sexta-feira, março 05, 2010

Cavaco Silva - declarações "infelizes"

Regionalização: Movimento "Regiões, Sim" acusa Cavaco Silva de declarações "infelizes"

O presidente do Movimento Cívico "Regiões, Sim", Mendes Bota, classificou hoje de "infelizes" e "inexatas" as declarações do Presidente da República ao jornal espanhol "la Vangardia" sobre regionalização em Portugal, recordando que os referendos não tem "efeito perpétuo".

Numa recente entrevista ao jornal espanhol "La vangardia", Cavaco Silva recordou que o referendo português sobre a regionalização foi um "sinal claro sobre a força da identidade étnica, linguística e cultural" e que "60% dos portugueses rejeitaram a regionalização em Portugal, porque a consideravam uma invenção dos políticos".

Para Mendes Bota estas declarações do PR foram "infelizes", "inexatas"e deixaram-no "estupefacto".

"O Presidente da República não foi feliz nas declarações que entendeu proferir sobre a regionalização em Portugal, ao jornal de Barcelona. Estranhamente, escolheu precisamente a Catalunha, um dos exemplos mais fortes da pujança política e do desenvolvimento económico e social da descentralização regional, para defender o centralismo português, que faz de Portugal o único país da Europa que não tem um nível intermédio de administração entre os municípios e o governo", declarou à Lusa Mendes Bota.

Mendes Bota refere ainda que as declarações do Presidente da República são "inexatas" por darem a entender que "Portugal rejeitou a criação de comunidades autónomas como as espanholas, o que é incorreto".

"O que esteve e está em causa é um simples modelo de regionalização administrativa, sem poderes legislativos, nem criação de uma nova classe política. É isso que está na Lei de Bases em vigor, cujo autor foi precisamente um governo presidido pelo atual Presidente da República, em 1991, enquanto era primeiro ministro", recorda o também deputado no Parlamento.

Para o presidente do movimento "Regiões, Sim" "não há referendos com efeitos perpétuos", lembrando que “o referendo à regionalização já foi há mais de 12 anos".

"O poder constituinte é sempre do povo, e renova-se sempre que o povo quiser e decidir. O mundo evolui, e a opinião pública também. O mundo evolui, e a opinião pública também. Em 1996, poder-se-á dizer o povo não desejou Cavaco Silva, e isso não obstou a que, dez anos depois, viesse a elegê-lo", lembrou Mendes Bota.

“O país não parou em 1998. E o modelo centralista já deu sobejas provas de que só tem acentuado os desequilíbrios regionais e a desertificação humana e económica da maior parte do território nacional”, reforçou.

Ouvir na TSF

(Agência Lusa)

43 Opiniões

At sexta mar 05, 07:50:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

a regionalização deve esperar, até o país acertar o passo,é o que cavaco silva quer dizer,contrariando meia duzia de individuos que estão ha espera de lugar para ocupar e aumentar a despesa do pais.

 
At sexta mar 05, 08:15:00 da tarde, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Anónimo,

Onde é que o meu amigo ouviu dizer que a Regionalização aumenta a despesa pública do país?

Pelo contrário, se bem feita, servirá para a diminuir.

Atente-se ao que vai acabar se a instituição da Regionalização for para a frente:

- CCDRs e respectivo 'staff'
- 18 + 18 Governadores e vice-governadores civis e respectivo 'staff'
- Muitas das actuais direcções regionais dos diferentes ministérios ou então muito do actual 'peso' administrativo que elas contêm.
- parte dos mais de 4.000 lugares de nomeação directa do governo central.
- previsível diminuição do n.º de deputados nacionais.
- etc, etc.


Cumprimentos,

 
At sábado mar 06, 03:51:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Caro Anónimo disse das 07:50:00PM,

Gostaria que fossem plasmadas aqui ideias novas sobre soluções destinadas a assegurar o desenvolvimento do nosso País, até mesmo para não ser o signatário e mais alguns a apresentar ideias novas e insistentemente aqui defendidas.
Mas já é uma manifestação doentia vir escrever para aqui que o que os regionalistas querem é ocupar um "tacho" e governarrem-se. Este tipo de argumentação, faz-me lembrar aqueles entrevistadores de recrutamento de pessoal que têm interesse em continuar a entrevista até ao momento em que lhes respondem à pergunta dele: "-E quanto quer ganhar?", por não se revelar de interesse empresarial. E quando formulam a pergunta nem lhes interessa saber se a remuneração proposta está directamente relacionada com capacidade de exercício, apontando imediatamente a porta de saída.
Na verdade, existem ainda muita gente especializada em "saber" fazer as contas relativas aos outros num exercício primário de incompetência, avareza e inveja, acabando por deixar o País no estado em que se encontra e encontrará e com o regresso aos fluxos emigratórios da década de 60 do século passado.
Claro que estes fluxos acabarão por resolver o problema do desemprego, a prazo, mas irão empobrecer ainda mais a nossa sociedade, dado que tais fluxos são preenchidos por pessoas muito qualificadas que, pelos vistos e olhares desses recrutadores, não têm lugar no nosso desempenho económico e social.
A nossa sociedade é comprovadamente VELHACA nas suas atitudes que se presumem profissionais, com muitos seguidores à altura.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 
At sábado mar 06, 08:43:00 da tarde, Blogger templario said...

Sobre a Regionalização, na entrevista ao jornal espanhol, "La Vanguardia", dia 5 de Março de 2010, o Presidente da República Portuguesa, Professor Cavaco Silva, foi firme e fiel à nossa história e cultura, respondendo com as palavras certas e patrióticas, numa clara afirmação de que Portugal jamais fará parte do desígnio castelhano por um "Império Doméstico".

Cito algumas respostas do PR:

PR-"A história de Portugal é mais antiga que a história de Espanha; somos uma nação milenária com fronteiras muito bem definidas desde o séc. XIII; temos uma cultura própria, com uma língua própria, com uma identidade muito forte."

Poucos políticos portugueses seríam capazes de assim responder, sem papas na língua, a não deixar dúvidas de que o mais alto magistrado da Nação não alinha no folclore político dos defensores da regionalização em Portugal.

PR-"Portugal não é periferia de Espanha. Portugal não é periferia; Portugal tem uma estreita relação com África, com a América Latina, especialmente o Brasil, uma das grandes potências económicas e políticas do futuro. Portugal olha para a Ásia. Portanto, Portugal não é periferia. Tem a sua centralidade. Temos um grande vizinho que é Espanha, mas também nos consideramos vizinhos da França e da Alemanha. E temos a nossa vocação atlântica."

PR-"Espanha tem as suas comunidades autónomas e Portugal recusou essa possibilidade em referendo, sinal muito claro da fortaleza da nossa identidade étnica, linguística e cultural, 60% dos portugueses recusou a regionalização de Portugal".
"PORQUE A CONSIDERAVA UMA INVENÇÃO DOS POLÍTICOS. Madeira e Açores são a única exceção".
---------
Vou votar pela primeira vez em Cavaco Silva.

 
At domingo mar 07, 01:03:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Caro Templário,

Tomando como certo que as próximas eleições para a Presidência da República terão lugar daqui a um ano, tudo poderá servir para inciar já a campanha eleitoral, mesmo afirmações que só têm acolhimento nas mentalidades mais retrógradas da sociedade portuguesa e pano de fundo para o suporte eleitoral do actual Presidente da República.
Enquanto o nosso País não conseguir eliminar as IMPARIDADES existentes em todos os domínios da sociedade que aqui reside, nunca será um País aperiférico ou central no conjunto das socedades evoluidas. Este aspecto fulcral não poderá ser nunca esquecido por quem ocupa o cargo político de maior responsabilidade no quadro constitucional, atendendo sobretudo e exclusivamente à formação especializada, avançada e especifica que possui. A sociedade portuguesa gosta muito que os intervenientes políticos afirmem aquilo que mais gostam de ouvir e que raramente corresponde ao que é necessário fazer.
Por isso, este tipo de comportamento colectivo justifica o qualificativo de sociedade velhaca e subdesenvolvida, sem o mínimo sentido histórico, cultural e cívico, raiando mesmo os aspectos mais negativos e sórdidos de convivência, apesar de andarem sempre a reclamar mais de 1.000 anos de história una e indivisível, em que nas dezenas de décadas passadas, não existiu QUASE ninguém com ESTOFO político e moral de A HONRAR.
Então nas últimas décadas, em cerimónias públicas, quando o protocolo exige a emissão do Hino Nacional, até parece que os intervenientes mostrados pelas câmaras de televisão têm vergonha do O CANTAR, em contraste com o fulgor e entusiasmo com que os adeptos cantam o hino do seu clube de futebol.
Sejam criadas condições de desenvolvimento quantitativo (acabem com o salário mínimo e remunerem quem trabalha de acordo com as suas capacidades reais de criação de riqueza) e qualitativo (educação, cultura, saúde, formação cívica, etc.), com a descentralização política para mais 7 Regiões Autónomas, então a que assistiremos é a um maior e real entusiasmo das pessoas não só em cantar o HINO, como a sentí-lo pessoal e publicamente e a obrigar ao desfraldar da nossa BANDEIRA em todos os departamentos públicos durante todos os dias e não somente quando joga a selecção de futebol, a mando de qualuer estrangeiro.
Nunca vi os patriotas assumidos pelas piores razões, apesar de invocarem sempre a PÁTRIA (A DEFENDER), DEUS (A RESPEITAR E MUITO) e FAMILIA (A PRESERVAR), a apresentar uma proposta deste tipo.
Ás vezes fazemos cada figura, ...!

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 
At domingo mar 07, 06:59:00 da tarde, Blogger templario said...

Caro pró-7RA.,

O seu excelente comentário poderia ter como título: EMBRULHA!

Com "fair-play", embrulhei, enfardei, encaixei. As diretas e as indiretas e outras...

Sinceramente... Poderia eu desperdiçar tamanha oportunidade (a da entrevista do PR), de poder criar vómitos e repugnância por parte de muitos regionalistas de esquerda caviar e plebeia e de alguns "figurinos Rosa & Teixeira" da direita (jovem até)que andam por aí a defender a regionalização como se de pão e sopa para o povo se tratasse?

Já agora: dia 24 de Abril vou participar no almoço anual da minha companhia da guerra colonial, em Penafiel. Estou a planear passar uns dias no Gerês nessa semana.

E que tal encontrarmo-nos algures na região Norte? Guimarães, berço da pátria?...

 
At domingo mar 07, 08:27:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Esta cambada de chulos do Porto querem é tachos, o pais já está pouco endividado para gora ainda andarmos a dividir isto para termos ainda mais cargos e chularia acumulada.

O patrão feche a loja e encerre o blog, os portugueses já chumbaram esta merda.

 
At domingo mar 07, 09:07:00 da tarde, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Anónimo (08:27:00 PM)

A discussão não pode, nem deve, cingir-se aos argumentos que o meu amigo aqui coloca

Atente-se ao que vai acabar (tachos ?!) se a instituição da Regionalização for para a frente:

- 5 CCDRs e respectivo 'staff'
- 18 + 18 Governadores e vice-governadores civis e respectivo 'staff'
- Muitas das actuais direcções regionais dos diferentes ministérios ou então muito do actual 'peso' administrativo que elas contêm.
- parte dos mais de 4.000 lugares de nomeação directa do governo central.
- previsível diminuição do n.º de deputados nacionais.
- etc, etc.


Cumprimentos,

 
At segunda mar 08, 12:20:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Em primeiro lugar estes tristes que colocaram aqui este posta deviam ter vergonha, declarações infelizes são as destes senhores, o Cavaco é um patriota e como tal contra e bem a regionalização, essa armadilha que os castelhanos nos querem lançar.

Em relação so senhor Felizes digo-lhe que você é burro ao ponto de colocar aqui o seu nome e andar para ai armado em regionalista, pois fique sabendo que um dia destes você e gente como você feita com os castelhanos vai ter problemas com a justiça em Portugal, quando ele passar a funcionar, deixar de estar nas maõs de maçónicos como o Noronha do Nascimento e começar a julgar estes traidores que querem rebentar com esta nação milenar chamada Portugal, ou pensa que esta bandalheira vai durar sempre, prepare-se senhor felizes que há quem ande de olho em si e desta cambada de traidores iberistas do Porto.
Ponha-se fino.

Somos um estado-nação que começou no Minho, e agora vêm estes tristes do Porto querer destruir isto em favor de uma federação com sede me Madrid.

Ouça lá eu não nasci ontem, a Regionalização não é um fim em si mesmo, é sim um meio para atingir um fim e esse fim é o iberismo e o leviatão da ibéria, sendo assim a regionalização é uma armadilha que os castelhanos querem lançar sobre Portugal através do seu boy de serviço, de nome IBERÒCRATES e de mais meia dúzia de traidores que subornaram e compararam no Porto, refiro-me a Menezes, entre outros notáveis.
Pergunte ao Saramago ou ao Mário Soares se eles são a favor da regionalização?

Claro que ambos vão dizer que sim, são os dois uns traidores de merda, esse filhos da puta, por isso você e quem defende essa merda da regionalização estão do lado dos que fazem o jogo dos castelhanos, é obvio, o objectivo dos castelhanos é dividir Portugal, balcanizar o pais para depois nos lançar a luva aos fim de 900 anos.

Em relação as despesas você deve ser doente mental, realmente acabava com os 18 governadores civis, em contrapartida arranjava governos regionais com presidentes e secretários para tudo e mais alguma coisa, deputados regionais e mais uma carrada de tachos e mais um nível na administração do estado com a a consequente burocracia associada que resultaria ainda em mais corrupção, e isto só para arranjar tachos para estes dementes regionalistas do Porto.

Tenha juízo e feche o blog, ponha-se fino, porque no futuro se não muda de vida vai ter problemas.

 
At segunda mar 08, 01:04:00 da manhã, Anonymous pedro said...

" templario disse...

E que tal encontrarmo-nos algures na região Norte? Guimarães, berço da pátria?..."

Ò amigo templário Guimarães fica no Minho, isso do Norte não existe, ou melhor existe, apenas na cabeça de meia dúzia de regionalistas do Porto que querem destruir o pais e arranjar uns tachitos, para depois sermos todos empacotados numa federação com sede em Madrid.

Esse norte acaba em ermesinde e gondomar quanto mais chegar a Guimarães, guimarães é Minho, qual norte, qual merda.

Em relação ao comentario anterior parabens, penso que diz tudo sobre a regionalização e o seu objectivo.

 
At segunda mar 08, 01:34:00 da manhã, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Anónimo (12:20:00 AM),

Felizmente que Portugal é, em larguíssima maioria, constituído por pessoas sérias, tolerantes e sobretudo educadas.

E já agora, a propósito dos iberistas e numa analogia ao que dizia Almada Negreiros no seu 'Manifesto anti-Dantas', se o Anónimo é português então, aí sim, eu quero ser espanhol.

Cumprimentos,

Nota:
Já agora, lembrava-lhe que os seus argumentos não se tornam mais fortes por utilizar linguagem de taberna.

 
At segunda mar 08, 01:54:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

O seu incómodo só mostra a clareza e verdade da minha tese, chamar-lhe burro não penso que fosse motivo para reagir dessa maneira.

Em relação á educação eu so-o com quem mereçe, gente como você não mereçe nada, merecia era estar preso por traição á pátria, em relação á tolerancia não me peça para ser tolerante com traidores destes, por fim se voc~e é uma pessoa séria, então para mim essa palavra deixa de ter sentido, porque uma pessoa séria e responsável não defende teses destas regionalistas.

E já agora passo a identificar-me no blog.

 
At segunda mar 08, 02:38:00 da manhã, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Anónimo (01:54:00 AM)

Agora que o meu amigo já está mais 'calmo', passo-lhe a explicar algumas coisas que considero centrais no processo da Regionalização. Assim:

- Há diferenças abismais entre as Regiões Autónomas (Madeira e Açores) e as Regiões Administrativas que estão previstas na nossa Constituição para o território continental. Desde logo as Regiões Administrativas não têm, nem Governo, nem Parlamento. As regiões administrativas também não têm qualquer poder legislativo. Com a Regionalização pretende-se,unicamente, tornar mais efectiva e mais democrática a governação do território de Portugal.

- Também e contrariamente àquilo que pensa, é a não-regionalização e o centralismo radical vigente que está a minar a nossa unidade nacional. É o facto do nosso país, em termos de desenvolvimento, estar duplamente inclinado - para o litoral e para Lisboa - que, no futuro, nos pode criar problemas enquanto nação.

Cumprimentos,

 
At segunda mar 08, 03:17:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Caro Templário,

Já que não pode ser realizado o almoço na sub-região da Bairrada, então que seja em Guimarães.
Mas quando passar por Vila Nova de Gaia (Arcozelo), agradeço que me telefone cujo número já o forneci, para um encontro prévio.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 
At segunda mar 08, 03:25:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Caro António Felizes,

Lamento sinceramente que o tenham metido numa embrulhada de má educação e de total desrespeito pela tema que é tratado neste blogue, agora prendado até com ameaças se não decidir "mudar de vida".
Os conteúdos éticos dos meus textos acabam por ser confirmados por algumas intervenções neste blogue, perfeitamente dispensáveis e que não honram quem as faz. Razão pela qual me dirijo só a si, com o desprezo merecido por "finos" autores que não conseguem apresentar qualquer ideia válida. Só insultos.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final

 
At segunda mar 08, 04:17:00 da tarde, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Anónimo pró-7RA.,

Agradeço-lhe as suas palavras de solidariedade.

Este blog é um espaço aberto, onde todos são bem-vindos e onde todos podem expressar as suas opiniões livremente desde que o façam em termos correctos e não ofensivos.

O facto de não ter censurado os comentários em causa serve, exactamente, para demonstrar aquilo que não queremos aqui.

Cumprimentos,

 
At segunda mar 08, 06:45:00 da tarde, Blogger antonioj said...

Que tal banir a cambada de mal educados que aterrou neste tópico? Realmente, os argumentos anti-regionalização são fantásticos - arruaça, apelo à selvajaria, estupidez - é por isso que o país está como está. Gente ignorante

 
At segunda mar 08, 10:24:00 da tarde, Anonymous João said...

1ª parte.

Ainda lhe digo mais senhor Felizes, você e estes deficientes mentais que colocam aqui estes post’s neste blog devem desconhecer a história de Portugal bem como a de Espanha, ou melhor do império colonial castelhano, há que chamar as coisas pelos nomes, este pais não existe, e por isso tem que estar regionalizado á força porque dentro do que vulgo designamos como espanha há 4 ou 5 nações ainda por descolonizar e que querem ser independentes, uma delas é a Catalunha, as outras são a Galiza, Pais Basco para não falar na Andaluzia, nos Aragoneses e Leoneses.

É normal que o império colonial castelhano tem que estar regionalizado, a Catalunha até já vai adiantada e fez um referendo em Dezembro do ano passado em que 97,4 % das pessoas votaram a favor da independência, o que não me admira.

O que me admira é que os Portugueses em vez de unirem e apoiarem a Catalunha, bem como os Bascos e os Galegos na sua luta pela independência de modo a decapitar o abutre castelhano, de onde sairíamos muto beneficiados visto que surgiria um novo equilíbrio de poderes na península, não pelo contrário, parece que querem destruir o pais deles, dividindo-o e retalhando-o para depois os castelhanos nos poderem lançar a luva.

Eu não e admira que os castelhanos e os catalães por diferentes razões sejam a favor da regionalização em Portugal, e explico porque, os castelhanos porque viriam aqui uma oportunidade para dividir e enfraquecer Portugal, o que poderia significar uma oportunidade para nos lançaram a luva ao fim criando a ibéria das nacionalidades, esfriando ao mesmo tempo os ímpetos dos independentistas Catalães e Bascos, bem como dos Galegos, ou seja, os castelhanos podiam e querem usar Portugal para perguntar aos Catalães, Bascos e Galegos, então vós quereis ser independentes de Espanha e os Portugueses querem fazer parte da Espanha?

Por seu lado os Catalães há 2 tipos, os que defendem a independência da Catalunha a muito curto prazo que não querem saber de iberismo para nada, querem é a Catalunha independente imediatamente, e a outra facção de que o senhor Carod Rovira é uma das principais faces dos que são iberistas e que volta meia volta vem aqui a Portugal dizer estas merdas à fundação Mário Soares a convite do traidor do Mário Soares, e estes vem no iberismo e no sacrifício de Portugal o caminho para criar uma federação ibérica, vindo a independência da Catalunha à posteriori com a hipotética dissolução dessa federação, eles não perdiam nada, nós Portugueses é que perderíamos a nossa independencia, ou seja, estes catalães querem usar Portugal para atingir o seu objectivo.

