domingo, junho 28, 2009

Grande Porto estagnado


O Grande Porto foi uma das dez zonas do país que menos evoluiu entre 2004 e 2006. Estudo do INE revela ainda que Lisboa foi a única região do país a registar um desenvolvimento sustentável.

O Grande Porto encontra-se entre as dez regiões do país que menos evoluíram entre 2004 e 2006. Já Lisboa foi a única área que cresceu de forma sustentável. São estas algumas das conclusões do estudo do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgado esta terça-feira, que analisou a evolução do índice sintético de desenvolvimento regional nas 30 sub-regiões portuguesas.

A investigação analisou três componentes: a competitividade da economia, a coesão social e a qualidade ambiental. Nuno Moutinho, professor na Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEP), explica, ao JPN, que "a ideia do índice de competitividade é verificar a capacidade de penetração nos mercados e a capacidade de aumentar a produtividade" .

Já o "índice de coesão compara salários e tenta perceber qual a capacidade de atractividade da região", enquanto que o índice de qualidade ambiental se foca, "como o próprio nome indica", no ambiente.

A zona da Grande Lisboa é a única que se manteve no topo da tabela nas três vertentes do estudo, revelando um desenvolvimento sustentável. Ao comentar estes valores, Nuno Moutinho é peremptório: "Temos claramente um país que continua a ter um crescimento muito forte e polarizado na Grande Lisboa e todas as outras regiões são um mundo à parte".

"O Estado tem de deixar investir em Lisboa"

O estudo do INE revela ainda que o Porto apenas apresentou um desempenho positivo no que toca à competitividade. "O Estado tem de deixar de investir na Grande Lisboa, tem de retirar investimentos públicos nessa zona. Tudo o que seja apoios também tem de ser canalizado para as outras regiões com menores índices da competitividade", sintetiza Moutinho.

Também Elisa Ferreira falou sobre o estudo. "A falta de investimento no Porto é a causa para os números negativos do estudo do INE" disse a candidata à Câmara do Porto. "Somos uma zona muito exposta à concorrência internacional e não temos a salvaguarda de uma forte quantidade de funcionários públicos", considera.

Segundo os dados do estudo, em 2006, Portugal era um país de assimetrias a nível de desenvolvimento. Se o Baixo Alentejo foi a região com mais ganhos de competitividade, a coesão social teve o aumento mais significativo nos Açores.

|JPN|

1 Opiniões

At segunda jun 29, 05:11:00 da tarde, Anonymous Carmen Barata said...

O presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio é o grande responsável da falta de investimento e do fraco desenvolvimento do Porto. No fim de contas tudo isso prova que Rui Rio e a sua coligação PSD/CDS nunca tiveram um projecto credível para a cidade e para os portuenses. É essa a triste realidade.

 

Enviar um comentário

<< Home