sexta-feira, fevereiro 05, 2010

Discriminação Positiva para o Interior


Cavaco defende, em Penamacor, «mesmas oportunidades» para todos

O Presidente da República defendeu hoje, durante a sua passagem por Penamacor, que todos os concelhos do país, «onde quer que se encontrem», devem ter «as mesmas oportunidades de desenvolvimento».

Cavaco Silva considerou «plenamente justificada» a ambição dos municípios mais periféricos por uma «discriminação positiva» – uma ideia defendida momentos antes pelo presidente da Câmara de Penamacor. «Muito com o vosso esforço, com o vosso arregaçar de mangas, que vão conseguir vencer», disse, perante uma plateia de populares e autarcas, reunidos no auditório da Câmara de Penamacor.

Apontando caminhos para resolver os problemas do interior, o chefe de Estado falou ainda na responsabilidade das autarquias em «valorizar a potencialidade produtiva» dos concelhos, «chamar a atenção para os recursos próprios, que não estão a ser aproveitados» e «vencer a dificuldade de relacionamento entre diferentes agricultores e diferentes empresários que, dado o seu individualismo, têm dificuldades na cooperação».

O Presidente da República vai continuar amanhã e sábado pelo distrito de Castelo Branco, no âmbito da segunda jornada do Roteiro das Comunidades Locais Inovadoras, com deslocações à Covilhã, Fundão e Belmonte.

O Interior


2 Opiniões

At sexta fev 05, 02:27:00 da manhã, Anonymous Paulo Rocha said...

O Prof. Cavaco Silva é uma das personalidades políticas deste país que desde sempre se assumiu como centralista e completamente avesso ao avanço da regionalização.

Estas afirmações que, recorrentemente, vai proferindo aquando das suas passagens pelo interior do país são pouco mais que palavras de circunstancia meio metafóricas e vazias de conteúdo.

 
At sexta fev 05, 09:59:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Municipalistas,

Mas se o Presidente da República vem reafirmando a necessidade de assegurar igualdade de oportunidades para todos é porque há muitos que beneficiam em demasia da desigualdade de oprotunidades por qualquer uma das razões seguintes: cunha, parentesco, amizade, filiação partidária, credo religioso, grupo de sueca, filiação corporativa, identidade clubista, tradição de família e não sei que mais.
Será muito difícl acabar com todo este tipo de relacionamento umbilical suportado por atitudes de séculos, muito ajudadas pelo "escolhido à imagem e semelhança" e compensadas pelo "espírito santo de orelha". Calro que tudo isto não é nem pode ser sinínimo de sociedade desenvolvida e madura.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

PS - Por tudo o que foi escrito é que acentuo sempre aos meus familiares para emigrarem tão rápido quanto a fim de não ser contaminados por esta podridão. E vão fazê-lo, para depois ter um pretexto para viajar com as visitas regulares que espero fazer-lhes. E informo-vos que um deles recebeu um prémio internacional pelo trabalho que tem realizado, totalmente ignorado cá dentro. Tal e qual.

 

Enviar um comentário

<< Home