quinta-feira, dezembro 06, 2012

INTERIOR: ENTRE MITOS E REALIDADES

A palavra em si, “interior”, possui densas conotações psicanalíticas e intimistas, geográficas e etnográficas, e, ultimamente, tem vindo mesmo a tomar contornos míticos que urge reposicionar, sob pena deste termo servir de “pau para toda a colher” nas teses políticas de sinal contrário, e confundir a cidadania sobre as prementes questões territoriais, demográficas, sociais, económicas, sanitárias, educacionais, ambientais, culturais, políticas e administrativas, que impendem sobre o que comummente se denomina hoje por “questão da interioridade”.

Sobre esta questão, no atual contexto, e porque de questão se trata, enunciemos com pertinência os principais dados do problema, do nosso ponto de vista, e, como ponto de vista.

Primeiro, este debate não dispensa uma análise desmistificadora das ideologias dominantes em matéria de desenvolvimento, e daquilo que não feito e porque o não foi, como daquilo que foi feito e de que modo o foi. Esta necessidade assenta na constatação de que naquilo que se fez até agora muito erro de perspetiva se cometeu, e que muitas sanguessugas e rémoras de interesses ilegítimos estiveram sempre disfarçadamente coladas a programas e ações vocacionadas para o desenvolvimento do país e do interior.

Também não dispensa uma análise fina e pormenorizada da situação atual e dos valores que defendemos para um território e suas comunidades de vida sustentáveis.

Como modelo de desenvolvimento, desde já dizemos que nos parece errado encarar as necessidades e lógicas de desenvolvimento sustentável do interior nos moldes em que foram e têm sido perspetivadas, guiadas por critérios que já abriram falência, designadamente as lógicas de desenvolvimento materialista e economicista, assente em lógicas do lucro e no consumismo, em vez de se atenderem às necessidades e valores essenciais à qualidade de vida das populações e comunidades locais.

Os sinais anunciados pelos decisores nacionais e locais em matéria de ações e projetos previstos para aproveitar os fundos comunitários do QREN são anunciadores de megalomanias, caprichos ou lógicas eleitoralistas nacionais e autárquicas que auguram repetidas oportunidades perdidas.

O interior, antes tudo, precisa de se afirmar como identificação territorial, cultural e social e apostar convictamente na valorização do seu património endógeno.

Porque, no passado, nesta matéria, fizeram-se pequenas e desacreditas ações de índole folclórica e sem investimento crítico e estruturante.

Nunca se apostou de forma séria em conservatórios de artes e ofícios tradicionais regionais. O artesanato e as artes e ofícios foram sempre vistos como pequenos animadores de feiras locais oportunisticamente montadas para fins contrários aos legítimos interesses dos artesãos.

Os autarcas do interior, de um modo geral, têm praticado a política do cimento armado anárquico, ao sabor dos interesses alheios ao bem comum, e do centralismo urbano em detrimento das comunidades rurais.

Se perguntarem aos decisores locais o que entendem por desenvolvimento imaterial sustentável, vão rir-se na vossa cara!
.

JOÃO SERRA DOS REIS

Etiquetas:

4 Opiniões

At quinta dez 06, 11:26:00 da tarde, Anonymous Joaquim Pinheiro said...

Não percebo porque é que a imagem deste blogue tem em destaque uma imagem perfeitamente demarcada de uma região. Não me parece a melhor forma de reunir opiniões de diferentes pontos do país!

 
At sexta dez 07, 03:37:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

A imagem é do Porto porque o blogue trata os aspectos da regionalização tendo como ponto de vista o Porto.
Não é amelhor maneira, mas é o que é.
Acho que o blogue n se assume como nacional. E isso faz falta.

 
At sexta dez 07, 04:00:00 da manhã, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caros Comentadores (Joaquim Pinheiro e Anónimo),

A imagem de topo do Blog nem sempre foi esta, tem mudado com o tempo e a seu tempo voltará a mudar.

Penso que as vossas críticas são pertinentes mas, infelizmente para esta causa da regionalização os seus grandes entusiastas estão muito concentrados, em duas áreas territoriais - Porto (alargado) e no Algarve.

Cumprimentos,

 
At sexta dez 07, 06:45:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caro Almeida Felizes.
Não concordo com essa concentração que diz existir. Talvez os politicos dessas zonas que mencionou falem mais do assunto, mas no que toca às pessoas, acho que há entusiastas em todo o lado na mesma proporção. A excepção poderá ser Lisboa.

 

Enviar um comentário

<< Home