domingo, agosto 22, 2010

Precisamos de fazer as pazes com o campo

Cidades e Campo, Campo e Cidade

Agora que as matas ardem e com elas arde o sustento de alguns (muitos), que os campos não dão trigo nem cevada, em que não há legumes nem frutas, em que as escolas, centros de saúde, postos da gnr e outros serviços, encerram portas, agora… talvez fosse oportuno.

Talvez fosse oportuno, falar do campo.
Do campo que odiámos, abandonámos e entregámos à sua desgraçada sorte.
Antes, viemos para as cidades à procura de trabalho, casa, lazer, ensino e liberdade. O campo não nos facultava esses atributos.

Era um meio austero e duro. «O trabalho do campo é pra homens de barba rija» sempre me impuseram.

Ele tinha que ser penoso, pois só assim era honroso. Podia um homem apanhar azeitona de joelhos? Nem pensar! Que vergonha! - Mesmo se apanhasse mais que curvado e cravejado de dores lombares.
E hoje, as barbas dos homens continuam rijas mas os homens definham arrastados pelo passar dos muitos anos.

E as mulheres curvam-se sob o peso dos anos, das dores e dos resquícios do trabalho duro dobrado.

Só abrem rasgos de esperança no sulcado dos rostos quando os filhos e os netos, numa fugaz passagem, os visitam num final de tarde de um fim de semana.

E os homens, com responsabilidades, parece que tudo fazem para acrescentar ainda mais abandono.
É tempo de repensar estratégias.

De encontrar formas de intercalar e harmonizar campo e cidade.
De encontrar formas que «honrem» o trabalho nos campos e a vida nas aldeias.

A ciência e a técnica facultam-nos hoje meios que podem ser postos ao serviço desta articulação e da harmonização da forma de vida nos dois meios: citadino e rural.

Não precisamos de proclamar um regresso ao campo.
Mas julgo que precisamos de fazer as pazes com o campo.

|espojinho|
.

Etiquetas:

2 Opiniões

At domingo ago 22, 09:19:00 da tarde, Blogger al cardoso said...

E isso mesmo, aplaudido!!!

Portugal nunca foi autosufiente em productos alimentares, e essa, foi a razao principal do inicio da nossa expancao, primeiro no actual Marrocos e depois, a seguir na India, no Brasil e na Africa.
Tinhamos que partir pois a nossa terra era pobre.
Mas mesmo assim pobre, podia e devia produzir muito mais, se os governos que se seguiram a entrada na CE, tivessem aproveitado bem os fundos que estiveram a nossa disposicao.
Mas nao foi, talvez porque os interesses dos grandes, estavam primeiro e porque, nunca tivemos nenhum governo "de tomates"! Desbaratamos a nossa frota pesqueira, quando a deviamos ter reforcado, como fizeram os espanhois, liquidamos os cereais, o tomate e outros productos, em que pela nossa situacao e clima, podiamos ser os principais productores. Mas construimos a maior rede de autoestradas por superfice, incentivamos uma industria estrangeira que veio para Portugal, porque tinhamos os mais baixos salarios da Europa e que, nos deixou quando encontraram melhor, etc, etc!
Razao tem o duque de Braganca, o que e necessario e ensinar a todos os portugueses a "logica", pois estamos muito necessitados dela!

Um abraco dalgodrense regionalista.

 
At terça ago 24, 10:42:00 da manhã, Anonymous ravara said...

Nos anos 60 apareceu um livro sobre o desenrascanso, o Catch 22, que conta a aventura de um piloto da II Grande Guerra confontado com um dilema tipo; se fugir o bicho pega se ficar o bicho come. A prova de que há sempre uma solução é que ele sobreviveu para contar a sua história.

 

Enviar um comentário

<< Home