terça-feira, outubro 05, 2010

NUTs II / Regiões

As NUTS (Nomeclaturas de Unidades Territoriais - para fins Estatísticos) designam as subregiões estatísticas em que se divide o território dos países da União Europeia, incluindo o território português. As NUTS estão subdivididas em 3 níveis: NUTS I, NUTS II e NUTS III.

As NUTS II (Norte, Centro, Lisboa, Alentejo, Algarve, Região Autónoma dos Açores e Região Autónoma da Madeira), subdividem-se em 28 NUTS III

Decreto-Lei nº 204/2002 - NUTS em Portugal

Será que uma Região pode ser apenas uma zona ou unidade administrativa, com determinados contornos geográficos ou mesmo económicos?

Não, é preciso mais. Uma região para existir de facto, terá antes que entrar na percepção dos que nela habitam. Pressupor a convicção de um espaço comum partilhado, ideia vivida e protagonizada pelos que se identificam com ela e lhe conferem a razão e sentido de ser.

Exigirá, certamente, a existência de um campo cultural já alicerçado numa certa identidade comum ou então de um projecto de futuro suficientemente mobilizador e com garantias mínimas de sucesso. É preciso despertar nas pessoas o sentido e gosto de pertença, gerador de uma certa identidade.

Assim sendo, a grande questão que se coloca é sabermos como é que uma novel região consegue criar a sua propria identidade cultural, económica e social por forma a despertar nas suas populações o sentimento de pertença. Pessoalmente não tenho dúvidas, este é um processo evolutivo e de conquista de diferentes agentes portadores do ideal de regionalidade, capazes de transmitir a mensagem dos valores positivos, que esta nova realidade pode trazer para o bem estar e desenvolvimento das pessoas, designadamente do interior do País.
.

Etiquetas:

3 Opiniões

At terça out 05, 01:09:00 da tarde, Blogger João Marques Ribeiro said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At terça out 05, 01:11:00 da tarde, Blogger João Marques Ribeiro said...

Aqui reside o problema: uma novel região não pode criar uma identidade. Não: já precisa de a ter antes de ser criada.
O que está completamente errado neste processo de Regionalização a 5, é que se criam regiões sem qualquer critério, nomeadamente o "norte" e o "centro", ignorando completamente realidades enraizadas há séculos, e se está à espera que, depois de se fazerem esses riscos arbitrários no mapa, apareça como que por magia uma identidade.

Assim não vamos lá. Os Geógrafos estudaram ao longo de séculos as identidades que compõem o mosaico regional de Portugal. Basta ler os estudos, analisar as diferenças e as semelhanças. Amorim Girão, Orlando Ribeiro, entre tantos outros!

O que vemos neste momento é ridículo, principalmente no "norte": está-se a tentar criar uma identidade que nunca existiu. Ainda na semana passada, estava eu a ver um programa que o tentava fazer, o "Sem Perder o Norte", no Porto Canal (um excelente projecto que só peca por estar a querer tornar-se à força um "Norte Canal" centrado no Porto), quando me deparei com uma rubrica chamada "identidade", na qual se tentava, em vão, mostrar a "forte" identidade "nortenha". O resultado foi ridículo. Se a situação não fosse tão séria, dar-me-ia vontade de rir.

 
At quarta out 06, 01:35:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Municipalistas,

As NUT'S não interessam para nada, só para o INE.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 

Enviar um comentário

<< Home