quinta-feira, março 06, 2014

Linha do Norte - nome errado

A mais surpreendente decisão do pacote de grandes projetos do novo quadro comunitário 2014-2020 é o de continuar a investir na Linha do Norte. Depois de muitos milhões gastos numa linha com 150 anos, o Governo resolve fazer mais do mesmo e inclui uns trocos para remendar mais um troço, presume-se desta vez algures na Região Centro. É para rir. Ou chorar. Ou ambas as coisas.

Portugal perdeu a capacidade de perceber a nova ferrovia (de bitola europeia) depois do pugilismo "TGV" entre José Sócrates, Manuela Ferreira Leite e Paulo Portas. Em vez de se tentar perceber a importância da modernização da ferrovia, passou apenas a discutir-se comboios a 300 km/h.

Daí esta questão central para o país nas próximas décadas: podemos não ter comboios? Pode continuar a remendar-se a Linha do Norte? A resposta unânime de todos os especialistas e governantes com quem falei até hoje é uma: não. A Linha do Norte não tem conserto no troço entre Ovar e Porto e é preciso gastar muitos milhões para tornar modernos os troços entre Coimbra e a capital.

Os únicos quilómetros com via quadruplicada (permitem comboios rápidos ao lado dos urbanos ou de mercadorias) situam-se entre Azambuja e Lisboa (50 km) porque... ia ser construído no Carregado o aeroporto da Ota.

Bastaria que qualquer governante no ativo (ou o presidente da República, tão lesto a criticar as propostas ferroviárias socialistas) tivesse viajado uma vez que fosse ao lado do maquinista entre Lisboa e Porto e perceberia que cada euro gasto nesta linha é dinheiro atirado fora.

Os problemas com o traçado, numa parte dele apertadíssimo pelas urbanizações, não permitem que se façam quadruplicações para que os comboios rápidos andem depressa e os semiurbanos ou de mercadorias fiquem parados à espera do Alfa ou o Intercidades.

Sócrates e o então ministro das Obras Públicas, Mário Lino, colocaram sempre o problema da forma errada ao sublinharem a vertigem do "Portugal-ultramoderno-com-TGV". O projeto, embora subsidiado em mais de 80% pela rede transeuropeia de transportes, era demasiado ambicioso e só o troço Porto-Lisboa, com sete milhões de passageiros por ano, era operacionalmente lucrativo (tal como hoje o Alfa Pendular é o serviço mais rentável da CP).

Ao dar prioridade ao Lisboa-Madrid, Sócrates destruiu a ferrovia moderna (de bitola europeia) porque os estudos demonstravam que os prejuízos desta ligação seriam (serão) imensos e deu razão aos críticos. Mas o Governo PS resolveu avançar com esta opção porque o então líder espanhol, José Luiz Zapatero, mantinha em andamento a Linha Madrid-Badajoz-Lisboa.

E o resultado está à vista: Portugal vai fazer uma linha de passageiros (e mercadorias) entre Lisboa e Madrid quando, na verdade, precisava de uma via moderna entre Lisboa-Porto-Braga para passageiros e mercadorias, em bitola europeia, com uma derivação em Aveiro para Vilar Formoso (o corredor mais importante para algumas exportações).

Não andemos a disfarçar: a ligação Lisboa-Madrid que estará pronta em 2019 é para passageiros. As mercadorias são uma espécie de embuste político. Faz-se de conta que manda a economia real. Não é verdade. Madrid quis e Sócrates aceitou esta má prioridade para Portugal. Entretanto este Governo prossegue o erro e limita-se a despejar "uns milhões" num troço remodelado da Linha do Norte - de forma a disfarçar a prioridade no Sul.

Note-se a falta de visão: vamos perder talvez o último quadro comunitário com dinheiro abundante para "redes ferroviárias transeuropeias" sem criar uma alternativa à principal linha do país.

Ao planear zero até 2020, não haverá nova Linha do Norte à vista até 2030 pelo menos. Espera-se que, até lá, o mar não acabe de vez com ela em Espinho.

Se isso acontecer, mesmo sem apoios de Bruxelas, terá de haver dinheiro para se ir a correr fazer uma linha nova. (Ou então nem isso - o país já emigrou todo para a capital e realmente não precisa de comboios para nada...)

@JN

Etiquetas:

1 Opiniões

At sexta mar 07, 08:28:00 da tarde, Anonymous claudio said...

bom nao ha mais nada a dizer... é isto !

reanimar mais um morto com milhoes de dinheiros . gostava imenso de ouvir do deusdado opiniao mais promenorizada: nova linha por onde? e quadriplicar ate onde?...... e esta nova linha do norte... servia para alta velocidade?

se calhar este governo quer reanimar esta linha para comboios lentos quando se fizer a AV manda see os alfas para la.....

 

Enviar um comentário

<< Home