domingo, julho 08, 2012

Trás-os-Montes também tem ouro...!

O que se pisa é ouro no Planalto de Jales .

Prospeção e pesquisa de ouro estão em vias de regressar a uma região que teve das mais importantes minas do Império Romano. Habitantes e autarcas perspetivam dias melhores.

No Planalto de Jales, em Vila Pouca de Aguiar, diz-se que o que se pisa é ouro. A história parece confirmá-lo.

As minas de Tresminas terão sido das mais importantes do Império Romano e eram geridas diretamente pela guarda do Imperador. O auge da exploração de ouro terá ocorrido durante os séculos I e II. Depois, também os portugueses exploraram o filão do ouro em Campo de Jales até meados dos anos 90.

Augusto Silva foi mineiro durante 33 anos. A uma profundidade de 650 metros, o trabalho era duro, mas orgulha-se de ter tocado ouro com as suas mãos. "Tirei muitas toneladas de ouro cá para fora", conta. O minério extraído da Mina vinha em pedras: "Eram pedras em azul que tinham algumas pintinhas em amarelo, que é o arsénico. O azul é que era o ouro".

Luís Delgado também trabalhou nas antigas Minas de Jales e não tem dúvidas de que a zona "é rica em ouro". Sustenta a sua convicção com "as próprias pesquisas que têm sido feitas" e não esconde a satisfação por ver o regresso das prospeções - e possível exploração de ouro - à terra. "Será uma grande riqueza, será ouro sobre azul."

O fecho das minas foi um duro castigo para a região, mas o sol pode voltar a brilhar devido a um concurso lançado pelo Governo para retomar a prospeção e pesquisa de ouro. Norberto Pires, presidente da Junta de Freguesia de Vreia de Jales, diz que a história confirma a existência de subsolo dourado e perspetiva um futuro rico, já que a exploração de ouro "fixará de nova as pessoas na terra".

Norberto Pires refere que, "desde o fecho das antigas minas até agora, houve uma perda de população na ordem dos 20%". "Da forma como está, tudo será oportunidade para fixar pessoas e atrair outras e assim desenvolver a economia", sublinha.

Trinta quilos de ouro por mês

Atrair pessoas e desenvolver o concelho é também o que antevê Domingos Dias, presidente da Câmara de Vila Pouca de Aguiar, que sorri com a possibilidade de voltar a ser explorado ouro no concelho. "Chegaram a trabalhar 800 trabalhadores nas minas de Jales, no pico das explorações, e eram extraídos 30 quilos de ouro por mês - um quilo por dia", revela.

O autarca realça que há "uma mais-valia muito grande em Jales", que espera ver repercutida no concelho "com a criação de emprego e de riqueza".

A passada quinta-feira pode bem ter sido um dia de ouro para as terras de Jales - foi conhecida a empresa que vai fazer prospeções e pesquisas do metal precioso. Ao vencedor (firma canadiana Almada Mining, em consórcio com a portuguesa EDM) foi concedida uma área para a exploração experimental pelo período de três anos e uma outra área adjacente para prospecção e pesquisa.

Nesta primeira fase, a empresa tem um caderno de encargos que prevê um investimento que ronda os dois milhões de euros. Passados os três anos iniciais, pode ser solicitada uma concessão definitiva e, com isso, pode arrancar a exploração normal. Caso se concretize, prevê-se que o investimento possa rondar os 100 milhões de euros.

@DT
.

Etiquetas:

1 Opiniões

At segunda jul 09, 10:25:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Com jeitinho ainda se vai chamar o Ouro do Porto.

 

Enviar um comentário

<< Home