Pela instituição de regiões interiores

Regionalização: penso que a definição das regiões deve ser feita tendo em conta, principalmente, as diferentes circunstâncias. Por isso, o interior de Portugal (à excepção do Alentejo), deve ver reconhecida a sua diferente situação (económica, social e cultural) e assim assegurar a sua autonomia de decisão.

Juntarmos todo o litoral Norte (predominantemente urbano e industrial, e densamente povoado) com Trás-os-Montes (com problemas de desertificação) é, a meu ver, um erro. Pois, democraticamente, o Litoral irá ter muito mais "peso" do que o Interior e, mais uma vez, o interesses dos transmontanos não será ouvido e debatido. Corremos o sério risco de o esquecer outra vez.

Um pequeno governo regional em Trás-os-Montes poderá reflectir e definir estratégias para potenciar a sua competitividade e ir ao encontro das necessidades da sua população (a meu ver, tão diferente da do litoral).


Philipp Barnstorf
Pela Regionalização em Portugal- Facebook Causes

Comentários

Joca disse…
Do mesmo modo que estou de acordo com a criação de uma região diferente para o norte litoral e para a região de Trás-os-Montes e Alto Douro, pergunto se não haverá a mesma lógica na distinção da região do Ribatejo da região de Lisboa/Sétúbal (por isso sou apologista da criação de uma região Ribatejo e Alto Tejo).
Também não estou de acordo que a delimitação entre regiões seja efectuada pelos rios; Espinho tem muito maior proximidade ao Porto do que a Aveiro; Lamego está mais próxima de Vila Real do que de Viseu;…
Paulo Rocha disse…
Actualmente, os partidos do arco da governação, defendem que deve ser referendado um modelo de regionalização assente nas actuais 5 regiões plano. Tudo o que saia muito disto, no actual quadro político é inexequível.
PED disse…
Parece-me melhor esta forma de divisão regional. Mas também concordo que hajam alguns aspectos a acertar, tais como, a mais correcta definição dos limites das Regiões...(estou de acordo que se deve ter em conta o argumento do Joca).