A Catalunha se não fosse a traição que a França lhe fez na guerra dos segadors, com o assinar da Paz da Vestefália em 1648 hoje a Catalunha seria um pais independente, e tem o direito a sê-lo, e nós Portugueses devemos apoiá-los para assim decapitar o abutre Castelhano, o problema é que você como outros traidores da sua laia com a promoção da regionalização apenas estão a enfraquecer Portugal em relação ao nosso inimigo milenar que pode levar à nossa perca de independência a curto prazo, com TGV e outras traições que se encontram em marcha e planeadas pelo IBERÓCRATES e companhia, o Miguel de Vasconcelos do séc. XXI.

Neste momento, eu não tenho dúvidas que está a ser urdido por estes maçónicos iberista que se apoderaram do Ps encabeçados pelo Sócrates, ou melhor pelo iberócrates e pelo senhor Rui pereira, o tal das leis penais de 2007 que tanto jeito estão a dar ao iberócrates agora, que foi até bem pouco tempo o grão mestre do oriente lusitano, um plano a 20/25 anos para acabar com Portugal para sermos castelhanismos que culminar com um referendo, é isto que Sócrates e zapatero andam a fazer na sombra, as sondagens até já começaram, sendo feitas também por um iberista como não podia deixar de ser, o Rui Oliveira e Costa da Eurosondagem, este traidor sportinguista,

As provas são mais que muitas, foi o Iberócrates que disse que a sua principal prioridade era a Espanha, Espanha e Espanha, não foi?

 
At segunda mar 08, 10:26:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

2ª parte.

Foi também este primeiro-ministro que permitiu a venda de uma estação de noticias à prisa em 2005 permitindo que os espanhóis controlassem 1/3 das noticias veiculadas me Portugal, vendendo-lhe também uma das maiores construtoras nacionais, a Somague, e foi também ele que pôs os Portugueses a nascer em Badajoz com o objectivo de criar os primeiros “ibéricos”, foi ou não foi?

Foi também no 1º governo dele que um ministro de nome Mário Lino se assumiu como iberista confesso na Galiza, e se um ministro é muito mau 2 é o cúmulo, e já nesta legislatura o também maçónico Luis Amado disse em Pombal que o futuro de Portugal passa pela "ibéria".

Mas não ficamos por aqui, o iberismo está a chegar ao futebol, e este mundial de futebol conjunto a mim dá-me vontade de vomitar, a começar logo pelo nome, mundial ibérico? E porque não luso-espanhol como manda o direito internacional, tudo isto juntamente com o também ibérico de nanotecnologia de braga ibérico, prémio literário entre outas palhaçadas faz parte de um processo de motivação contraditória que visa que os Portugueses se começarem a achar ibéricos, e no dia que isso acontecer estamos perdidos.

Porque se no séc. XXI, Espanha era sinal de império castelhano, cultura e língua castelhana, do memo modo agora Ibéria ou ibérico é na mesma sinal de império castelhano, cultura e língua castelhana, a diferença está no nome, ou seja esta é a 2 volta da ofensiva castelhana, a primeira passou por roubar o nome dado pelos romanos à península, a segundo pelo nome dado pelo gregos, mas a diferença está apenas no nome romano ou grego, porque o conteúdo é mesmo, domínio da língua e cultura castelhana.

Depois estes traidores do Ps vêm também com a diabolização dos bascos, visto que um dos entraves à criação deste leviatão a que chamam“ibéria”, é a ETA.

Esta dramatização em torno da questão da ETA que se tem visto nos últimos dias anoja qualquer português verdadeiro, a abertura de telejornais com isto, a diabolização dos bascos que se quer tentar incutir na cabeça do português mediano sem acesso a informação é vergonhosa, e tudo isto acontece porque a ETA é um dos entraves à criação da dita ibéria que o iberócrates tanto almeja, bem como outros traidores iberistas em Portugal, como um dos seus conselheiros, o também traidor iberista do Mario Soares, esse outro dia dizia que tinha que se combater a ETA até ao fim, destrui-los.
Parece querem fazer disto um problema de Portugal, só falar dizerem que é a ETA é um problema “ibérico”, os castelhanos que se desengomem com isto, senão que dêem independência aos Bascos, que eles param logo quietos, e que descolonizem também os Galegos e os Catalães, porque é disso que se trata a espanha, ou melhor o império colonial castelhano tem que ser decapitado, e os portugueses deviam ajudar os bascos e não combate-los, quem ganharia mais com a destruição da Espanha seriamos nos Portugueses, porque emergiria um novo equilíbrio de poderes na península e nós sairíamos muito beneficiados com isso.

Mas não, tentam diabolizar os Bascos, dão tempo de antena ao ministro castelhano nas televisões portuguesas e tudo, dizendo que os bascos são terroristas, e já agora eu gostava de saber qual é a definição de terrorismo.

Terroristas são todos aqules que negam submeter-se as ordens dos impérios, e sendo assim os bascos visto que não querem fazer parte do império colonial castelhano são considerados terroritas pelos castelhanos.

È que por esta ordem de ideias nos Portugueses no passado também fomos considerados terroristas pelos castelhanos, visto que não quisemos fazer parte do império castelhano, sendo assim, se os bascos que lutam pela independência do seu pais basco, e que tem a cultura e língua mais antiga da Europa são terroristas, então o D. Afonso Henriques, o Mestre de Avis, o D. Nuno Alavares Pereira e D. João primeiro de Bragança também eram terroristas.

 
At segunda mar 08, 10:28:00 da tarde, Anonymous João said...

3ª parte.

Os maiores terroristas da Europa são estes castelhanos, assim os qualificou há uns dias a Human Rights watch que alegou tortura gravíssima em espanha, estes filhos da puta da Flandres à América do sul ficaram conhecido pelas atrocidades que cometiam, os sanguinários, ou únicos que lhe deram nos cornos fomos nós, devíamo-los era ter eliminado e a todos, a essa raça de gente filha da puta.

Em relação ao TGV é um crime que se quer fazer, e só não vê quem não quer, que esta obra seria a ponta de lança do ataque final dos castelhanos a Portugal, com a fuga das empresas multinacionais para Madrid e redução da bolsa de Lisboa à insignificância, servindo também para endividar o pais.

Mas se ter um partido alinhado com os interesses espanhóis é muito mau (PS) , dois é o cúmulo, e o problema é que a facção regionalista do PSD Porto encabeçada pelo senhor Luis Filipe Meneses já está também alinhada com os castelhanos, e este Meneses o tal que preside a organização do noroeste peninsular de que é presidente, que se assumiu como “militante peninsular” , ou seja, iberista, e que esteve casado com uma espanhola, escreve menezes com z e não com s veio agora há uns dias defender o ensino do castelhano desde a primária em Portugal, ou seja está tudo dito.

Ou seja esta sugestão deste traidor do Meneses faz parte do plano que já está delineado que passa por avançar em força com o ensino do castelhano em Portugal, de modo que quando a tal “ibéria” esteja para ser constituída, pelos meus cálculos quando os putos que estão a nascer em Badajoz tiveram 20 e tal anos e já possam votar a favor, a questão da língua não seja um entrave, visto que os portugueses nessa altura se tudo correr como estes traidores planeiam já estarão todos a falar o castelhano, que depois mudará de nome e passará a chamar-se de língua “ibérica”.

