terça-feira, maio 17, 2011

Centralismo ou anarquia?

O discurso que anti-poder que grassa por alguns locais na internet é simplesmente inacreditável. São contra a regionalização, pela extinção de municípios, freguesias, tudo o que seja poder, querem extinguir.

Não conseguem ver que o "monstro" está no Estado Central, precisamente aquele que querem reforçar.

Não conseguem ver as consequências desastrosas que teria para as comunidades mais pequenas extinguir o poder local, e apoiam-se em demagogias e generalizações precipitadas (culpa também para alguns autarcas que dão maus exemplos).

Acreditam numa ideia sem pés nem cabeça: que concentrando o poder todo no mesmo sítio, concentrando o poder económico e político todo num local, favorecendo todo o tipo de contactos entre eles, é combater a corrupção. Ou seja, querem apagar um incêndio com bilhas de gás.

Não fazem a menor ideia do que se passa para lá das fronteiras de Portugal. Não fazem ideia que Portugal, ao mesmo tempo que é considerado um dos países mais corruptos do Mundo, é também considerado um dos mais centralizados. Que nos países europeus regionalizados há décadas há muito menos corrupção que por cá ou na até agora centralista Grécia.

Acreditam na ideia peregrina que o caminho para o futuro é extinguir o poder. Em vez de tentar mudar a maneira como as coisas funcionam, querem acabar com tudo. É a autêntica política da terra queimada.

Para ser sincero, não sei se o que querem é o centralismo, ou a pura anarquia.

João Marques Ribeiro


Etiquetas: , ,

3 Opiniões

At terça mai 17, 10:26:00 da manhã, Blogger João Marques Ribeiro said...

O futuro está na sociedade civil, que deve ser mais interventiva. As pessoas devem participar, questionar, dar opiniões, de forma a influenciar o poder. Isso sim, é democracia.
Ao invés, o discurso centralista só quer afastar o poder das pessoas, aumentando ainda mais o problema de falta de credibilidade da política.
É triste.

 
At sexta mai 20, 03:28:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Totalmente a favor da ideia do centralismo. É um autêntico disparate regionalizar um país deste tamanho. É mais fácil ( num sentido figurativo ) controlar e conduzir um rebanho de 100 ovelhas no mesmo sentido, do que 10 rebanhos de 10. Regionalizações só levam a divergências e a fracturas. Além de mais tachos para os boys. Se o estado central for eficaz não precisa de mais pequenos estados dentro dele. Agora se este futuro governo vai conseguir torná-lo eficaz ou não, isso já é outra história. Aí estamos dependentes da sociedade civil " forçar" esse mesmo estado a atingir esse ponto. No fundo depende de cada um de nós.

 
At sexta mai 20, 04:03:00 da tarde, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Anónimo,

Nesta matéria, estou completamente em desacordo consigo.

O centralismo, está mais que comprovado, é um dos factores que, por um lado, tem condicionado o nosso desenvolvimento e, por outro lado, é facilitador da acumulação de deficits excessivos e potenciador das assimetrias regionais.

Cumprimentos,

 

Enviar um comentário

<< Home