domingo, abril 11, 2010

Reforma administrativa à moda de Pedro Passos Coelho

Região-piloto faz soar coro de críticas internas

CARLA SOARES |jn|


A criação de uma região-piloto proposta por Pedro Passos Coelho não colhe o apoio de dirigentes e autarcas para quem uma fase de experiência no Algarve significará condenar a regionalização ao fracasso. Para outros, será "melhor do que nada".

Ribau Esteves, presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, Mendes Bota, líder do PSD/Algarve e do movimento "Regiões, sim", Arlindo Cunha, antigo eurodeputado e ministro da Agricultura, Paulo Rios, líder da Concelhia do Porto que foi mandatário de Passos Coelho, e Manuel Moreira, presidente da Câmara do Marco e ex-governador civil, são apenas alguns dos que consideram que a regionalização deveria avançar "em simultâneo" em todo o país. Marco António Costa, líder da Distrital do PSD/Porto e agora vice do partido, é um dos que ressalvam que a medida sempre é "mais" do que aquilo que existe.

No congresso, defenderam-se moções reclamando uma descentralização. Uma delas é dos Autarcas Sociais-Democratas. Outra foi aprovada na Distrital do PSD/Porto e apela ao compromisso de "paulatinamente dotar a região" de instâncias "com capacidade decisória". O primeiro subscritor, Paulo Rios, disse, ao JN, recear que "a criação de uma região-piloto seja um péssimo serviço prestado à verdadeira regionalização". Mas a proposta revela "sinais positivos" no sentido de avançar com a reforma. "A região-piloto é para quem não quer a regionalização", criticou, por sua vez, Pedro Sampaio, mandatário de Paulo Rangel no Porto.

Mendes Bota, líder do PSD na região onde seria feita a experiência, defende que a regionalização "deve ser em simultâneo em todo o país". Mas "qualquer solução é melhor que nada". Para Arlindo Cunha, é "fundamental abrir um debate interno". E como vê a proposta de região-piloto? "Vejo mal", respondeu, explicando que "os inimigos da regionalização não tardarão a ver todos os defeitos", pois ficariam concentrados naquela mesma região. "Deve avançar em simultâneo em todo o território", apela, recusando "experiências de laboratório". E "não se justifica novo referendo".

Para Ribau Esteves, antigo secretário-geral do PSD, "não faz sentido falar de região-piloto" porque "já há duas a funcionar", nos Açores e na Madeira. E o referendo apenas se justifica se a questão for colocada "no âmbito de um redesenhar global da estrutura organizativa do Estado".

Para Marco António Costa, "a regionalização é mais do que necessária", mas "haverá tempo para a tratar". A proposta de região-piloto "é um passo importante" porque "é mais do que aquilo que temos hoje". Quanto ao referendo, "qualquer bom regionalista gostaria que fosse instantânea". Na opinião de Manuel Moreira, é "preferível avançar para a regionalização de todo o espaço continental" e "tem de haver novo referendo".
.

4 Opiniões

At domingo abr 11, 05:58:00 da tarde, Blogger templario said...

Já há muito tempo que não lia um artigo que pusesse de maneira tão clara o disparate da regionalização.

Os regionalistas são mesmo bandos épicos capazes (se os deixassem...) de destruir um Estado-Nação de quase mil anos, na ânsia de quinhoarem o esbulho que paira nas suas cabeças.

Os meus sinceros agradecimentos e um abraço ao Caro António Felizes por o ter publicado. De outro modo poderia não ter conhecimento dele.

Parabéns!

 
At domingo abr 11, 08:51:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Templario
veja so' quem encabeca o movimento regionalista no Algarve! !
Mendes Bota !
Sim o mesmo que ja' reclamou independencia. Provavelmente para se federalisar com a Andaluzia.

 
At domingo abr 11, 11:40:00 da tarde, Anonymous José A Pinto said...

Caros templario e anónimo,

Lá por serem centralistas, não pensem que, por isso, são mais portugueses que os outros.

Pessoalmente, sou um fervoroso adepto da Regionalização e não admito a ninguém que ponha em causa o meu portuguesismo.

 
At terça abr 13, 03:34:00 da manhã, Blogger hfrsantos said...

Pode-se mesmo considerar que os Centralistas sao contra Portugal, porque transformam Portugal num Pais a duas velocidades com duas capitais megalomanas que atraem todo o investimento e deixam na ruina o resto de Portugal, condenando a emigraçao os jovens portugueses.

Quem fica em Portugal para assegurar a Portugalidade?

Regionalizaçao, um desenvolvimento de Portugal harmonioso, com oportunidades para os jovens é a unica soluçao para que Portugal mantenha a sua Portugalidade.

Se os jovens continuarem a emigrar porque nao teem oportunidades de aprender e ser independentes financeiramente em Portugal, quem ficara em Portugal para assegurar a Portugalidade?

 

Enviar um comentário

<< Home