Isto é só traidores à pátria.

Estes traidores do Porto e arredores encabeçada pelo senhor luís Filipe Meneses e companhia, estão nesta cruzada anti-patriótica juntos com o iberócrates, querem destruir este pais à força toda, e para esta estirpe de gente vale tudo, até passar a ser colonizados pelos castelhanos, desde que lisboa seja destruída, como que lisboa não fosse Portugal.

Em relação a esse “norte”de que estes senhores do Porto e outros dementes regionalistas da zona metropolitana do Porto que tem todos o denominador comum de serem quase todos adeptos do FCP gostam de falar e parece que querem criar à força com base na politização do futebol, esse vosso “ norte cargoo” não passa de Gondomar, quanto mais chegar a Trás-os-montes e ao Minho e o que mete mais nojo é que estes pandeleiros do porto e arredores aproveitaram-se da criação das nuts ( numenclatura de unidade territorial) em 2002 que foram criadas apenas para fins estatísticos para tentar criar desde então uma identidade de “nortenho” que de facto não existe, ou que a existir se aplica apenas a esses dementes regionalistas que vivem na área metropolitana do porto.
É este o objectivo desta cambada de traidores convertido ao iberismo que se apoderou deste partido socialista, bem como de alguns já do PSd anteriormente enumerados, e a regionalização não é um fim e si mesmo, mas sim um meio para conduzir Portugal ao iberismo, de modo a destruir Portugal para que depois se de o etnocidio da cultura portuguesa por esse filhos da puta dos castelhanos.

Por tudo isto regionalização, não obrigado.

Regionalizar o pais seria catalisar essa entrega, seria acelará-la, e depois você vem dizer que defende o frente atlântica, e tem o Meneses que preside ao tal eixo do Noroeste Peninsular, a defender o ensino do castelhano em Portugal, e a confessar-se militante peninsular, ou seja, iberista, vá-se curar.

 
At segunda mar 08, 10:30:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

4ª parte.

Ou seja, esta tudo dito, os castelhanos já compraram o PS, e compraram estes dementes regionalistas do Porto, encabeçados pelo também traidor iberista do Meneses e companhia porque para certas e determinadas pessoas do porto, Lisboa não é Portugal, e tudo é preferível a estar sob o domínio de Lisboa, nem que seja preciso mesmo passar a soberania para os castelhanos e passar a ser mandados de Madrid.

Esta é que é e verdade, vocês são uma cambada de traidores à pátria, e para mim:

REGIONALIZAÇÂO=TRAIÇÃO=IBERISMO.

Eu sou um patriota, nem sou do Porto nem de Lisboa, sou das beiras, acima de tudo e qualquer coisa sou PORTUGUÊS.

E o meu pais começa em Bragança e acaba em Faro, não há enclaves pelo meio.

Eu não tenho nada contra o Porto e suas gentes, tenho sim contra meia dúzia de fanáticos regionalistas do Porto, que querem por em causa a unidade nacional do estado mais antigo da Europa, do único estado nação da Europa e de um pais que é dos 10 mais antigos do mundo.

Em vez de preservarmos, termos orgulho e darmos graças a deus por sermos o único estado nação da Europa, em vez disso temos esta meia dúzia e traidores à pátria do Porto e arredores, vendidos aos euros castelhanos que querem destruir este património quase milenar.

Eu também não gosto de ouvir o pessoal de Lisboa a falar mal do pessoal do Porto, somos todos portugueses e temos que remar todos para o mesmo lado, e não andar aqui a defender regionalizações que apenas iam balcanizar o pais, aumentar a despesa do estado a um nível incomportável bem como a burocracia com cargos regionais que não interessam ao pais.

A mim já me basta ter um Alberto João, quer arranjar aqui mais uns 5 no continente para rebentar com esta merda toda, e entregar isto aos castelhanos, é isso que quer?

Quer por os seus netos a aprender castelhano na escola?

Se é isso que quer defenda a regionalização, eu digo-lhe que a regionalização é uma armadilha que andam a lançar aos portugueses para nos dividir e enfraquecer, tal como o TGV que é um crime que se quer fazer, e só não vê quem não quer, que esta obra seria a ponta de lança do ataque final dos castelhanos a Portugal, com a fuga das empresas multinacionais para Madrid e redução da bolsa de Lisboa à insignificância, servindo também para endividar o pais para depois sermos encarcerados no império colonial castelhano.

É isso que querem, se querem ser espanhóis avancem com a regionalização e com o TGV a ligar Lisboa a Madrid que vão lá chegar.

Os Portugueses deviam-se orgulhar sim de ser o único estado nação da Europa, não havendo por isso como é lógico regionalização nenhuma no pais, em vez de andarem a tentar destruir isto.

Quem escreveu este post e já que deu o exemplo da Catalunha, que vá lá perguntar aos catalães se estes permitiam que a Catalunha fosse regionalizada e dividida, de certeza que diriam logo que não porque isso os iria enfraquecer, enquanto que você aqui em Portugal quer dividir e enfraquecer o seu pais, abra os olhos.

Agora os Portugueses quererem destruir o seu pais é que não percebo, ou andam cegos, ou não querem ver, ou então e não tenho dúvidas que muitos deles estão comprados pelos castelhanos.

O dinheiro não tem cheiro.

É este o objectivo desta cambada de traidores convertido ao iberismo que se apoderou deste partido socialista, bem como de alguns já do PSd anteriormente enumerados, e a regionalização não é um fim e si mesmo, mas sim um meio para conduzir Portugal ao iberismo, de modo a destruir Portugal para que depois se de o etnocidio da cultura portuguesa por esse filhos da puta dos castelhanos.

Abram os olhos meus amigos, querem destruir aquilo que já existe há quase 900 anos e que custou tanto a construir, à custa de sangue suor e lágrimas contra os filhos da puta dos castelhanos, se querem ser cúmplices dos castelhanos e continuar a ser usados por eles para destruir Portugal com a regionalização continuam, mas depois no futuro não se queixem e assumam as vossas responsabilidades como traidores á pátria que são.

 
At segunda mar 08, 10:32:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

5ª parte.

Por tudo isto e mais alguma coisa,regionalização, não obrigado.

Por fim, deviam ter vergonha de criticar o Cavaco, esse sim um grande patriota, algarvio mas que nunca quis sequer ouvir falar disso de regionalização, não é como esse ignóbil desse Mendes Bota e desse Macário, essa gente não tem categoria para estar num partido de direita.


E tal como vi escrito num comentário anterior, aqui vai o slogan:

Morte à Espanha e a Castela.
Independência para a Catalunha, Pais Basco e Galiza.

Viva Portugal.

 
At segunda mar 08, 11:13:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

É caso pra dizer:

Perdoai-lhe Senhor, ele não sabe o que faz.
Tanto disparate junto!
Tanto insulto junto!
Que baixo nível!
Que argumentação rasqueira!

