quarta-feira, março 21, 2012

Douro : Mais um atentado !

Autarcas e Turismo denunciam «abandono» da linha entre Régua e Pocinho 
.
O presidente da Turismo do Douro e autarcas da região estão preocupados com o «abandono» da Linha do Douro e afirmam que a retirada do pessoal da REFER das estações indicia mais um passo para o seu encerramento.

A REFER estará a estudar a introdução do RES (Regime de Exploração Simplificado) na linha do Douro, entre a Régua e o Pocinho, retirando assim o seu pessoal das estações do Pinhão e Tua. Com este sistema, é um agente da empresa que viaja no próprio comboio, ou até o próprio revisor, que sai nas estações para pedir avanço a um posto regulador central, localizado na Régua.

Nestas estações, também já não há funcionários da CP, já que os bilhetes são vendidos pelos revisores dos comboios. O presidente da Entidade Regional Turismo do Douro, António Martinho, repudia veementemente mais esta medida, que considera ser também "mais um passo para acabar de vez" com aquele troço da linha do Douro.

«É um atentado ao interior e ao desenvolvimento turístico do Douro. Não posso aceitar uma situação dessas», afirmou à Agência Lusa. Martinho lembrou os polos turísticos importantes que são ligados pela linha-férrea, nomeadamente os museus do Douro (Régua) e Côa (Vila Nova de Foz Côa).

"Mas, depois estamos a retirar condições para que os turistas possam fruir a paisagem. Isso é grave, tanto mais que é uma empresa pública a atentar contra o desenvolvimento do turismo e o desenvolvimento económico da região do Douro", salientou.

O responsável acrescentou que, esta medida da REFER, «indicia uma tentativa de abandono e de encerramento da linha entre Régua e o Pocinho». «O que para mim significa o abandono de uma zona do país que tem contribuído muito para a riqueza nacional, designadamente através do turismo», acrescentou.

Também o presidente da Câmara de Alijó e da Comunidade Intermunicipal do Douro (CIM Douro), Artur Cascarejo, lamentou aquilo que diz ser o abandono da linha do Douro, a qual considerou estratégia para o desenvolvimento deste território e para a mobilidade das populações. Além do mais, acrescentou, é também uma retirada de empregos à região, já de si tão carenciada.

O RES permite poupar duas dezenas de funcionários que estão afetos às estações de Pinhão e Tua. "De redução em redução caminha-se para a agonia, para o encerramento da linha", frisou o autarca.

A Agência Lusa tentou obter esclarecimentos por parte da REFER, o que não foi possível até agora. António Martinho lamentou ainda que se tenha «deixado cair» o projeto de retomar a linha do Douro até Barca d Alva e depois Espanha, que os agentes da região defendiam.

@Lusa, 2012-03-20

Etiquetas:

2 Opiniões

At quinta mar 22, 12:03:00 da manhã, Blogger Fronteiras historiasdaraia said...

Isto é mais uma machadada para o Interior, especialmente o nosso Alto Douro Vinhateiro. Ninguém com um mínimo de juízo faria uma coisa destas!

Isto é que valia manifs e protestos. Ou será que não faremos nada por sermos um povo mole, de brandos costumes?

 
At quinta mar 22, 03:12:00 da manhã, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Fronteiras historiasdaraia,

Se mesmo antes já éramos um povo de brandos costumes, os 48 anos de fascismo ainda potenciou mais essa nossa característica, o que faz com que hoje assistamos aos maiores atentados ao país como um todo e à nossa qualidade de vida em particular, tudo isto de uma maneira passiva, contemplativa e quase a roçar a subserviência.

Cumprimentos,

 

Enviar um comentário

<< Home