domingo, março 07, 2010

Jardim e a confusão doutrinária no PSD

Presidente do governo regional diz que não se revê neste PSD

(...)

Alberto João Jardim partilha também com Santana Lopes a ideia de que o partido de Sá Carneiro está numa encruzilhada política e num período de indefinição ideológica: "A confusão doutrinária dentro do PSD é total, e foi por isso que eu defendi um congresso, não foi para aquelas alminhas andarem a brincar às facções eleitorais."

As coincidências com a estratégia até agora seguida por Pedro Santana Lopes são também visíveis no que diz respeito ao estado do partido. Tal como o ex-líder do PSD, Jardim parece ameaçar bater a porta e dar lugar a todas as interpretações, incluindo a da formação de um novo partido. "Devo dizer que estou muito distante deste PSD. Este PSD é o meu partido de sempre, mas é cada vez menos o meu partido. Quem quiser que interprete esta frase." É um facto que, tal como Santana, não é a primeira vez que Jardim ameaça sair.

Alberto João Jardim quer saber o que é o PSD. "Federalista europeu ou primado nacional? Quer regionalização do continente ou não? Aceita maior autonomia para os Açores e Madeira? Admite rever a Constituição ou quer ser situacionista? Estas questões têm de discutidas dentro do PSD, porque a confusão que vai dentro do partido sob o ponto de vista doutrinário é total."

(...)

|i|