sábado, julho 19, 2008

Moção Sectorial “regionalizar"

Moção Sectorial sobre Regionalização
XVI Congresso da Juventude Socialista
Porto, Julho de 2008


(...)
Conclusão

A análise da realidade europeia e mundial faz-nos perceber que continuamos bastante atrás dos países europeus e do mundo ao nível dos graus de desenvolvimento económico e social. E podemos constatar que não é apenas culpa da conjuntura económica ou dos efeitos perversos da globalização.

A culpa é também nossa! É muito nossa! Pois temos imperativos constitucionais a cumprir e não temos tido vontade de os executar. Pois temos evidências que mostram qual o caminho de desenvolvimento e não temos querido acreditar. Pois temos um País totalmente assimétrico, a afundar-se em graves problemas quer de interioridade, quer de fraca qualidade de vida nas grandes áreas metropolitanas, e pouco temos feito para o levantar!

A regionalização não é certamente a varinha mágica que vai resolver todos os problemas do País. Mas poderá contribuir para que este cresça de forma mais harmoniosa, mais racional, mais equilibrada e com maior consideração pela vontade das populações locais.

É preciso que as forças políticas assumam que o País necessita crescer para além das grandes áreas metropolitanas, que uns e outros são portugueses e que todos merecem investimento, sentindo que não estão esquecidos. Todos os portugueses contam!

É urgente que se inicie um trabalho de fundo para sensibilizar as forças políticas e a sociedade da importância clara e inequívoca da regionalização. É importante que a Juventude Socialista lidere esse movimento lutando por um País mais equilibrado e desenvolvido.

Há que explicar à sociedade que Portugal ficará mais coeso e mais competitivo, que ficará mais forte no contexto da União Europeia, que se reduzirá a burocracia, que todos os grandes países desenvolvidos são regionalizados, que se gerará melhor administração, que os cidadãos terão uma palavra a dizer naquilo que lhes diz realmente interesse!

Assim, considerando:

a) Que a Constituição da República Portuguesa estabelece como tarefas fundamentais do Estado ”promover o bem-estar e a qualidade de vida do povo” e “promover o desenvolvimento harmonioso de todo o País”;

b) Que os estatutos da Juventude Socialista definem como fim a atingir o empenhamento na correcção das desigualdades sociais;

c) Que a regionalização administrativa se constitui como um caminho adequado a cumprir os objectivos acima descritos;

A Juventude Socialista, reunida no XVI Congresso Nacional, no Porto, delibera
definir a defesa da instituição da regionalização administrativa em Portugal como uma
das prioridades políticas durante o mandato dos órgãos nacionais que agora se inicia.

Porto, 20 de Julho de 2008
.

4 Opiniões

At sábado jul 19, 01:03:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Municipalistas,

De acordo com tudo o que constitui as conclusões alinhadas neste congresso da juventude do partido político que suporta o Governo
actual, excepro a alínea d).
Ninguém que tenha conhecimento dos principais problemas do nosso País, nomeadamente quando em ciclos de crise vêem ao de cima as fragilidades de diversa ordem pelo não aproveitamento dos nossos próprios recursos (os tais recursos internos), pode defender uma orientação política de regionalziação burocrática, administrativa e de continuidade do actual centralismo, sem qualuqer conteúdo estratégico
de médio e longo prazo.
Tudo isto corresponde a um verdadeiro "autismo político" para não entrar nos domínios da incapacidade e da incompetência políticas.
A mais adequada política de regionalização, como instrumento a favor do desenvolvimento, está na criação e implementação das 7 Regiões Autónomas, sobejament conhecidas e recomendadas.

Assim seja, amen.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final).

 
At sábado jul 19, 03:49:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

É tudo uma BANHADA! Falam em descentralizar mas centralizam tudo onde querem!
De uma forma ou de outra estão a capitalizar os serviços e CENTRALIZAR o poder pelas vossas cidades. Então um concelho como Barcelos? Não tem peso? Porque é que são sempre os mesmos concelhos a receber as infra-estruturas?
Boticas, Vila Flor, Lamego, etc não recebem nada?
Pois... São sempre os mesmos.. Braga, Guimarães, Porto.. blá blá blá. Isto não é centralizar?
Então falam que o interior está desertificado e ainda afastam mais os serviços desses concelhos?
Ainda têm a LATA de meter mais serviços como a "JUNTA REGIONAL" no Porto?
Então porque é que não a metem em Armamar?? Não é mais coeso e mais central que o Porto (que está no Litoral???)

Afinal regionalizar é Centralizar à mesma!

 
At sábado jul 19, 05:35:00 da tarde, Blogger templario said...

De facto estas juventudes partidárias estão mesmo "açaimadas".

Um Congresso para gereralidades, onde não podia faltar a "regionalização" encomendada por alguns dos seus chefes de quem vão copiando a prática política que conduza à manjedoura nacional. Será que esta juventude militante não consegue reunir mais "substância"?
Já se deram à trabalheira de conhecer a História de Portugal, a nossa cultura? E o que se ensina nas escolas, nas universidades? E o que se passa no mundo laboral e como são gastos os dinheiros públicos?

Estes e outros temas urgentes que as juventudes partidárias deviam agarrar para assegurarem o seu futuro e de Portugal?

Exige-se mais dos jovens militantes e não serem apenas o eco dos chefes que dominam as máquinas partidárias.

É imperioso, é urgente que se revoltem, que ponham tantas coisas em causa. É urgente. O país está a estalar por todos os lados.Já agora não o estilhacem em pedaços.

 
At segunda jul 21, 01:39:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Caro Templário,

Em pedaços já está estilhaçado; com a regionalização, vamos dar-lhe unidade na diversidade de toda a sua riqueza natural, material, cultural e tradiconal.
É só uma questão de tempo. Há ainda muita gente com a cabeça dura e/ou com ouvido ainda mais duro.
Custa a entrar mas vai.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 

Enviar um comentário

<< Home