou na bandeira do PSD/Porto a Regionalização.

O novo líder distrital também vai enviar, esta semana, uma carta aos outros partidos, propondo uma reunião para inícios de Abril sobre a criação de cinco regiões administrativas. "Esta semana, vou enviar uma carta aos outros partidos para a constituição de uma plataforma de entendimento e vou contactar as outras distritais do PSD para ver quem se quer associar a essa bandeira", revelou, ontem, após a primeira reunião da nova Comissão Política Distrital.

Para comprovar a importância que atribui à regionalização, Agostinho Branquinho está a criar um gabinete na Distrital especialmente dedicado à reforma administrativa do país. Falta apenas encontrar um coordenador.


Diário Digital / Lusa - 13/03/2006

«Impõe-se políticas de proximidade mais activas de serviço aos cidadãos», disse Agostinho Branquinho, acrescentando que só será possível estar mais próximo das pessoas através do «aprofundamento da descentralização dos centros de decisão política».

Nesse sentido, anunciou, o PSD/Porto vai enviar na próxima semana uma carta a todos os partidos com assento parlamentar, às associações patronais e sindicais sedeadas no distrito e a outras instituições da sociedade civil relevantes, «tendo em vista a realização de uma discussão séria e aprofundada sobre as questões da descentralização e regionalização».

Para Agostinho Branquinho, esta matéria «é tanto mais importante quanto se tem acentuado a divergência, em termos de riqueza, do distrito do Porto e da região Norte em relação ao todo nacional».

«É inconcebível que devido à política macrocéfala do actual Governo não se potenciem os valores e as competências que existem nesta região», lamentou.

Comentários

D. Quixote? Marques Mendes é e será (assumiu-o sem reticências) contra a regionalização. Tudo isto cheira-me a jogo partidário e vai acabar com o discurso do costume: aqueles gajos do Porto são sempre os mesmos, querem é tacho. Não é verdade, nós queremos é que o país evolua e a regionalização é uma das fórmulas, mas sem jogadas politicas!
A. Castanho disse…
Também me parece...

Mas pelo menos pode ter, no reverso da medalha, o mérito de agitar as consciências para o problema muito sério que está criado em Portugal e que foi em muito agravado, irresponsavelmente, pelo tal "Referendo não-vinculativo" com que os senhores "políticos" de serviço há sete anos envenenaram um tema supra-partidário e que há trinta anos disfruta entre nós de um vastíssimo consenso CONSTITUCIONAL...