sexta-feira, abril 16, 2010

Contestação às portagens nas SCUT

Alternativas às SCUT podem demorar o triplo

Estudo das comissões de utentes contraria critérios avançados por Governo

CARLA SOARES |JN|

O movimento de contestação às portagens nas SCUT vai entregar ao Governo um estudo em que demonstra que os critérios fixados para esta medida não se verificam no Grande Porto, Norte Litoral e Costa da Prata, e que as alternativas podem demorar o triplo do tempo.

As comissões de utentes, que amanhã se juntam numa marcha até ao Porto contra as portagens nas SCUT (sem custos para o utilizador), realizaram um estudo que pretendem entregar em mão ao ministro das Obras Públicas.

No documento, a que o JN teve acesso, são contestados os três critérios legais: tempo da viagem nas alternativas; Índice de Poder de Compra Concelhio (IPCC); Produto Interno Bruto (PIB).

Um dos requisitos das SCUT é o tempo de percurso das vias alternativas ser 1,3 vezes superior à viagem nas auto-estradas. Neste caso já não seriam portajadas.

O estudo na A28 (Norte Litoral) aponta para 40 minutos (a 120 km/hora) entre Moreira da Maia e Viana do Castelo. Entretanto, explicou o porta-voz, José Rui Ferreira, foi calculada a média de três viagens pela alternativa (EN13): sem trânsito (1,25 horas), com trânsito (duas horas) e em hora de ponta (2,45 horas). A média dá duas horas e cinco minutos. Ou seja, o utente demora o triplo daquilo que demoraria na A28.

A alternativa à A29 (Costa da Prata) é a Nacional 1-15 que liga à 109 em Espinho. Segundo o estudo, o percurso entre a saída do Gaia Shopping até Estarreja (rotunda da igreja) demora 80 minutos. Até Aveiro demoraria pelo menos mais 20 minutos "sem congestionamentos assinaláveis". O percurso inverso (Estarreja/Gaia) pela A29 dura 35 minutos, "sem congestionamentos". Ou seja, uma hora e 20 minutos por estradas nacionais é mais do que o dobro do tempo de viagem na via a portajar (1,2 vezes mais).

Já o estudo sobre a SCUT do Grande Porto indica uma média de 46 minutos na A41. O tempo obtido pela comissão de utentes no percurso alternativo (estradas 105 e 207) desde a Câmara do Porto à de Felgueiras (com partida às 17,30 horas) é de duas horas e 43 minutos. Ou seja, mais de três vezes e meia o tempo da SCUT. Mas se retiramos os 50 minutos passados entre a Câmara do Porto e o início da EN105, na Areosa, o tempo é somente 1,46 vezes superior.

Quanto ao poder de compra (dados de 2007 publicados em 2009), o estudo mostra que, na SCUT da Costa da Prata, 17 dos 24 concelhos (atravessados e servidos) têm índices inferiores a 90% da média nacional (ao contrário do critério fixado). Nas do Grande Porto e Norte Litoral, em 21 municípios, 15 e 16, respectivamente, estão abaixo dos 90%. O movimento critica o modo como o Governo fez as contas no seu estudo de 2006, "incluindo concelhos em todos os cálculos" como Porto e Matosinhos (com índices de 170 e 127,8%. Além disso, destaca que foi anterior à crise.
.

1 Opiniões

At domingo abr 18, 04:04:00 da tarde, Blogger hfrsantos said...

Porque nao vendem vinhetas para as Autoestradas por 200 euros por ano, como noutros paises europeus?

Vender o percurso na Autoestrada ao KM é so roubar?

Se quisessem que as Autoestradas fossem alternativas de desenvolvimento venderiam VINHETAS para circular em todas as Autoestradas do Pais durante um ano, por 200 ou 300 euros por ano.

 

Enviar um comentário

<< Home