quinta-feira, novembro 22, 2012

QUANDO VAI O GOVERNO RETOMAR O TÚNEL DO MARÃO ?

A obra, que inclui o Túnel do Marão, está parada há um ano e meio e, embora vá ligar Amarante a Vila Real, é dela que depende a ligação completa em autoestrada entre o litoral norte, no Porto, e a fronteira com Espanha, em Bragança.

Em junho de 2011, logo após a tomada de posse do atual Governo, a obra parou, criando-se uma situação de impasse e de pré-litígio entre a concessionária e o Governo

A empreitada da Autoestrada do Marão foi lançada em simultâneo com a da Autoestrada Transmontana para dar continuidade à autoestrada que liga o Porto à Amarante, a A4, sendo este o nome que os automobilistas irão encontrar nas placas das novas vias.

A Autoestrada Transmontana, que liga Vila Real a Bragança, está praticamente concluída, embora com atrasos de meio ano em relação aos prazos iniciais.

Sem a Autoestrada do Marão, quem viajar entre o Porto e Bragança terá de fazer o percurso entre Amarante e Vila Real pela atual IP4, que estava já previsto ficar como alternativa às portagens no túnel do Marão.

Neste contexto, os cidadãos pretendem obter respostas concretas do Governo sobre o que está acontecer com esta empreitada. É preciso que o Governo esclareça o seguinte:

As razões que têm impedido a obra da Autoestrada do Marão e se há um prazo para o recomeço dos trabalhos ?

Se é verdade que o Governo disponibilizou 200 milhões de euros do QREN para comparticipar a obra ?

Que passos têm sido dados para o recomeço dos trabalhos e qual é o prazo previsto para que a obra recomece ?

Porque é que decorridos cerca de 18 meses a obra continua parada ?

Se há verbas inscritas no QREN para a obra ?


O Norte e povo transmontano exigem respostas efetivas a estas questões.
 .


Etiquetas:

11 Opiniões

At sábado nov 24, 09:38:00 da tarde, Anonymous EuPragmatico said...

Eu vivo bem sem o tunel do marão, alias sempre vivi. Prefiria um IP4 como estava e uma A4 com traçado autónomo e naturalmente a pagar ou não. Conferia com agrado uma manifestação de associação para exigir uma dilação no pagamento de eventuais portagens no mesmo tempo do atraso da obra. Para terminar diria que as estradas para Bragança levam mais do que o que trazem e sem trabalho ninguem vive, pois este alem de fonte de subsistência garante a estabilidade emocional e social e o argumento de que estradas são fonte de progresso já comprovamos que para estas bandas não funciona

 
At domingo nov 25, 11:03:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

A obra no seu todo inclui o tunel. Nao podemos aceitar que como sempre, os grandes façam o que querem e deixem metade das coisas por fazer. Onde esta afinal o dinheiro que foi dado para a construçao integral desta auto estrada que inclui o tunel. So se faz metade do trabalho? Costuma-se dizer que p la do marao mandam os que la estao, mas para eles parece que nos para la do marao nao contamos.

 
At segunda nov 26, 03:17:00 da manhã, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro EuPragmatico,

Pelo que percebo, o meu amigo é contra as novas grandes infraestruturas rodoviárias de Trás-os-Montes. A minha questão é se não estará a analisar toda esta problemática numa perspetiva algo enviesada?

Cumprimentos,

 
At segunda nov 26, 01:23:00 da tarde, Anonymous EuPragmático said...

Caro A.Almeida:
O meu pragmatismismo naturalmente tem de ser seletivo na sua análise. O enviesamento já há muito vem sendo praticado pela corrente da governança e não podemos dispensar comentários pela corrente das TV's e outros meios de comunicação. Há obras e decisões bem mais importantes para o meu amigo questionar e por a debate. Mesmo assim, manifesto-lhe congratulação por este espaço...e acredite mesmo que vivo sem sem tunel do Marão.

 
At segunda nov 26, 01:28:00 da tarde, Anonymous EuPragmático said...

*pragmatismo

 
At segunda nov 26, 07:22:00 da tarde, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro EuPragmatico,

Esta questão do Túnel do Marão e de outras vias de comunicação; as questões das assimetrias de desenvolvimento; o despovoamento do interior; o entorse da nossa democracia que leva à litoralização em detrimento do interior - são tudo problemáticas que articulam com a Regionalização.

Quanto ao facto do meu amigo viver e conviver, bem sem o Túnel do Marão isso não retira, nem invalida, a grande importância económica e social que pode vir a ter para a região esta infraestrutura rodoviária.

Cumprimentos,

 
At terça nov 27, 09:25:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Referindo-me a Bragança assinalo obras que se revelam corretoras das assimetrias: Centro de ciência viva, Centro cultural de arte comtemporânea, Ciclovia, Teatro minicipal, Mercado municipal entre outras. Como vemos referi obras que impulsionam e alavancam o distrito para o ócio, que se revela um instrumento para o sucesso e coretor de eventuais atrasos estruturais. O tunel do marão é desta estirpe... POR FAVOR NÃO GOZEM COMIGO, OK.

 
At terça nov 27, 09:56:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

*Contemporânea
*municipal
*corretor

 
At quarta nov 28, 04:24:00 da manhã, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Anónimo,

Peço-lhe desculpa, mas, penso que está a confundir a dimensão e o tipo de investimento público. O Centro de ciência viva, Centro cultural de arte contemporânea, Ciclovia, Teatro municipal, Mercado municipal, são investimentos de tipologia local e que caiem na alçada do município. Já o Túnel do Marão é uma infraestrutura rodoviária de interesse nacional e regional, que no atual modelo administrativo se insere no investimento público nacional.

Cumprimentos,

 
At quinta nov 29, 12:23:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Ando mesmo confundido com a dinâmica global deste país e destes protagonistas.

 
At quinta nov 29, 01:18:00 da manhã, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Anónimo,

E quem não anda...!

 

Enviar um comentário

<< Home