terça-feira, abril 03, 2012

Freguesias: “um osso duro de roer” !



JUNTAS DE FREGUESIA VIERAM A LISBOA! 

O Ministro Relvas que se ponha a “fancos” e o Primeiro-Ministro que não deixe de consultar o otorrinolaringologista e o oftalmologista porque é imprescindível que oiça e enxergue bem a multidão de povo que as condenadas Juntas de Freguesia trouxeram à Capital.

Ao contrário do que é habitual, o que se viu foi povo na sua melhor expressão e sem qualquer motivação partidária.

Com tantas necessidades de reforma para melhorar eficácia de funcionamento e para reduzir custos, porque que raio se haviam de lembrar de tomar como “bode-expiatório” as inofensivas e baratas, Juntas de Freguesia?

O conjunto destas Autarquias tem menos funcionários (cerca de oito mil) que algumas câmaras municipais e em termos de OE representam menos que 0,1%.

É realmente um segredo bem guardado, porquê? Será só para troika ver e não mexerem nos poderosos municípios?

Estou certo que se a regionalização tivesse sido feita com os Açores e Madeira ou, pelo menos, há 15 anos, o País hoje seria uma realidade completamente diferente. Não, como foi proposta a referendo.

Nunca percebi a necessidade da elaboração de novos mapas. Era só pegar, por exemplo, nas onze províncias existentes no Continente ou nas cinco CCDR’s, atualizar em estatuto regional, mandar os distritos às malvas, manter duma forma geral os municípios e freguesias criando na mesma fase, a possibilidade de aparecimento de uniões executivas para Câmaras Municipais e Juntas de Freguesias com adesão livre, possibilitando o desenvolvimento de políticas integradas capitalizando todas as sinergias e formando escalas compatíveis com as necessidades regionais e nacionais.

Desta forma eram eliminadas à nascença todas as “disputas” territoriais e respeitava-se o legado histórico das populações. Acho que era por aqui que devíamos ir. Com a tendência para complicarmos tudo, estamos tramados e sujeitos ao que a troika nos quer impor.

Mesmo assim, em vez de enfrentarmos os problemas de frente, vamos cair em cima dos mais fracos com a esperança de que o resto vem por “obra e graça do espírito santo”.

As inofensivas e baratas Juntas de Freguesia, para quem tinha dúvidas, estão a demonstrar ser “um osso duro de roer” para o aventureirismo do Governo, nesta matéria.

@Silvestre Félix
.

Etiquetas: ,