sexta-feira, abril 02, 2010

Linha do Tua

EDP propõe autocarro e barco como alternativa ao comboio na Linha do Tua

FERNANDO PIRES |JN|

Projecto de mobilidade inviabiliza substituir a linha que vai ficar submersa pela barragem.

A EDP não apresentará qualquer proposta de alternativa ferroviária ao troço da linha do Tua que ficará inundado com a construção da barragem de Foz--Tua. As alternativas vão passar pelos transportes fluviais (para o turismo) e rodoviários (mobilidade quotidiana).

Em causa está o estudo de alternativas de transporte às populações servidas pela linha do Tua, imposto pela Declaração de Impacto Ambiental, emitida há quase um ano pelo Ministério do Ambiente que aprova a construção da barragem "fortemente condicionada" com a cota de nível de pleno armazenamento mais baixa (170 metros), das soluções alternativas em avaliação.

Com essa decisão, a linha do Tua será inundada em cerca de 16 quilómetros dos cerca de 54 da sua extensão, ficando submersos cinco apeadeiros e desactiva automaticamente os primeiros quatro quilómetros da ferrovia, entre o Tua e Tralhariz, para os trabalhos do projecto.

Uma das imposições é o estudo das alternativas de transporte, incluindo a alternativa ferroviária, que a EDP afastou de imediato pela relação custo/benefício. "No total, orçaria entre os 130 e os 140 milhões de euros, valor muito desproporcionado face aos benefícios expectáveis", lê-se no documento, em consulta até ao dia 19.

Para chegar a esses valores, o Gabinete de Estudos e Geotecnia teve em conta que "a extensão necessária da linha para vencer o desnível seria de cerca de oito quilómetros e que, mesmo essa solução, só seria possível à custa de um atravessamento para a margem direita do rio e um regresso à margem esquerda, por forma a findar o traçado na actual estação do Tua, o que teria impactos ao nível paisagístico e ambiental". Sendo assim, a EDP apresenta duas propostas paralelas, cada uma adaptada a cada segmento de procura, embora articuladas.

A solução turística combina a alternativa ferroviária entre Mirandela e Brunheda, com a alternativa fluvial entre Brunheda e a barragem e a alternativa rodoviária entre a barragem e o Tua.

Requalificação

O restabelecimento da ligação ferroviária entre Mirandela e Brunheda implica uma requalificação numa extensão de 33 quilómetros, que permitiria a extensão do serviço regular de passageiros e potencia a organização de serviços ocasionais turísticos, bem como recupera parte do património ferroviário da linha do Tua. No entanto, o investimento, estimado em cerca de 15 milhões de euros, não deve ser da responsabilidade nem encargo da EDP, mas da REFER. Ainda no segmento turístico, é proposta a alternativa rodoviária entre a barragem e o Tua, através de um minibus. Outra proposta passa pela transformação da linha entre a barragem e o Tua em via pedonal. Essa solução envolve um envelope financeiro, da responsabilidade da EDP, entre 3,5 e cinco milhões.

Na solução para a mobilidade quotidiana, a EDP propõe a combinação do serviço de transporte ferroviário entre Mirandela e Brunheda, com um serviço assente na rodovia e na utilização de autocarros entre Brunheda e o Tua. Esta hipótese teria um encargo para a EDP de 600 mil euros, mais os 15 milhões da requalificação da linha, da responsabilidade da REFER, da qual não foi possível obter qualquer reacção às propostas.

Uma das contrapartidas da EDP para os concelhos que vão ser abrangidos pela construção da barragem do Tua é a sua participação, através de um fundo financeiro, no nascimento de uma Agência Regional de Desenvolvimento.
.

1 Opiniões

At sexta abr 02, 09:55:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Municipalistas,

Ao nível do sistema ferroviário nacional, eixos centrais, regionais e locais nunca deveria haver alternativas das que aqui são apresentadas, mas o seu aproveitamento integral adpatado à modernidade das condições de transporte ferroviário, pessoas e bens, em harmonia com o desenvolvimento de uma política energética autosustentada e mais diversificada nas suas origens e outras políticas com elevado coeficiente de autosustentação e de interesse regional e local, sem endeusificar a primeira e demonizar as segundas. Ainda há-de vir o tempo em que a suspensão definitiva dos sub-sistemas ferroviários regionais e locais vai ser considerada crime de lesa-pãtria e de grave ofensa aos seus primeiros promotores e construtores, cujos trabalho e valor são no mínimo históricos.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

PS - Escrever sobre o sistema ferroviário nacional, especialmente nas sua componentes regionais e locais, constitui uma dor de alma.

 

Enviar um comentário

<< Home