Regionalização ...

A regionalização é uma questão controversa. Exige uma abordagem multidisciplinar, ângulos de visão diversos e diversas perspectivas.

É uma questão política: articula relações de força, hierarquiza poderes. É uma questão com vectores (entre outros) económicos, sociais e culturais: a região como espaço, objecto e sujeito das actividades humanas nas suas múltiplas e indissociáveis facetas.

O processo para o seu desenvolvimento e concretização é complexo. Admite muitos e diferenciados caminhos. Admite uma reflexão prospectiva com resultados inseguros, condicionados, prováveis face ao conteúdo, à forma, ao processo, aos agentes políticos que o promovem, aos cidadãos que o assumem. O que logicamente pode ocasionar posicionamentos e opiniões diferentes, conforme o observador, sempre sujeito política e intervenientemente interessado (cidadão, partido político, organização económica, etc.), politicamente determinado.

Levanta, legitimamente, dúvidas. Suscita as interrogações consequentes a todas as alterações estruturais no exercício do poder, nas linhas da administração pública, na gestão das coisas.

É um lugar comum, dizer que a regionalização atravessa transversalmente os partidos e as ideologias e, com isto, dizer-se que há «regionalistas» na esquerda e na direita, adeptos e adversários da regionalização em todo o espectro partidário.

Comentários

A. Castanho disse…
Mas há que procurar saber um pouco mais sobre o que é, de facto, a Regionalização e, em muitos casos, perceber melhor por que se está contra, ou a favor.

Para evitar discutir este tema numa base, diria, "clubística", como tão frequentemente ainda acontece...