sábado, outubro 23, 2010

Alto Minho - Na Adega de Monção a Colheita de 2010 é a mais bem paga da história

As vindimas de 2010 superaram todas as expectativas da Adega Cooperativa Regional de Monção (ACRM) sob o ponto de vista da quantidade e da qualidade.

A colheita deste ano é a mais bem paga da história do líder na produção e comercialização do vinho Alvarinho, que recebeu cerca de cinco mil toneladas de Alvarinho, perto de duas toneladas e meia de Tinto e mais de uma tonelada de Trajadura. Ou seja, as estimativas de uma subida de 15 por cento nas vindimas de 2010 face ao ano anterior foram mesmo ultrapassadas.

As quantidades de uvas recebidas quer na sede em Monção, quer no pólo em Melgaço traduzem-se em três milhões e 500 mil litros de Alvarinho, 800 mil litros de Trajadura e um milhão e 700 mil litros de Tinto, representando um aumento superior a 25 por cento comparativamente com a colheita de 2009.

Para Antonino Barbosa, presidente da Adega de Monção, “as excelentes condições climatéricas” que se verificaram durante as vindimas contribuíram decisivamente para “a excelente qualidade das uvas” recolhidas, de “baixa acidez e bom aroma”.

Antonino Barbosa não tem mesmo dúvidas de que “o Alvarinho vai ser muito bom, em qualidade e quantidade”, o que resulta não apenas do tempo “quente e seco” registado em Agosto/Setembro, como também do facto de “os produtores estarem a produzir cada vez mais uvas de elevada qualidade”. Em 2010, mais de 1700 produtores da sub-região Monção-Melgaço depositaram as suas uvas nos lagares da adega que é líder na produção e comercialização do Alvarinho.

Com uma facturação de mais de 13 milhões de euros em 2009, naquele que foi considerado o melhor ano de sempre, a Adega de Monção tem vindo a apostar cada vez mais forte nos mercados internacionais, nomeadamente brasileiro, norte-americano, francês e angolano.

Não por acaso, depois de ter marcado presença no Brasil e nos Estados Unidos, uma comitiva da Adega de Monção, liderada por Antonino Barbosa, está em Angola a promover o portefólio das marcas da ACRM.

A promoção vai compreender as cidades de Luanda, Lobito, Benguela e Lobango e faz parte de uma campanha de três anos, orçada em 500 mil euros, com vista a aumentar as exportações dos vinhos de maior valor, como o Alvarinho Deu-La-Deu e o Muralhas de Monção

|aicep|
.

Etiquetas: