segunda-feira, outubro 01, 2012

A Balbúrdia na ANMP

O fim do sonho
.
Nós acreditámos no sonho. No sonho de um país feito de autarquias democráticas, livres, focadas nos seus territórios.

Nós acreditámos no sonho. No sonho de multiplicar escudos e de fazer muito com pouco, de fazer valer o espírito de pertença para se conseguir atingir objetivos comuns.

Nós acreditámos no sonho. No sonho de outorgar aos municípios a responsabilidade de fazerem quadros políticos empenhados e sérios para a vida democrática.

Nós acreditámos no sonho. No sonho de se consagrar um país bem pensado, onde os investimentos seriam feitos com atenção às necessidades do presente e do futuro.

Nós acreditámos no sonho. No sonho de se partir dos municípios para as regiões, estruturando o país de acordo com os princípios da subsidiariedade e seguindo as marcas da maioria dos membros da União Europeia.

O sonho acabou. Tudo o que tínhamos sonhado terminou.

O sinal mais visível desse fim foi a reunião ensandecida que a associação de municípios realizou no passado fim-de-semana. Insultos, falta de urbanidade, incapacidade para se avaliar o impacto negativo que no país se revelaria.

A ANMP nasceu para ser uma voz, não um sindicato. Nasceu para ser um parceiro, não uma força de oposição. Nasceu para que, todos, tivessem condições de partilhar as melhores práticas. A ANMP falhou e findou no modelo que tem 25 anos.

No congresso da balbúrdia apareceu uma só ideia: – o aumento das taxas municipais. Que bela ideia, semelhante a todas as que sempre se seguiram em tempos e aperto. Nem uma só palavra para a refundação das competências, nem uma só proposta para a requalificação do quadro de prestígio que há muito se afastou. Os autarcas foram, até, brindados com várias comunicações de modernaços técnicos que, atrás dos seus PowerPoint, bramiram coisas comuns.

Estamos a chegar ao fim de um ciclo. E só ainda não viu quem se enreda em tacticismos de submundo.

Etiquetas:

2 Opiniões

At segunda out 01, 06:46:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Os autarcas(nem todos) no seu melhor, ainda não querem que haja a reforma administrativa? Com estes exemplos, com estas atitudes quem acredita neles? que vergonha para os municipes. quando acabarão as mordomias. Uma palavra para defenir o congresso:LAMENTÁVEL

 
At segunda out 01, 07:18:00 da tarde, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

É sempre perigoso generalizar. Apesar de concordar que o que prevalece é a situação enunciada pelo 'anónimo', tenho que reconhecer que esta generalização é algo injusta para os bons autarcas que também os há.

 

Enviar um comentário

<< Home