segunda-feira, junho 20, 2011

Interioridade

O discurso do Presidente da República no Dia de Portugal dá que pensar. Falou na necessidade de repovoar o Interior utilizando a agricultura como instrumento de fixação de populações numa altura em que a questão da produção de bens essenciais se tornou urgente. É um facto que tendo sido Portugal um país agrícola em determinada altura, correntes a que não é alheio o então primeiro-ministro Cavaco Silva, foram defendendo uma estratégia de abandono da terra e incentivando a viragem para a indústria e serviços com predominância do turismo.

A produção agrícola foi decrescendo por suposta falta de competitividade das nossas terras, com recurso mais intenso às importações que a Política Agrícola Comum incentivou ao proteger outros interesses europeus. Se hoje a discussão energética já estabilizou em que a substituição de importações se pode fazer com um incremento da produção por via das energias alternativas (embora economicamente mais caras), importa agora também considerar igual análise para a produção agrícola e seu aproveitamento industrial.

É claro que temos de diminuir as nossas importações e por isso apoiar os agricultores que produzam em detrimento daqueles que os fundos europeus incentivaram a não cultivar a terra ou a dirigir a sua acção para a captação de subsídios ou culturas que nada têm a ver com a nossa realidade, como foi o caso do tabaco.

Uma política deste teor reforçaria o peso do Interior do país, mais agrícola, e faria deslocar indústrias cuja proximidade da produção tornaria mais competitivas.

Estou seguro que uma determinada regionalização que fundisse todos os serviços descentralizados regionais, incluindo as CCDR, sem acréscimo de custos, já teria despertado para esta realidade e motivado até os autarcas para a prioridade ao desenvolvimento regional, com forte alavanca na agricultura.

Nos últimos tempos, com o apoio às fileiras agrícolas, várias áreas se foram desenvolvendo sem que o país se apercebesse muito disso. O Portugal Fresh que organizou o sector dos legumes, frutas e flores, o desenvolvimento dos olivais, a qualificação da vinha e melhoria do vinho, permitiram que o volume de exportações aumentasse significativamente, indicando o caminho que outros sectores têm de percorrer. O trabalho será facilitado com as informações que a indústria presta sobre as suas necessidades em produtos e quantidades e com a organização de cada sector.

O país tem vindo a associar certas regiões ou cidades a uma marca, na maior parte das vezes ligada ao sector animal, industrial ou turístico e menos ao agrícola, porque mais envergonhado.
Disputa-se a capital do móvel, mas não a capital da melancia.

Quando se justificaria mais a ligação entre as universidades e este sector, assiste-se à diminuição drástica dos alunos que procuram as escolas agrárias o que é bem o exemplo do afastamento que a actividade agrícola tem tido da população activa.

O Interior tem aqui uma oportunidade de se afirmar, é desejável que os autarcas, enquanto não existir regionalização, possam dar mais atenção aos sectores produtivos e menos às infraestruturas, numa altura em que as prioridades vão para o incremento do produto e redução de despesas não reprodutivas. Um país agrícola não é incompatível, antes pelo contrário, com uma forte mancha industrial e uma maior diversividade turística. Complementam-se.

Fernando Serrasqueiro no as beiras
.

Etiquetas:

4 Opiniões

At segunda jun 20, 12:38:00 da manhã, Blogger Rogério Pereira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At segunda jun 20, 12:41:00 da manhã, Blogger Rogério Pereira said...

Subscrevo. Mas deixo três notas:
1ª- Interessaria fundamentar melhor a politica prosseguida, nomeadamente situando os anos em que os incentivos para a não produção foram superiores ou próximos aos apoios dados à agricultura
2ª - Gostaria que se teorizasse sobre o conceito de interioridade, num país que é uma faixa de 200 Km. Estou certo que as conclusões colocariam certas abordagens de forma mais clara sobre as causas da desertificação
3ª - Os autarcas dificilmente responderão ao apelo. Andarão a delinear estratégias de defesa/ataque para a reorganização administrativa imposta pela troika

 
At terça jun 21, 03:41:00 da tarde, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Rogerio Pereira,

As questões que levanta são muito pertinentes.

Apesar do país não ser muito 'largo' não tenho dúvidas que a interioridade é efectiva. O país concentrou 'tudo' numa estreita faixa litoral.

Cumprimentos,

 
At quinta jun 23, 11:15:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

É claro que Espanha tem apios à produção, coisa que em portugal não temos ou é pouco significativa. Eu tenho 3 tractores parados em Trás-os-Montes desde 2001.... é uma vergonha, comprar do exterior o que podemos produzir cá. Se não houver apoios como em Espanha, mas vale nem ligar as máquinas. Politicos centralistas da treta....

 

Enviar um comentário

<< Home