sexta-feira, janeiro 28, 2011

Alentejo - Universidade de Évora cria Instituto Português de Energia Solar

A Universidade de Évora vai criar um instituto nacional dedicado à energia solar para "potenciar a ajudar a desenvolver" o sector em Portugal, fomentando a criação de conhecimento e o desenvolvimento tecnológico e a sua aplicação industrial.

O reitor da Universidade de Évora (UÉvora), Carlos Braumann, adiantou hoje à Agência Lusa que a criação do Instituto Português de Energia Solar se insere na aposta nas energias renováveis pela academia alentejana.

"A UÉvora tem, de facto, um projecto de desenvolvimento na área das energias renováveis, nos vários sectores, e esta ideia nasceu muito recentemente", disse.

A intenção de criar o instituto conta com "o apoio do Ministério da Economia e da secretaria de Estado da Energia e Inovação", segundo Carlos Braumann, e é apresentada sexta-feira, num simpósio em Évora.

O colóquio, no âmbito da Cátedra BES Energias Renováveis da UÉvora, vai abordar a alta concentração solar e a produção de electricidade, devendo contar com a presença do secretário de Estado da Energia e Inovação, Carlos Zorrinho, divulgou a organização.

A iniciativa, explicou o reitor, "vai servir para fazer o ponto da situação dos últimos desenvolvimentos tecnológicos" relacionados com energia solar e, ao mesmo tempo, "para lançar a pedra de criação do instituto".

Dentro de "uns meses", a academia pretende ter já "um projecto mais detalhado" do Instituto Português de Energia Solar, para ser submetido à "avaliação das entidades governamentais".

"Estamos convictos de que terá sucesso", afiançou, estimando que, em 2012, o instituto esteja criado, para "potenciar e ajudar a desenvolver todo o sector de interface entre a criação do conhecimento e o desenvolvimento tecnológico" na área da energia solar e "a sua aplicação industrial".

O reitor lembrou que a academia alentejana, além da cátedra, ministra a "primeira licenciatura" nacional em Engenharias Renováveis, tem mestrados, doutoramentos e investigação na área e acolhe ainda vários projectos de demonstração tecnológica em parceria com empresas.

"Há aqui um grande potencial, em que Évora e a universidade se estão a situar como uma frente de desenvolvimento científico e tecnológico virado para a utilização empresarial" da energia solar, sublinhou.

O secretário de Estado Carlos Zorrinho lembrou à Lusa que o Alentejo "tem condições muito favoráveis" para a instalação de tecnologia solar e que, dos 18 projectos nacionais de teste lançados recentemente pela Direcção-Geral de Energia e Geologia, "parte muito significativa" escolheu localizar-se no concelho de Évora.

"Estamos disponíveis para fazer tudo o que estiver ao nosso alcance" para que o Instituto Português de Energia Solar "seja uma realidade", assegurou o governante.

|Oje/Lusa|
.

Etiquetas: