segunda-feira, julho 28, 2008

O centralismo interessa a muita gente!

De facto, o nível excessivo de concentração de poderes no nosso país é uma herança salazarista que sufoca o desenvolvimento do país como um todo.

Para os críticos da regionalização, basta observar que as autarquias transformaram-se em grandes polos dinamizadores da vida das populações no pós.25 de Abril, a partir do momento em que passaram a ser directamente eleitos. Só isso demonstra que a proximidade da administração das populações por via dio sufrágio é um elemento dinamizador da democracia e potencializador do desenvolvimento.

A questão consiste no seguinte: por que não avançar com a regionalização depois da experiência de sucesso com as autarquias? Por que não ampliar o processo de democratização ao criar o órgão intermédio que seriam as regiões autónomas?

A meu ver, isto tem a ver com uma falha no processo democrático.

O Estado central encontra-se capturado por um conjunto de interesses, muitos deles das apregoadas elites portuenses, que ganham muito dinheiro com o presente estado de coisas.

O centralismo interessa a muita gente pois assim conseguem administrar directamente:

(1) os fundos comunitários (veja-se o caso recente dos fundos do QREN que foram desviados para a frente ribeirinha de Lisboa)

(2) as receitas fiscais

(3) as empresas públicas, os empregadores mais generosos de Portugal.

Tudo isto fornece muito poder a esta elite que nunca abrirá mão desse estado de coisas. Bem pelo contrário, vão procurar sufocar cada vez mais as tendências autonómicas ao reforçar o municipalismo e negar as regiões. Afinal: dividir para reinar!!!!

Creio que a regionalização encontra-se eminente e derivará sobretudo de dois âmbitos:

(a) o fim dos fundos comunitários

(b) a obrigação de Portugal desviar fundos fiscais para as regiões mais pobres para cumprir obrigações comunitárias de combate à pobreza.

(c) a emergência de Euro-regiões.

Como dizia um amigo meu constitucionalista, a estratégia dos estados centralizadores consiste em centralizar a riqueza e dispersar a pobreza. Quando os fundos comunitários terminarem os estados centrais vão passar a batata quente para as regiões para se desenvolverem e criarem os próprios fundos.

Isso interessa à região Norte de sobremaneira pois a Euro-região Norte/Galiza vai ser a mais extensa e mais populosa da UE e vai ter um grande potencial de crescimento uma vez libertada das garras de Lisboa/Madrid.

Para mim seria para ontem.......

por "B." (leitor deste Blog)
.

3 Opiniões

At segunda jul 28, 06:25:00 da tarde, Blogger Philipp said...

Mas quem são essas "apregoadas elites do Porto"?
Então o estado é muito controlado por elites do Porto?

Então: já que essa elite está no Porto e a gente do Norte quer a regionalização, façamos uma matança! Escusamos de ir a Lisboa! ;-D

Estou curioso em saber quem são.

 
At terça jul 29, 11:53:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Mas os ricos portugueses est�o no Norte. Ou n�o? Riqueza n�o tem que ver com centralismo ou regionalismo. Tem que ver com milh�es de outras coisas...
Assim, n�o d�...

 
At segunda ago 04, 01:21:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Municipalistas,

Enquanto em qualquer cidade ou localidade do nosso País existirem "bibelots" polítricos, como se verifica na cidade do Porto e outras individualidades (não só no Porto) que têm o hábito de "amuar" quando a "vidinha" lhes corre menos mal, não iremos lado nenhum, para toda a infelicidade dos que defendem a regionalização como intrumento político genuíno de desenvolvimento no seu retorno às origens e que bem delas precisamos.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 

Enviar um comentário

<< Home