quinta-feira, fevereiro 02, 2012

O maior problema de Portugal é demográfico e está sobretudo no Interior


Depois do êxodo rural

A crise em que mergulhámos não deixa espaço para debater qualquer outro problema. Mas a verdade é que a grande ameaça para o futuro do país tem um caráter demográfico.


O envelhecimento da população, motivado pela baixa taxa de natalidade, é uma ameaça a todos os níveis. Poderemos mesmo dizer que é uma ameaça mais grave que a própria crise em que vivemos: a crise poderá ser ultrapassada nos próximos anos, com mais ou menos esforço, mas o envelhecimento é uma realidade que tem crescido de forma acentuada e que só poderá ser revertida com medidas de apoio à natalidade de grande alcance, e se tal vier a acontecer a renovação demográfica vai precisar de gerações para recuperar. Pior, o empobrecimento em que as próximas gerações irão viver irá agravar ainda mais a direção para o onde o país caminha inexoravelmente.


As estatísticas registam uma quebra de um milhão de jovens em apenas 30 anos. A imigração permitiu uma certa amenização desse fato, e por isso nem se dava conta da diminuição de jovens na sociedade. Mas com a crise deixou de haver esses fluxos migratórios e agora a população começa a diminuir. E este ano, com o êxodo de milhares de portugueses, a situação irá agravar-se. Se nada for feito com urgência, seremos cada vez mais um lar de idosos.


Como é óbvio, será nos meios rurais que sevai evidenciar cada vez mais esta triste realidade. A NUT da Serra da Estrela, com 1,7 nascimentos por casal, é a região da Europa com mais baixa taxa de natalidade, logo seguida pela Beira Interior Norte, com 1,8. E os poucos que por cá nascem, na sua maioria, partem assim que podem e não voltam mais.


Esta triste realidade, que já conhecemos bem na maioria das nossas aldeias, vai continuar a crescer pelo país. Já não é de êxodo rural que devemos falar, é desertificação de todo o interior e de envelhecimento real de toda a nossa comunidade. O futuro não existe para as nossas aldeias e vilas. E poderá brevemente deixar de existir para as nossas cidades. E para o país.



Luís Baptista Martins

O Interior- suplemento «Jornal das Empresas» (Guarda, Beira Interior), 26/01/2012


Etiquetas: , , ,

1 Opiniões

At sexta fev 03, 03:41:00 da manhã, Blogger al cardoso said...

E eu que sou natural, precisamente da Nut da Serra da Estrela, conheco bem essa realidade; so um dos municipios, (Fornos de Algodres)em dez anos perdeu 700 habitantes!!!

 

Enviar um comentário

<< Home