Tanta história de Portugal ser o único "estado-nação da Europa" e afinal de contas a única coisa em que somos únicos é no título de país mais centralizado da Europa... O único país não-regionalizado da Europa Ocidental! Mas disso não quer este malcriado falar! Que ordinarice!

 
At segunda mar 08, 11:42:00 da tarde, Blogger Afonso Miguel said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At segunda mar 08, 11:42:00 da tarde, Blogger Afonso Miguel said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At segunda mar 08, 11:43:00 da tarde, Blogger Afonso Miguel said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At segunda mar 08, 11:46:00 da tarde, Blogger Afonso Miguel said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At segunda mar 08, 11:49:00 da tarde, Blogger Afonso Miguel said...

"Quem escreveu este post e já que deu o exemplo da Catalunha, que vá lá perguntar aos catalães se estes permitiam que a Catalunha fosse regionalizada e dividida, de certeza que diriam logo que não porque isso os iria enfraquecer"

Ó meu amigo, não diga disparates. Investigue um bocado sobre como se organiza a Catalunha.
A Catalunha já está regionalizada, subdividida em unidades territoriais que têm o mesmo poder que está previsto para as Regiões Administrativas portuguesas...

 
At segunda mar 08, 11:49:00 da tarde, Blogger Afonso Miguel said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At terça mar 09, 12:08:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Caro João,

Muito pior que deficientes mentais, os da regionalização, só os ATRASADOS MENTAIS, os que gostam mais de se conluiar com o estrangeiro do que contribuir para a resolução dos problemas da sociedade em que estão integrados.
A esta postura sempre houve quem a designasse por ALTA RAIÇÃO.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 
At terça mar 09, 12:23:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Caro João,

Peço desculpa pelo meu erro ortográfico: "ALTA RAIÇÃO". Este erro só pode conduzir-nos a mais 2 palavras:
1ª. Palavra: RAÇÃO, não sendo minha intenção tê-lo como seu destinatário, com toda a sinceridade; não gostaria de lhe fazer tal maldade.
2ª. Palavra: TRAIÇÃO, aqui o seu perfil, também de muito mal educado, já se encaixa bastante bem.
Na verdade, há erros que vêem por bem.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

PS - Os meus textos nunca seguirão as normas do Acordo Ortográfico, por razões de puro patriotismo e respeito pelas gerações de insignes portugueses que nos antecederam. E já não é pouco.

 
At terça mar 09, 01:12:00 da manhã, Blogger templario said...

Caro João,

O calor e a agressividade, de pique em riste, como se dirige neste blogue aos regionalistas que o criaram, não é o meu estilo. Muitas das acusações que faz aqui ao projeto de regionalização de Portugal, também as faço, e tenho-as feito com uma linguagem bem mais moderada. Mas apoio, no essencial, as cinco partes do seu comentário.

E não é o meu estilo por duas razões:
1º. - Porque a sua discussão encontra legitimidade legal na Constituição da República (já não devia, porque foi recusada no referendo de 1998). De facto ela está na Constituição (sujeita a referendo, embora a queiram nas costas do povo) quase por imposição do PCP, a quando da Constituinte, que tinha a classe política toda pela trela, mesmo de outros partidos, que conseguiu amedrontar, pelo poder que tinha dentro do Conselho da Revolução, nas forças armadas em geral e nos sindicatos (ainda imperava a unicidade sindical). Como as eleições para a Constituinte, ao contrário do que pensavam, lhe deram pouca representação parlamentar, cuidaram de introduzir uma saída para dividirem Portugal e os portugueses, na altura o Alentejo seria deles. Conquistou poucas câmaras, não dominava as Organizações Populares espontaneamente criadas no PREC , e o seu projeto de impor aqui a ditadura da ex-URSS falhou em 25 de Novembro de 75 (o tal golpe), último recurso para impedir a democracia em Portugal. O PCP foi, então, desmascarado como um partido ditador e golpista. Hoje joga mansinho e continua um partido retrógrado e reacionário como o PSD e o CDS-PP. Por isso estão tão unidos, agora também com a sua almofada, o Bloco de Esquerda.

Quanto ao PS, maçónico nas suas fundações, iberista nos seus líderes e ideólogos pioneiros, ali por alturas da segunda metade do séc. XIX, de facto, nunca se libertou completamente.

Hoje (o PCP) com apenas cerca de 4 dezenas de câmaras, reduzido entre 7 a 10 por cento de votos, anda baralhado. Fala na regionalização só para garantir ocupação para mais um punhado de quadros.

Vive agarrado aos presidentes de câmara do PSD que lhes empregam lá pessoal e faz alianças com eles nos executivos, explorando a balkanização do PSD e não desistindo em destroçar o PS, o seu inimigo estratégico. Mas o PCP não denota hoje muito entusiasmo pela regionalização. Vai-se colando aos aventureiros iberistas Menezes, Botas, Pintos da Costa, etc.. Mas não se empenha muito. É tudo para dividir.

2º. - Porque este debate é desconhecido (e os regionalistas trabalham por isso) e desinteressante para o povo, que nunca vai aceitar a regionalização. O debate está, em boa verdade, nos bastidores dos partidos e na internet. Os partidos não querem debatê-lo com as suas gentes (se é que isso é possível naqueles clubes, comités eleitorais, a que chamam órgãos partidárias).

E também porque entendo que é debatendo democraticamente que vale a pena.

-----------------------
No caso deste blog, militante da regionalização, onde participo há bastante tempo, nunca dei conta de atitudes contrárias ao debate de opiniões livre, e de respeito mútuo. Isso é que interessa.
------------------------------------------------------------------

......... Continua

 
At terça mar 09, 01:13:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

João.

É caso para dizer, as verdades doem, não doem.

Queria começar por dizer que não fui mal educado com ninguém no comentário anterior, simplesmente expus a minha argumentação sem ofender ninguém ou usar qualquer tipo de insulto.

Agora que o que eu digo vos incomodo, e dai vocês partem para o desespero e do desespero para o insulto, ai os mal-educados são vocês.

Mas se for para ser mal-educado eu também sou ser, por isso estiquem-se pouco, porque senão eu destravo-me e depois vai tudo pelo ar.
Em relação a este maluquinho que dá pelo nome de Afonso Miguel, então a Catalunha está regionalizada?

Mas você pensa que esta a falar ou a tentar enganar quem?

Crianças da primária, ou analfabetos.

A Catalunha tem 4 províncias Girona, Tarragona, Lérida e Barcelona, equivalentes aos nossos distritos mas sem qualquer poder administrativo, por sua vez estas províncias, estão divididas em comarcas, o nosso equivalente de concelho.

Você para além de ser fanático regionalista ainda é mentiroso.

Em relação ao senhor que fala de Portugal ser o único estado não regionalizado da Europa, eu digo que é lógico que não esteja, e ainda bem que somos um estado nação da Europa, e isso explicasse por termos as nossas fronteiras estabilizadas desde o séc. XIII, com a excepção do roubo de Olivença.

Em relação ao senhor da Ração (pró-7RA), eu sinceramente não percebi de que lado é que o senhor esta, esta do meu lado, ou do lado dos dementes regionalistas do Porto, decida-se e junte-se aos puros e aos patriotas porque de traidores esta isto cheio (espero resposta da sua parte.)

