terça-feira, março 22, 2011

Floresta PPR - um contributo para o desenvolvimento do País

Floresta PPR - Produção de bens, Protecção dos solos e da biodiversidade e o Recreio

As Nações Unidas elegeram 2011 como o Ano Internacional das Florestas, com o objectivo de sensibilizar a sociedade civil para a importância da floresta e da sua gestão sustentável.

O sector florestal em Portugal tem demonstrado ambição de crescer - a palavra-chave para o desenvolvimento. As indústrias de base florestal em Portugal representam isso mesmo: ambição de crescer e sobretudo de crescer de forma sustentável, tendo presente as exigências dos competitivos mercados internacionais.

Durante o meu primeiro ano de mandato tive a oportunidade de visitar unidades industriais das três principais fileiras florestais do país: pinho, eucalipto e cortiça. Em todas elas constatei essa vontade de crescer forte! De crescer com base na qualidade e na inovação tecnológica!

Mas para falar da competitividade das indústrias é preciso também falar a montante, da matéria-prima que as abastece. E este é o principal desafio do Ministério da Agricultura para o sector florestal: Tornar a floresta portuguesa um activo real de futuro. Mais e melhor floresta, tem sido o nosso desígnio!

A floresta ocupa 3,45 milhões de hectares, 39% do nosso território, mas poderão ser mais no futuro. Existe um enorme potencial de crescimento da área florestal em Portugal. Também é verdade e reconhecemos que existem ainda constrangimentos ao desenvolvimento do sector florestal produtivo. Mais de 90% da floresta é privada e parte significativa desta floresta encontra-se no minifúndio fragmentado do norte e centro do país.

O Governo está bem ciente desses constrangimentos da floresta portuguesa e no momento difícil que o país atravessa, como é do conhecimento público, o Ministério assumiu os seus compromissos e com verbas do Fundo Florestal Permanente irá suportar os encargos financeiros do incentivo que criámos para o fomento da Certificação da Gestão Florestal Sustentável. Sem matéria-prima certificada, entenda-se material lenhoso e cortiça certificados, é mais difícil assegurar a competitividade dos produtos florestais nacionais nos exigentes mercados globais, e crescer.

A Certificação Florestal foi uma prioridade da acção governativa desde o primeiro momento. Uma aposta de sucesso, que esperamos adicionar mais 130.000ha em 2012 à área de 220.000ha de floresta actualmente certificada em Portugal. Queremos atingir a meta de 500.000ha com gestão florestal certificada em 2013, conforme está inscrito na Estratégia Nacional para as Florestas.

Os últimos números apresentados pela AICEP, relativos ao comércio externo do sector florestal dão nota do bom desempenho económico e do contributo deste sector para o crescimento das nossas exportações. No final de 2010, o sector florestal era o terceiro sector exportador, ultrapassando os têxteis.

Feitas as contas, o sector florestal representa cerca de 11% das exportações nacionais, com um saldo positivo da balança comercial superior a 1,5 mil milhões de euros. E a crescer.

Hoje, quando se celebra o Dia da Mundial da Floresta, gostaria de dar nota dos apoios do PRODER para apoio ao desenvolvimento do sector florestal. São mais de 780 milhões de euros que esperamos conseguir alavancar para o investimento na floresta. Para assinalar esta data, serão abertas as candidaturas à medida de apoio ao investimento na melhoria competitiva dos povoamentos florestais, uma medida que actualmente já apresenta uma boa taxa de contratação

Os agentes do sector florestal sabem que poderão contar com o apoio do Ministério da Agricultura na concretização desse desígnio - ajudar a crescer a floresta portuguesa, mais sustentável, mais competitiva e mais geradora de riqueza, rumo ao desenvolvimento do sector e do país.

Por tudo isto, a floresta portuguesa é um PPR que assegura a Produção de bens, a Protecção dos solos e da biodiversidade e o Recreio. Um PPR para o desenvolvimento sustentável do País e com futuro.

Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural
.

Etiquetas: