quarta-feira, novembro 19, 2008

Algarve

«O Algarve, investimento ou negligência?»

por, Paulo do Rosário Dias

O Algarve, a região espelho.

É possível traçar paralelismos entre Portugal Continental e a região do Algarve, sobretudo no nível demográfico:

Interior desertificado e esquecido, litoral desordenado, dependência energética e do automóvel, economia de carácter especulativo e não produtivo, transportes ferroviários e aeroportuários desvalorizados.

Existem no entanto grandes diferenças:

O índice de população envelhecida é 25% superior ao da média nacional. Há mais taxa de natalidade, de mortalidade e de divórcio. Em contraposição, a taxa de nupcialidade é bastante inferior à média nacional.

O número de médicos por habitantes é inferior em 20% à média nacional. Isto numa região que regista 40% de toda a capacidade hoteleira e dormidas de Portugal (exceptuando as camas paralelas).

O Algarve e o efeito-ilha.

A geografia confere à região uma localização periférica, no extremo sudoeste da Europa, situação agravada pelo facto de confinar com regiões pouco desenvolvidas no contexto dos dois países Ibéricos, o que provoca óbvias dificuldades acrescidas.
Ao contrário das regiões vizinhas, o Algarve vai deixar de receber fundos estruturais, ainda que sendo uma quebra progressiva de verbas ao longo dos próximos seis anos.

Associando o facto de as duas regiões vizinhas, o Alentejo e sobretudo, a Andaluzia manterem o seu estatuto actual (de beneficiários), verifica-se que se cria um outro efeito-ilha com o Algarve.

O Algarve terá então relativamente menos recursos externos para potenciar o seu desenvolvimento económico e social e os instrumentos financeiros de atracção de empresas também serão menos favoráveis

Há que racionar e racionalizar os fundos que restam à região. A cooperação interregional e os factores de competitividade no que respeita à atracção de investimento e recursos, tornam-se assim uma aposta chave na estratégia para os próximos anos.

O Algarve, altamente deficitário em recursos de toda a ordem (derivados de petróleo, alimentos variados, materiais de construção, etc.) vê-se limitado pelas fragilidades logísticas de uma ilha, sem contudo aproveitar a sua maior vantagem, o próprio mar.

Por sua vez, a anatomia actual do Algarve fá-lo figurável a um grande resort turístico inserido numa “grande vila rural do interior”. Sofrendo pois os precisos problemas dessa conotação:

- Longe das cidades, longe das infra-estruturas e longe das soluções. Isso limita todo o potencial do resort.

- Sendo o litoral o único território adaptado ao turismo, o turista acaba na maioria das vezes passando um mês na região sem conhecer mais que não seja um curso de golfe, uma praia, um hotel.

- Os factores de insegurança do litoral transpõem-se para toda a região, contudo, contudo, ao proteger-se somente o litoral turístico, instala-se um exponencial sentimento de insegurança na restante região.

- Os decisores, para gerar mais e melhor riqueza focam exclusivamente o litoral turístico, o resort, sublimando grosso modo o resto da “vila” que assim se vê limitada à mera manutenção (se tanto).

Prescindir do potenciamento da região em si, para desenvolver este ou aquele aspecto particular da oferta turística, é a má política que descalça o progresso sustentável!

Se potenciarmos a região, estaremos automaticamente a promover o interesse no investimento e a dar valor acrescentado quer ao que se perspectiva quer ao que já existe.

O Algarve, uma região turística!

Foi com a aterragem dos primeiros aviões comerciais em Faro a partir de 1965, e com a inauguração da ponte Salazar (25 de Abril) em 1966, que se determinou que o Algarve iria deixar de ser apenas uma terra de pescadores, conserveiros e fazendeiros para começar a ser a força nacional da nova economia emergente, o Turismo.

(...)

Leia documento todo em PDF

.

3 Opiniões

At quarta nov 19, 06:31:00 da tarde, Anonymous Gaiato alentejano said...

Gostei das aportações do autor, com as que concordo básicamente. Achoa-as muito sensatas e razoáveis. Só discordo na questão das portagens na Via do Infante. Não acho positivo introduzir portagens porque não há uma estrada alternativa em estado razoável como é o caso da A2 e do IC 1 no Alentejo. As portagens só iriam congestionar ainda mais o trânsito. O facto de haver troços em mau estado é uma questão de não haver um governo regional forte que administre a gestão das suas estradas. Mais uma razão pelo sim à regionalização!

É uma vergonha termos em Portugal auto-estradas com portagens enquanto na Alemanha, Reino Unido, Suíça, Holanda,etc. serem gratuítas. Preferiria pagar uma taxa anual como fazem os suíços (uns 30 EUR/ano) e poder circular livremente. Já há aldrabões que cheguem!

 
At quinta nov 20, 12:28:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Municipalistas,

Embora com níveis de gravidade assimétrica e dimensão diferentes, as soluções para a sua eliminação na futura Região Autónoma do Alagarve em nada diferem das políticas a implementar para as restantes regiões que têm estado permanentemente "divididas" entre o litoral e o interior.
Mais uma vez, como o texto o exemplifica muito bem, nenhuma estrutura produtiva subsiste se não for dinamizada, modernizada tanto em termos tecnológicos como formativos dos recursos humanos e se não privilegiarem os recursos intrínsecos a cada região (o ter deixado de ser não significa que não possa voltar a ser: pescadores, conserveiros e fazendeiros), mesmo ao nível da actividade turística (analisem o comportamento empresarial do Grupo André Jordan, neste domínio).
Parabéns pelo texto deste "post" a Paulo Rosário Dias.
Investimento ou negligência? Dir-se-ía, as duas coisas: investimento e negligência.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 
At quinta mar 12, 10:46:00 da manhã, Anonymous Paulo do Rosário Dias said...

Viva caros amigos.

Só agora encontrei esta publicação do post. Agradeço desde já os comentários.

Quanto à questão das portagens, a ideia que quis transmitir mas a suncinticidade não transpareceu foi de que é possível investir na actual SCUT do algarve.
Claro que é preciso primeiramente cumprir com a requalificação da EN125 (com mais variantes) e com a restruturação da ferrovia complementada com comboio ligeiro.
Mas se tudo fosse feito com cabeça (o que infelizmente não tem sido), poderiamos depois requalificar a via do infante para uma verdadeira autoestrada que amenize os problemas do Verão e das horas de ponta.

Estou convicto é que se há região com especial necessidade de autonomia sobre as restantes, esta seria primeiramente a do Algarve.. a região de futuro em que todos os dias alguém pensa investir mas que desiste devido à distância burocrática a Lisboa.

Enfim, que melhores dias venham.
Bem haja a todos.

 

Enviar um comentário

<< Home