quinta-feira, outubro 28, 2010

ALGARVE - pagamento na Via do Infante vai afectar número de turistas espanhóis na região

O presidente da Câmara de Portimão, Manuel da Luz, avisou hoje que a introdução de portagens na Via do Infante (A22) vai ter um efeito negativo na entrada no Algarve de turistas provenientes de Espanha.

“Preocupa-me muito o reflexo, nomeadamente junto dos espanhóis, que estas medidas da imposição de portagens vão ter. Porque, inclusivamente, estava-se a assistir a um incremento da presença de espanhóis na região de Portimão desde há dois anos”, afirmou Manuel da Luz.

Em declarações à Agência Lusa, o autarca de Portimão questionou ainda “como é que os espanhóis vão compreender que, entrando em Vila Real de Santo António, começam a pagar por circular na A22, quando na terra deles, logo ali ao lado, não pagam qualquer tipo de taxa?”.

“Parece-me que esta medida é desaconselhável, por várias razões, porque tem impacto directo no Turismo da região”, frisou.

Manuel da Luz disse ainda que a medida terá também “impacto no tecido económico algarvio, uma vez que as empresas circulam na A22, algumas com dezenas de viaturas diariamente”.

“A Estrada Nacional (EN) 125, enquanto não estiverem concluídas as obras de requalificação, não é uma alternativa. Eu penso que muito menos faz sentido, e é uma afronta aos algarvios, antecipar a instalação de portagens na A22 antes de a EN 125 estar concluída em termos de requalificação”, acrescentou.

O autarca socialista defendeu ainda que o Governo deve aceitar o pedido de reunião feito pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL), defensora do adiamento das portagens até à conclusão da requalificação da EN125.

Manuel da Luz disse também que concorda com a proposta que o líder distrital do PS do Algarve, Miguel Freitas, fez à AMAL para que também peça uma reunião ao presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, que esteve “na origem do princípio de universalidade” que levou o Governo a incluir também a Via do Infante nas autoestradas Sem Custos para o Utilizador (SCUT).

“A AMAL pediu, e muito bem, uma audiência ao governo para discutir esta argumentação e há dias ouvi uma sugestão do meu camarada Miguel Freitas, no sentido de que seria também interessante ouvir a oposição, nomeadamente o líder do PSD, Passos Coelho. Admito que fazia sentido a AM pedir uma audiência a Pedro Passos Coelho, porque foi ele e o PSD que lançaram a exigência do princípio da universalidade quando se começou a falar nas portagens”, afirmou.

Manuel da Luz sublinhou que a proposta inicial do Governo relativamente à introdução de portagens na Via do Infante “não passava pela A22”.

|LUSA|
.

Etiquetas: ,

2 Opiniões

At quinta out 28, 11:52:00 da manhã, Anonymous António Correia said...

Senhor Presidente da Câmara de Portimão, então e os habitantes da Galiza, que ao entrarem pelo norte de Portugal, terão que pagar portagens, para realizarem os seus negócios ou para lazer e assim ajudarem esta zona tão pobre, comparada com a sua.
Muito bom dia.
António

 
At quinta out 28, 10:49:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Pois... Em Espanha não se paga portagens e em Portugal paga-se. Como ambos os países têm governos e sociedades socialistas, suponho que será porque a Espanha é uma Monarquia e Portugal é uma República... Será???

Zé Lusitano

 

Enviar um comentário

<< Home