Por mais que vos doa, esta é que é a verdade, e vocês nunca vão levar por diante os vossos planos par destruir o pais, em Portugal ainda há homens de bem como o Cavaco e outros.
Mas são verdades, há que engoli-las e pelos vistos isto custa a estes fanáticos regionalistas do Porto e arredores.

REGIONALIZAÇÃO=TRAIÇÃO=IBERISMO

PS: senhor da Ração (pró-7RA), eu sinceramente não percebi de que lado é que o senhor esta, esta do meu lado, ou do lado dos dementes regionalistas do Porto, decida-se e junte-se aos puros e aos patriotas porque de traidores esta isto cheio (espero resposta da sua parte.)
Cumprimentos.

 
At terça mar 09, 01:15:00 da manhã, Blogger templario said...

....... continuação

Não concordo com algumas coisas que escreveu, como o critico pelos termos como se dirige ao Sr. António Felizes. É evidente que o senhor não assusta ninguém, ninguém tem medo que o senhor identifique... seja quem for, de ter alguém debaixo de olho..., isso faz lembrar um certo passado... . Porque se fosse assim, sendo eu um convicto anti-regionalização, teria de me aliar ao Sr. António Felizes contra si, que quero ter a meu lado na luta contra a regionalização e aos seus defensores.

Por isso mesmo, e porque tenho andado por aqui sozinho nesta luta, gostaria que aparecesse por aqui mais vezes em minha ajuda. Topa-se que tem argumentos fortes e lúcidos e que vão ao cerne da questão.

Adoro a democracia. E sei porquê. É um privilégio que mais de metade da população mundial não desfruta ainda.

Com partidos políticos - até que não apareçam melhores alternativas.
-------------------
P.S.: Chamo a sua atenção para o facto do Dr. Mário Soares não ser, de modo nenhum, adepto da regionalização. Bem ao contrário!

Como nunca pisou a Bandeira da Pátria em Londres. Esta é mesmo intencional..., para o experimentar...., para cocar o seu subjetivo. Não me leve a mal.

 
At terça mar 09, 02:28:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

João

Caro templário, hoje tenho que me ir deitar, mas amanha venho cá outra vez, para nós entrarmos em contacto e para o ajudar a martelar a cabeça e a elucidar estes regionalistas do Porto, que não se apercebem da realidade, o mundo deles começa na ribeira, passa pelo bolhão e acaba na torre dos clérigos.

Eles a falar de regionalização, são como uma criança de 3 anos que quer comer guloseimas, ou seja, a criança não quer saber que as guloseimas lhe virão a fazer mal aos dentes no futuro, quer é comer as guloseimas que puder no momento, e ai é que alguém tem que lhe fazer ver que isso lhe vai fazer mal aos dentes no futuro, acontece o mesmo com estes senhores, pensam o momento mas não são capazes de pensar o futuro nem o pais.

Em relação aos comunas, começando no Vasco Gonçalves e acabando no Otelo, penso que esta tudo dito.

Do Mário soares, o agente da CIA que vivia a larga e a francesa em Paris, desse até me da nojo falar dele, o papel que teve na descolonização foi vergonhoso, já devia estar a pensar em diamantes, em relação à bandeira foi uma das muitas traições que fez a juntar a outras como a nossa entrda para a CEE no mesmo dia dos castelhanos, a fundação que tem onde não faz mais nada que trazer iberistas como o Carod Rovira entre outras, vejam bem que outro dia fui lá ao site dele e o gaijo até já mudou o nome à América latina, agora chama-lhe ibero-america, é um verdadeiro traidor.

Este juntamente com o Almeida Santos, o tal que quer vender o nosso mar aos castelhanos e que diz que Portugal, um pais com uma ZEE 3.000.000 kM2 não precisa de submarinos, e o Saramago era deporta-los para as Berlengas a pão e água, isto para não lhes limpar o canastro que bem mereciam.

Cumprimentos.

Viva Portugal.

 
At terça mar 09, 04:37:00 da tarde, Blogger templario said...

Caro João,

Relativamente aos dois últimos parágrafos do seu comentário....

Respeito as suas opiniões (que remédio...), o senhor tem essa fixação sobre o M. Soares, nada a fazer...

E veja só como as nossas visões sobre isso são antagónicas:
Tenho uma grande admiração por Mário Soares,como político amante da liberdade, da democracia, etc., etc.. Valeria a pena, interpretando os tais 2 parágrafos, debater consigo esta divergência? Sinceramente, não.
Levava-nos a debater o que foi a política em Portugal nos últimos 70 anos, e a temática deste blogue não é o espaço certo para o fazer.

Não sejamos hipócritas: podemos estar em consonância quanto ao debate sobre a regionalização, mas em completa contradição quanto a alguns conceitos, tais como os de pátria, nação, soberania nacional, soberania popular, povo, elites, liberdade, democracia, independência nacional, identidade nacional, etc..

Durante o PREC pós Abril, o maior cuidado que se teve para garantir a vitória da democracia na rua (e não só), foi estar de olho aberto e em guarda para movimentos de ideologia ultramontana, saudosistas, que se juntavam aos que a queriam e defendiam, mas com outros objetivos - o de repôr a velha ordem.

O senhor parece gostar de personalizar os factos da história, à moda do antigamente.

A descolonização nem foi bem feita nem foi mal feita. Foi feita, tinha de ser feita,de acordo com vários factores políticos, sociais, internos e externos e a situação no palco da guerra. Estive na guerra colonial como militar, no seu auge, uma desgraça para a minha geração e para os portugueses e para os povos das ex-colónias. Gritei, em Aveiro, contra a guerra colonial, depois nas ruas do nosso país "Nem mais um soldado para a guerra!" Os nossos soldados e os dos movimentos de libertação, no teatro da guerra, arrearam as armas e confraternizaram (já lá não estava). Era a vontade do povo, a vontade dos povos (já não a vontade desta ou daquela personalidade, ou de certos grupos...).

Parece gostar de História, e sabe que a descolonização não se restringe ao Abril de 74 para cá. Tem de recuar, recuar... - mas não contorne nenhuma fase. Se gosta de identificar "cabeças", fará boa coleção.

 
At terça mar 09, 09:00:00 da tarde, Blogger Afonso Miguel said...

"Queria começar por dizer que não fui mal educado com ninguém no comentário anterior, simplesmente expus a minha argumentação sem ofender ninguém ou usar qualquer tipo de insulto."

Respondo-lhe com frases suas:

"Em relação so senhor Felizes digo-lhe que você é burro"

(...)

"Pergunte ao Saramago ou ao Mário Soares se eles são a favor da regionalização?

Claro que ambos vão dizer que sim, são os dois uns traidores de merda, esse filhos da puta,"

(...)

"Em relação as despesas você deve ser doente mental"

(...)

"Ainda lhe digo mais senhor Felizes, você e estes deficientes mentais que colocam aqui estes post’s neste blog"

(...)

