terça-feira, agosto 31, 2010

Causa principal dos Fogos - o despovoamento do interior

A árvore ou a floresta!

Quando as condições climatéricas não ajudam, o campeonato da área florestal ardida inicia-se com o Ministro da Administração Interna do momento a desmultiplicar-se na identificação de causas criminosas para a tragédia.

A “competência” num ano em que o clima ajudou é assim substituída pela “caça” aos culpados que normalmente se quedam pelos criminosos e pelos indulgentes, de modo a justificar-se a sucessiva e contínua incompetência nacional para tratar de 38% do território – a nossa Floresta.

Produzem-se leis de forma incontrolada e de reduzida aplicação porque não percebem o âmago da questão. O despovoamento do interior e a falta de cadastro florestal, o desconhecimento dos proprietários, que são mais de 400.000, fazendo assim de Portugal o País da União Europeia com mais floresta privada.

Na realidade 85% dos 3,3 milhões de hectares de floresta são de propriedade privada, 12% são baldios e somente 3% pertencem ao Estado.

Num Portugal onde os poucos a dedicarem-se à actividade florestal produzem a monocultura do eucalipto e do pinheiro (juntos já representam mais de 50% da floresta portuguesa), a propriedade é maioritariamente de pessoas que estão fora dos territórios ou de idosos com pensões de reforma que mal dão para comprar os seus medicamentos.

Por outro lado, a limpeza de um hectare de floresta pode custar até 1000 € e, apesar de alguns discursos políticos, não há uma estratégia nacional para a floresta que evite, a cada Verão mais rigoroso, a tragédia dos incêndios florestais.

Quando tivermos um Governo que compreenda o valor acrescentado que pode retirar da floresta, através de uma multiplicidade de actividades como o turismo de natureza, a indústria do mobiliário, a apicultura, a silvo-pastorícia, a caça, a pesca, a cortiça, a produção lenhosa e a energia, muito para além da indústria da celulose, então haverá incentivos devidamente formatados à realidade deste Interior, criando estímulos à sua reocupação e proporcionando a verdadeira prevenção dos incêndios florestais.

Um exemplo e uma sugestão. O exemplo vem de um investidor que decidiu apostar no concelho de Penela e que, para além de ter comprado duas aldeias abandonadas para realizar um empreendimento de dimensão nacional na área do Turismo, adquiriu também cerca de 130 hectares de floresta para arrancar eucaliptos e plantar espécies autóctones, permitindo reduzir drasticamente o risco de incêndio numa Serra, a da Lousã, que se apresenta como um denso e contínuo Eucaliptal!

Para adquirir aquela área de floresta, aquele persistente investidor realizou cerca de 2.850 escrituras num processo que demorou quase dois anos. Se o caro leitor fizer as contas, constatará que a propriedade média é de 456 metros quadrados!

A sugestão: em vez de ser o ministro da Administração Interna o responsável político pelos incêndios em Portugal, quem deve assumir, a partir de agora, tal responsabilidade, deverá ser o ministro da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas.

É este o ministro responsável e deve ser ele que deverá responder sobre as metas de Portugal para o tal sector estratégico que somente continua a ser notícia para entristecer as nossas férias de Verão.

O ministro da Administração Interna poderá gastar os milhões todos em meios de Protecção Civil, os nossos bombeiros poderão continuar a defender os nossos bens e a arriscar as suas vidas por uma causa solidária e colectiva, mas o problema persistirá porque os Governos continuam, ironia do destino, a confundir a árvore com a floresta.

Estando o diagnóstico devidamente realizado, falta o pragmatismo e a vontade política de desenvolver estes territórios, retirando o devido valor acrescentado para a riqueza de Portugal e parando com esta tragédia nacional de vermos permanentemente “Portugal a arder” !

|Paulo Júlio|
.

Etiquetas:

2 Opiniões

At terça ago 31, 11:24:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Municipalistas,

Não é só a desertificação a explicar a vaga de fogos florestais que deflagra todos os anos, com o peneplácito dos órgãos de comunicção social a dar uma publicidade perfeitamente dispensável. A tragédia é tal que justifica censura temporária.
O principal factor está relacionado com a educação das pessoas que nunca foram motivadas para a defesa do bem público, uma vez que são demasiados os ébrios e doidos á solta a pegar fogos de madrugada, a meio da manhã ou a meio da tarde. O que se tem passado corresponde a atenuante zero, logo trata-se de casos com 100% de agravantes e é triste que se dê cobertura comunicacional a tanto crime público e de lesa-pátria.
A necessidade/direito de informar não justifica todos os meios.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 
At quarta set 01, 12:26:00 da manhã, Anonymous ravara said...

A volta a Espanha em ciclismo percorre agora as terras altas da Andaluzia. Quem vê todas aquelas encostas verdejantes, plantadas pelas diferentes espécies de oliveira, castanheiro, montado, etc e sabe o que se passa no nosso país; se é capaz de avaliar, melhor fora que o não fosse.

A Regionalização é fundamental para mais fácilmente poder criar estas condiçõs, há que diminuir a importação de bens que podemos aqui produzir e calar de vez os que afirmam que Portugal não tem aptidão agrícola, nem competetividade. Se o território geológico é do mesmo tipo de ambos os lados da fronteira, esses tais grandes empresários importadores que, em proveito próprio nos acusam, então que digam o mesmo aos espanhóis.

É preciso denunciar que esta situação é o que é porque garante, pelo menos enquanto vier dinheiro de Bruxelas, o enriquecimento dos grandes importadores de bens que poderiam ser produzidos no nosso país, exactamente como fazem os espanhóis.

 

Enviar um comentário

<< Home