quarta-feira, agosto 13, 2008

Estes números não enganam ...

Orçamentos familiares mostram desigualdades entre regiões

O inquérito aos orçamentos familiares, divulgado esta segunda-feira pelo INE, revela desigualdades entre as regiões, destacando-se Lisboa com o maior rendimento, e o Norte e a Madeira com taxas de risco de pobreza elevadas.

A realidade dos orçamentos familiares em 2005-2006, foi ontem apresentada com a divulgação do Inquérito às Despesas das Famílias, do Instituto Nacional de Estatística (INE). O relatório dá conta de que, a preços constantes, o rendimento familiar teve um aumento de 13,5%, desde 1999, situando-se em 2005-2006 num total médio anual de 22 136 euros.

Mas, se o rendimento subiu, a despesa também aumentou, para uma média anual de 17 607 euros por agregado familiar. Nesta área verificaram-se outras mudanças, com os portugueses a diminuírem nas despesas com a alimentação e transportes, e aumentando nas relativas à habitação. As despesas com habitação (casa, água, electricidade, gás e outros combustíveis) representam 26,6%, a alimentação 15,5%, e transportes 12,9%.

No entanto, estes são os número globais, uma vez que analisadas as diferentes regiões do país as assimetrias são notórias, a começar pelo facto de 71% dos agregados familiares viverem em áreas urbanas.

Incidindo sobre os rendimentos verifica-se que a região de Lisboa era a que apresentava um rendimento líquido total anual médio por família mais elevado, de 27 463 euros, valor acima da média nacional. O valor mais baixo registava-se no Alentejo (18 276 euros), mas o Norte não ultrapassava os 19 908 euros.

Tendo em conta as despesas familiares, é também a região de Lisboa que tinha os maiores valores (20 715 euros), também acima da média nacional, quando o Alentejo, que tem o valor mais baixo, registava 14 067 euros, e o Norte 16 992 euros. Mesmo assim, pagas as despesas a região de Lisboa ficava com duas vezes mais dinheiro do que a região Norte.

E as assimetrias regionais são também notórias no que diz respeito às taxas de risco de pobreza. Lisboa era a região com a menor taxa de risco de pobreza calculada com base no rendimento total, situando-se nos 12%. As regiões que apresentavam as taxas mais elevadas eram o Norte e a Madeira, com cerca de 19% da população com rendimento inferior ao limiar de pobreza nacional.

"JN"

2 Opiniões

At quarta ago 13, 12:46:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Há outras coisas que os números não dizem e tenho dados concretos a esse respeito.
Poderá existir um maior índice no poder de compra das famílias em Lisboa e Vale do Tejo mas também é a região onde se gasta mais para adquirir os bens de 1ª e 2ª necessidade.. São dados confirmados pela DECO.
No Norte e Centro esses mesmos bens têm preços mais baixos. É uma questão de pegar num cabaz com os mesmos produtos/marcas e comparar!
Já agora.. Sabe quanto custa uma garrafa de água nos Emirados Árabes Unidos? Eles também devem ter um dilema com a regionalização ao nível global.

 
At quarta ago 13, 06:34:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Municipalistas,

Diferenças existirão sempre, em qualquer domínio, mas o objectivo da regionalização é que tais diferenças se esbatam progressiva e rapidamente com o aprofundamento da sua implementação.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 

Enviar um comentário

<< Home