segunda-feira, março 15, 2010

O PR e a regionalização

MANUEL QUEIROZ
|Semanário Grande Porto|


Na entrevista ao jornal de Barcelona “La Vanguardia” com que o presidente da República anunciou a sua visita à Catalunha na semana passada, Cavaco Silva recordou, entre outras coisas, que o referendo português sobre a regionalização foi um “sinal claro sobre a força da identidade étnica, linguística e cultural” e que “60 por cento dos portugueses rejeitaram a regionalização em Portugal, porque a consideravam uma invenção dos políticos”.

O Presidente da República é garante da Constituição e, tanto quanto se sabe, zangou-se com quase toda a gente - e nomeadamente com o primeiro-ministro - porque o Parlamento lhe tocou num dos seus poderes aquando da aprovação do Estatuto dos Açores.

Ora, a Constituição que Cavaco Silva jurou tem lá também essa norma, ainda que submetida a vários condicionalismos (referendo, todas as regiões terem que ser maioritariamente a favor). E não são só os poderes do presidente da República que são importantes numa Constituição. Tudo o resto que lá está também o é e a regionalização vem mesmo desde o início desta Lei Fundamental, sinal de que o legislador a quis manter ao longo de todos estes tempos.

Foi Cavaco quem avançou e depois recuou na regionalização, apostando tudo num país unipolar e de que hoje temos os frutos, como recorda Rui Moreira no seu recente livro “Uma questão de carácter”.

O presidente da Associação Comercial do Porto vai ao ponto de dizer que o actual PR não gosta do Porto, coisa a que não me atrevo. Mas quando Cavaco vai à Madeira tem sempre umas palavras da praxe para recordar a importância da autonomia. O que é bom para uns é uma criação dos políticos só porque muda a latitude?

3 Opiniões

At segunda mar 15, 06:51:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

João

Este senhor devia ter vergonha e lavar a boca antes e falar do cavaco, não passa de mais um dos que se vendeu aos castelhanos até já é comentador desportivo no canal dos castelhanos, em defesa do FCP, e ainda por cima vem para aqui citar o La vanguardia que é o jornal dos castelhanos na Catalunha, o jornal dos fretes ao governo de Madrid, sendo o de menor tiragem visto que até é escrito em castelhano e não em catalão como os restantes, o Avui e o El Periodico de Catalunya.

Se tem dúvidas consultem:

http://regabophe.blogspot.com/2009/09/eleicoes-ganhou-o-iberismo.html

Que esperar deste indivíduo a não ser defender a regionalização, outra coisa da boca deste senhor não era de esperar, mais um dos “heróis” do porto, também membro permanente do famoso blog Bússola criado por outra personagem indecorosa do Porto, o Serrão, mais um fanático regionalista.

È com gente deste tipo que estes senhores querem convencer o pais, só se enganarem os cegos e os mais incautos.

REGIONALIZAÇÂO=TRAIÇÃO=IBERISMO.

O vosso “norte” acaba em Gondomar.

Em Penafiel já fica o vale do Sousa.

Quanto mais chegar ao Minho e a Trás-os-Montes.

Para lá do Marão mandam os que lá estão.

Prisão com os traidores regionalistas do Porto, é mandá-los para Custóias.

Viva Portugal uno e indivisível.

 
At terça mar 16, 02:44:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Bem, eu não me revejo em sentimentos ditatoriais contra pessoas, sejam de anti-regionalistas ou pró-regionalistas - sejam quais forem as regiões visadas ou a sua amplitude de mapa.

Cinco regiões é invenção.

Em Portugal Continental há 7, 8, 9 a 10 regiões naturais(7,8,9,10 não é uma varável disparatada, tem sentido cada uma conforme se aclopa com as mais próximas ou não) mais as duas do Portugal insular Atlântico.

Como organizá-las?! ou se é necessário sequer autonomizá-las mais(seja por eleição ou mais delegação e novos orgãos intermédios a criar), ou optar por outras formas de descentralização próximas ou diferentes é assunto a pensar e a experimentar com prudência e visão.

Isso de regiões 5 Continentais e extremismos autonómicos é ficção artificial e joginho ao serviço do iberismo (mesmo que sem intensão em alguns casos)e de galeguistas minoritários anti-portugueses extremistas, passando-se aqui os Portugueses que caem na armadilha por idiotas uteis anti-Portugal.

Tão poucas regiões, só as três(aproximadamente) vastas zonas climáticas, também de Orlando Ribeiro.

Assinado - ligado a Tomar-Mafra-Sintra-Castro Daire-Belmonte-Beja-Lisboa.

 
At segunda mar 22, 08:00:00 da tarde, Blogger Pedro said...

Boa tarde,


Ainda não entendi o que tem o Maior clube Português Internacional FC PORTO (porque é o clube português com maior número de títulos internacionais) a ver com a temática Regionalização. Não tem nada. E só uma pessoa com "palas" como os cavalos é que pode estar sempre a tentar fazer essa ligação.

Eu como bom português que sou, sei que POrtugal necessita urgentemente de uma Descentralização/Regionalização. Sou a favor de 4 ou 5 Regiões: Norte, Cento, Sul, Madeira e Açores.
Cada uma destas regiões devem ter um Governo Autónamo em que as Receitas provemientes dos Impostos dos trabalhadores de cada uma dessas Regiões devem ser distribuidas e aplicadas como Investimento para a melhoria de cada uma, respectivamente!

Só assim temos justiça Regional e Nacional!

É a soma das partes que faz o todo e não é uma pequena parte que faz o todo! Isto é para os de pensamento errado e retrógado que se dizem nacionalistas!

Ass. Pedro Matos.

 

Enviar um comentário

<< Home