"Em relação a este maluquinho que dá pelo nome de Afonso Miguel"


Acho que chega. Eu sou uma pessoa civilizada, e não respondo a frases destas. Sempre tratei com elevação e respeito quem tem opiniões contrárias às minhas, e espero dos outros que façam o mesmo comigo. É lógico que há quem não esteja preparado para debater democratica e respeitosamente, como é o seu caso. Acho que os leitores do blogue, quer concordem ou não com a regionalização, tirarão as suas próprias ilações dos seus comentários.

Quanto à questão da Catalunha, e dos modelos de organização administrativa dentro das Nacionalidades Históricas espanholas, comunico aos outros leitores deste blogue que espero publicar, quando tiver disponibilidade, um artigo ilustrativo sobre o tema, onde esclarecerei o porquê de a Catalunha poder considerar-se regionalizada.

 
At terça mar 09, 10:08:00 da tarde, Blogger hfrsantos said...

Solidariedade com Antonio Felizes vitima de insultos e ameaças por defender os seus ideais no Portugal livre, pelo qual os nossos antepassados lutaram.

Viva a democracia.
Viva Portugal, de preferencia regionalizado!

 
At quarta mar 10, 10:29:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

João

Caro Templário.

Eu sou de uma geração pós 25 de Abril, Eu sou de uma geração pós 25 de Abril, contudo a minha geração começa a ficar farto desta bandalheira em que este pais se esta a transformar e quando houve falar as pessoas com mais idade até com um certo saudosismo que dantes havia respeito e ordem, não havia corrupção, não havia assaltos nem insegurança na rua, e acima de tudo não havia traidores à pátria como estes regionalistas nem vendidos aos castelhanos, e esta minha geração começa a pensar se a 2ª república apesar dos defeitos que lhe apontam não seria melhor que esta decadência em que vivemos a que chamam democracia, mas que de democracia tem puco, ou sea, isto é mais uma escolha condicionada quase sempre duas opções más que a corja da maçonaria que controla este pais nos impõe.

Esta é que é a verdade e a minha geração começa a ficar farto desta bandalheira em que este pais se esta a transformar, e começa a querer ordem no pais nem que a ordem venha pela uso da força, esta minha geração começa também a contestar este colete de forças que é a UE, que não passa de um novo zolverein, de um 4 reich assente no eixo Berlim-Paris -Madrid, e que esta a asfixiar Portugal de dia para dia e limitar e cercear o campo de acção dos países membros parece que caminhado para uma federação, para onde se entra mas não se sabe se se sai a bem ou a mal, eu espero que os ingleses saltem fora para nós como sempre os seguirmos e mandar estes filhos da puta destes alemães e franceses as couves, e os ingleses já não andam nada contentes com as duas negas que levaram para os 2 novos cargos da EU, levaram uma nega com o Blair para presidente, e com o Milibang para os negócios estrangeiros.

Mas prosseguindo e fora este aparte, apesar de não ter vivido o período do 25 de Abril estou minimamente informado sobre esse período histórico de Portugal, desde o inicio da guerra colonial até ao 25 de Abril de 74, passando pelo 25 de Abril de 75 acabando no 25 de Novembro de 75, falando de PREC, Compcon, Otelo, Spinola, gonçalvistas em geral, não esquecendo os acordos do Alvor onde o Sr. Mário Soares, Almeida santos outro traidor, bem como outros como Rosa Coutinho, etc.

Passando depois e fazendo justiça a homens que Portugal precisava agora para por esta bandalheira na ordem, como Ramalho Eanes, e Jaime Neves, este ultimo por vezes esquecido mas um homem que teve um grande papel na estabilização do pais no pós 25 de Novembro, e um grande militar, militares estes que tão mal andam a ser tratados e e que me merecem o maior dos respeitos e considerações.
Em relação aos senhor Afonso Miguel parece que você agora anda de advogado do Saramago, do espanhol da azinhaga do Ribatejo, é isso?

Você acha mesmo que um ignóbil destes que foi comprado pela prisa com um prémio nobel, e que não faz mais nada do que falar mal de Portugal nas suas crónicas do El Pais, sendo ainda usado para acalmar os ímpetos
independentistas de Bascos, Catalães e Galegos, merece respeito da minha parte, realmente filho da puta não será indicado porque a mãe não terá culpa, mas fora isto e santo tudo é válido para chamar a esta personagem que devia ser proibida de entrar em Portugal e os seus bens confiscados, apagado da história portuguesa.

 
At quarta mar 10, 10:31:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

continuação....

Em relação aos restantes nomes sinceramente chamar doentes mentais a pessoas que defendem este tipo de teses separatistas que vocês aqui defendem parece-me adequado e até muito soft, porque isto no futuro vai acabar mal para o vosso lado, podem ter a certeza, vocês há-dem pagar e bem caro por quererem destruir este pais.

Em relação a chamar-lhe a si burro, não se esqueça que antes você chamou-me a mim burro e estúpido indirectamente quando me tentou convencer que a Catalunha estava regionalizada.

Em relação a este ultimo comentário do HRFSANTOS realmente tem razão, os portugueses sempre lutaram para serem livres e independentes dos castelhanos, contudo agora meia dúzia de deficientes mentais do porto num enorme contracenso histórico parece que lhe querem entregar o pais retalhado aos bocados.

Senhor templário, estamos cá para luta.

Viva Portugal, uno e indivisível.

Cumprimentos.

 
At quinta mar 11, 03:22:00 da tarde, Blogger antonioj said...

Sim, via Portugal, uno e indivisivel, mas onde só alguns prosperam MUITO mais que os outros, na mama da capital. E não, não sou fanático regionalista do Porto. Sou de Coimbra. Mas estou farto de ver um país escandalosamente macrocéfalo. Votei não no primeiro referendo, mas agora, e com base no modelo das 5 regiões, a minha posição é diametralmente oposta.

 
At sexta mar 12, 12:15:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

João

Com esse discurso estafado da macrocefalia dos regionalistas do porto pensas que enganas alguém, tu até podes dizer que és do Kénia, porque ninguém vai acreditar, só podes ser do porto.

Viva Portugal.

Cumprimentos.

 
At sexta mar 12, 02:41:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Se o mapa das 9 regiões já era mau para o pais, este seria a desgraça total, era o que mais faltava dar a estes regionalistas do porto poder sobre o minho e trás-os-montes.

Para lá do marão mandam os que lá estão.

este tipo personifica bem o espirito destes regionalistas do porto, querem poder, mas não lhe chega apenas mandar no seu burgo, entenda-se porto e arredores, querem-se esticar que é para terem mais poder e lançar assim o pais na destruição.

Contudo e como é lógico, esta gente que nunca teve poder, tambem nunca o ira ter no futuro, visto que não merece como prova este comenta´rio.

O vosso “norte” acaba em Gondomar.

Em Penafiel já fica o vale do Sousa.

Quanto mais chegar ao Minho e a Trás-os-Montes.

Para lá do Marão mandam os que lá estão.

Viva Portugal uno e indivisível.

Cumprimentos.

 

Enviar um comentário

<< Home