segunda-feira, junho 29, 2009

Dois Países?

Pensões são muito diferentes nas regiões no país. Em Bragança são metade das de Lisboa.

Portugal tem 1,8 milhões de pobres. Por coincidência, é esse o número de reformados existentes no país e cuja pensão média é de 385 euros. Mas uns serão mais pobres do que outros. Só os de Lisboa e Setúbal ganham, em média, acima do salário mínimo.

No outro lado da lista está Bragança, cuja pensão média (272€) é quase metade da paga na capital (504€). São os dois extremos de uma realidade tantas vezes repetida em Portugal: o país não é homogéneo e se, por norma, as reformas são baixas, o certo é que numas zonas são mais miseráveis do que noutras.

Os números são aproximações feitas pelo JN com base nos dados da Segurança Social, mas deixam claras as disparidades regionais:
Bragança é o concelho com as mais baixas reformas. Aliás, fazendo pontinhos num mapa, a região Norte surge pintada a vermelho: depois de Bragança vêm as vizinhas Vila Real e Guarda que, colada a si, tem Viseu em quarta posição. Os lugares seguintes são ocupados pelos Castelos, o Branco e o de Viana.

Só depois surgem os concelhos do Alentejo, Açores e Algarve. E no topo? Lisboa e Setúbal, os únicos em que a pensão média está acima do salário mínimo nacional, este ano fixados nos 450 euros. O Porto está em terceiro lugar. Em média, cada um dos seus reformados ganha 422 euros.

Os valores na base deste trabalho são uma média para cada concelho. Em Bragança, há reformas milionárias (não existem só na Função Pública...) e em Lisboa haverá quem ganhe a pensão social. Mas o valor médio ajuda a perceber o panorama de cada região. E só em quatro concelhos a pensão do reformado médio permite-lhe ultrapassar o limiar de pobreza (360 euros). São eles Lisboa, Setúbal, Porto e Aveiro. Considerando todo o país, o valor médio da reforma dos beneficiários da Segurança social é de 385 euros.

O que permite ter melhor qualidade de vida, os 259 euros ganhos pelas mulheres de Bragança ou os 695 euros atribuídos aos homens de Lisboa? A resposta não é óbvia, porque viver no Interior tem inúmeras vantagens. Logo porque, disse Agostinho Moreira Jardim, representante em Portugal da Rede Europeia Anti-Pobreza, a rede de vizinhos, amigos e amília é mais entrelaçada do que nas cidades grandes. Em sítios como o distrito de Bragança, diz, \"a qualidade de vida é melhor do que a urbana, apesar das desvantagens\" da distância dos equipamentos de saúde, culturais, de lazer, entre outros.

E a agricultura de subsistência, acrescentou Lino Maia, da Caritas Diocesana. \"Boa vizinhança, família e quintais: estes três factores permitem ter uma qualidade de vida melhor\".

Nas cidades, concordam, é mais comum encontrar casos de miséria extrema e abandono, apesar do crescente número de equipamentos sociais.

E também de pessoas com vergonha de pedir ajuda, diz Moreira Jardim, lembrando um idoso que foi encontrado morto já em decomposição, no Porto, na semana passada. \"Dificilmente tinha acontecido o mesmo numa aldeia ou cidade pequena. Na cidade, a solidão é muito mais densa\", disse.

Longe de ser perfeita, dizem, a situação tem vindo a melhorar. Com a ajuda de apoios públicos, como a recuperação de casas degradadas, em Trás-os-Montes e de instituições de solidariedade privadas, o nível de pobreza tem vindo a baixar. Mas ainda há muito a fazer, lembram.

Alexandra Figueira in JN, 2009-06-29

NOTA: Pela análise do texto, em muitas partes, concluo que onde se lê "concelhos" deve ler-se "distritos". Penso tratar-se de um erro de edição, ao qual este blogue é alheio.

2 Opiniões

At segunda jun 29, 08:51:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Municipalistas,

Só existe um quadro de decisões políticas para corrigir estas profundas assimetrais regionais no domínio da fixação das pensões:
(a) O potenciamento da produção regional obtida com os recursos próprios de cada Região Autónoma, em sectore com balança comercial cronicamente negativa (produtos agrícolas, energia, equipamentos de transporte, etc.).
(b) A implementação da regionalização autonómica, com base nas 7 Regiões Autónomas, acompanhada de uma total reestruturação dos organismos que suportam o funcionamento da Administração Pública e dos Órgãos de Soberania (actuação no Orçamento de Estado pela Despesa Pública, exactamente o que falta e que se revela o mais difícil trabalho político).

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 
At segunda jun 29, 09:43:00 da tarde, Blogger ATRIBUTOS said...

Meu caros,

embora não esteja no tema específico deste "post", mas sim no tema geral "regionalização", escrevi isto como divulgação

http://atributos-1.blogspot.com/2009/06/ate-que-enfim.html

Melhores cumprimentos

José Magalhães

 

Enviar um comentário

<< Home