quinta-feira, abril 05, 2012

O problema da Madeira não se chama autonomia, mas sim Alberto João Jardim !

AÇORES E MADEIRA - O NORTE E O DESNORTE

"A notificação sobre as contas públicas de 2011, da responsabilidade do INE, ao abrigo do procedimento de défices excessivos, contém os números oficiais sobre as contas regionais, que não deveriam passar despercebidos:

1. Em termos de défice orçamental, os Açores apresentam o valor de 36 milhões de euros (cerca de 1% do PIB regional) e a Madeira o valor de 1.125 milhões.   (só.... 32 vezes maior !)

2. Em termos de dívida, os Açores apresentam o valor de 690 milhões (17% do PIB regional) e a Madeira o valor de 3.735 milhões.   (só... 5,5 vezes maior!)

3. O INE validou todos os dados apresentados pelas autoridades regionais açoreanas, o que contrasta mais uma vez com o sucedido na Madeira.

4. Estes dados mostram uma notável gestão orçamental na região autónoma dos Açores, que por sua vez permite que o ajustamento a que ela também está sujeita seja muito menos doloroso do que o que os madeirenses agora sofrem.

5. Mas mostram, sobretudo, que a autonomia regional não é um problema, mas antes um fator incontornável de coesão nacional. O problema da Madeira não se chama autonomia, mas sim Alberto João Jardim."

A.SANTOS SILVA  no Gota de Água
.

Etiquetas:

6 Opiniões

At sábado abr 14, 01:22:00 da tarde, Anonymous Sebastião Miranda said...

Pois, e a dívida dos Açores, aquele fim do mundo ao parece que parou no tempo, sem turismo e sem qualidade de vida às populações, já vai em 3,3 mil milhões de euros!!!
Pessoas como você deviam abster a opinião, se nunca esteve na Madeira, não sabe do que é que está a falar e se os Madeirenses continuam a eleger Alberto João Jardim para seu presidente, é porque "mal ou porcamente", salvo a expressão, ele vai fazendo as coisas...
A dívida da Madeira até pode ser 5,8 mil milhões, mas ao menos baseia-se em coisas que apareceram feitas!

 
At sábado abr 14, 03:25:00 da tarde, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Sebastião Miranda,

Toda a gente sabe que na Madeira há obra feita. O que se contesta são uma série de empreendimentos de duvidosa utilidade e, sobretudo, o facto de se ter recorrido, de forma sistemática, ao endividamento e a outras operações de engenharia financeira que tornaram as finanças regionais insustentáveis.

Cumprimentos,

 
At sábado abr 14, 09:34:00 da tarde, Anonymous Sebastião Miranda said...

Compreendo o seu ponto de vista caro António, mas devíamos preocupar-nos mais com outras coisas... Há montes de municípios por este país fora, que só dão despesa e vamos logo cair em cima da Madeira? Como se esta fosse a razão dos problemas do país?
A Direcção Geral de Finanças anunciou que a madeira foi a PRIMEIRA e ÚNICA região de Portugal que teve a sua dívida tornada pública e passada a "pente fino"! E mesmo assim, a dívida da Madeira nem corresponde a 2% da dívida Portuguesa! Imagine lá se a a dívida do país fosse verdadeiramente oficializada... Mas não, bem disse uma vez o Sócrates, "O que se diz cá dentro, ouve-se lá fora", e não convém dar má impressão... Com a Madeira, não tiveram dó nem piedade, SINISMO!
A Madeira, juntamente com Lisboa, são as únicas regiões deste país que têm o nível de vida equiparado ao da União Europeia... A Madeira é também a segunda região que tem o PIB acima da média Europeia e por conseguinte, a segunda mais rica de Portugal!
Acho que para nós, pessoas que têm acesso à Internet e sabem mexer num computador, poderíamos questionar-nos mais sobre a veracidade de determinados factos, difundidos sobretudo pela comunicação social... Temos a possibilidade de pensar por nós mesmos e evoluir, em vez de seguir padrões...
Pensemos nisto!
Cumprimentos e desculpe qualquer "expressão menos feliz."

 
At domingo abr 15, 01:31:00 da manhã, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Sebastião Miranda,

Não sei se o meu amigo é madeirense, mas, sinceramente, só espero que a Madeira, após o ajustamento que está a fazer (à custa dos madeirenses), consiga manter o estatuto de região com um PIB per capita superior à média europeia.

Cumprimentos,

 
At domingo abr 15, 12:41:00 da tarde, Anonymous Sebastião Miranda said...

Meu caro, assim já estamos a fugir à questão... Se formos por esse prisma, irá passar-se o mesmo com todo o país...
Estamos a falar de responsabilidades atribuídas àqueles que não têm assim tanta culpa, utilizando uma região que é menos conhecida por muitos, pois nem todos têm possibilidades de conhecer a Madeira, e com isso culpar e inverter determinados factos... Espero que compreenda que é só isto que lhe estou a fazer ver! E quando eu comentasse, gostaria que respondesse a todos os pontos e não apenas àqueles que possam ser mais fáceis de refutar, por razões lógicas.

Cumprimentos

 
At quarta abr 18, 01:14:00 da tarde, Anonymous Paulo Gonçalves said...

Li o comentário do Sebastião e espero que se abram alguns horizontes e que as pessoas aprendam a ver as coisas de um modo menos enfatizado... Não obstante, houveram algumas obras que deveriam ter sido alvo de um plano de viabilidade... Algumas foram inúteis...
Pelo menos 70% do dinheiro da Madeira, provém das suas actividades, mas é certo que a Madeira não é independente economicamente... Até porque Portugal nem o é... No que toca à independência, compreendo parte do que o Alberto João quer dizer, porque no fundo é uma autonomia que visa em aplicar as leis das finanças à realidade Madeirense!E isso de facto resultaria, porque se pensarmos, a Madeira está sob as condições do Continente e as regiões têm necessidades e potencialidades diferentes. Portugal, como todos os países da União Europeia, vivem sobre um Projecto Europeu, que não passa de um fracasso... Algumas legislações aplicam-se melhor nuns países do que noutros e o essencial seria adaptar as leis às necessidades de cada realidade, para que se reforcem as economias e posteriormente fortalecer a União Europeia e obviamente todos os países membros...

 

Enviar um comentário

<< Home