CÍRCULOS ELEITORAIS DISTRITAIS / CÍRCULOS REGIONAIS

«..... a urgente necessidade de EXTINGUIR OS CÍRCULOS ELEITORAIS DISTRITAIS E OS SUBSTITUÍR POR CÍRCULOS REGIONAIS e perceba-se, também, por que é que a reforma eleitoral não avança...»

SABENDO-SE SEREM JÁ os Distritos uma circunscrição mais do que condenada, virtualmente EXTINTA pela Lei da Criação das Regiões Administrativas (se não estou em erro), e acrescendo que o maior problema do nosso sistema eleitoral para a Assembleia da República é o gritante DÉFICE DE PROPORCIONALIDADE (relação entre a percentagem de votos de um Partido e a correpondente percentagem dos seus Deputados, que favorece desmesuradamente os dois grandes Partidos, PS e PSD), parece-me do mais ELEMENTAR BOM-SENSO a substituição IMEDIATA dos dezoito círculos eleitorais distritais do Continente por CINCO CÍRCULOS REGIONAIS, por motivo destas duas consequências directas muitíssimo importantes:

1ª) Correcção das mais flagrantes injustiças associadas à FALTA DE REPRESENTATIVIDADE dos Deputados eleitos pelo método actual (com apenas cinco círculos, será drasticamente aumentada a PROPORCIONALIDADE, isto é, a correspondência entre os votos e os Deputados de cada Partido);

2ª) Contribuição DECISIVA para a transferência (da organização interna dos Partidos, dos temas de debate político e da própria consciência cívica) do velho palco distrital PARA O NOVO PALCO REGIONAL, preparando também por esta forma a naturalidade da instituição das Regiões Administrativas!

Sem quaisquer desvantagens (excepto para a imoral "facilidade" de obtenção de maiorias absolutas com pouco mais de 43% dos votos) e com tais vantagens, entre outras (como a eficácia na luta contra a abstenção, por exemplo), pergunto: de que é que os Partidos estão à espera para, consensualmente, competentemente, honestamente, procederem a esta alteração pontual à actual Lei Eleitoral?

De que é que os órgãos de comunicação social ("blogues" incluídos!) estão à espera para lançar o debate sobre este assunto na Sociedade portuguesa?

E de que é que os Cidadãos estão à espera para EXIGIR OS SEUS LEGÍTIMOS DIREITOS?

Ou será que estamos condenados aos "reality-shows", aos "fait-divers", ao sensacionalismo imediatista e a todo o género de "entertenimento comunicacional" alienante em substituição da discussão daquilo que REALMENTE NOS INTERESSA?

QUEM GANHA COM O ETERNO ADIAMENTO DO NOVO PORTUGAL??

Ant.º das Neves Castanho

Comentários

Anónimo disse…
Pois é. Mudar qualquer coisa implica sempre que alguém perca alguma coisa. Os aparelhistas do PS e do PSD estão tão agarrados que nem conseguem ver o óbvio.
Mas o PSD já deu um sinal positivo, ao propor a redução para 181, do número de deputados. Claro que o PS não quer. Porque reduzia o número de empregos que tem para oferecer. Quanto aos círculos, no CONTINENTE, ser um, cinco, 18 ou N (uninominais), não é importante. Tenho muitas dúvidas se devemos imitar Timor, ou imitar a França, Espanha, Alemanha ou Inglaterra.
A. Castanho disse…
"Não é importante" haver dezenas de milhar de portugueses cujo voto NÃO CONTA para eleger a Assembleia da República, é?


O amigo anónimo deve morar em Lisboa, ou no Porto, certo?