quarta-feira, fevereiro 03, 2010

Portugal hodierno


A silhueta do nosso bem amado país é cada vez esta:
  • centralista
  • macrocéfala (em torno da capital)
  • desigual
  • desonesta
Mais de 50 % da riqueza nacional está no Norte do País, igual percentagem do tecido empresarial, bem como o maior dinamismo e "intelligentsia" (basta falar nas Universidades do Porto, Trás-os-Montes e do Minho, para não falar nos Politécnicos e centros de investigação de excelência, como o IPATIMUP)...

Como explidar, então, tanta desigualdade e tanta humilhação ao Norte?


É fácil: pelo "nosso" complexo "aristocrático" de que, em Lisboa, não se pode produzir, mas apenas mandar, qual "caput imperii" de todo o nosso Reino...


Está na altura de fazer alguma coisa e de dizer com todas as letras BASTA!!!!


4 Opiniões

At quarta fev 03, 04:52:00 da tarde, Blogger JOSÉ MODESTO said...

Curiosa imagem, mas tão actual.
Veja-se que o espectaculo á noite realizado no Coliseu aquando da comemoração da Républica, os nossos artista vieram da Capital para encantar o Porto.
No dia Seguinte, voltam para lá...
Até na cultura estamos famintos.

Aonde pára o Bom Senso...

Saudações Marítimas
José Modesto

 
At quinta fev 04, 01:33:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Muncipalistas,

O que se passou foi uma divisão de recursos. Por cá cederam-se os recursos territoriais (citadinos), de lá vieram os recursos artísticos, como sempre.
Mais uma vez, subjugados aos verdadeiros artistas. A hora não é de dizer mas de fazer; mas a bem não será, mas vai sê-lo a mal, infelizmente. E nada de romantismo nisto porque o que é preciso fazer justificado está.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 
At quinta fev 04, 02:46:00 da manhã, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro José Modesto,

A culpa não é dos músicos que, profissionalmente, tentam ganhar a vida noutras paragens que lhes são mais favoráveis.

Queixemos-nos, antes, de nós próprios que permitimos que o país chegasse a este ponto de quase tudo girar em torno da capital.

Cumprimentos,

 
At quinta fev 04, 11:37:00 da manhã, Blogger JOSÉ MODESTO said...

Caro António, porque será que grande parte da nossa classe politica se concentra em Lisboa...eles devem ser os primeiros a insistirem para que a Regionalização "penetre" na consciencia de cada um.
Lembro-me perfeitamente do debate que assisti no auditório Almeida Garret, o nosso deputado Paulo Rangel defender a Regionalização.

A tudo isto a consciência politica está nos nossos deputados livremente eleitos pelo povo (norte-centro-sul)o exemplo terá ou passará por eles a consciencialização de um problema que começa a causar agitação no povo nas diferentes regiões que o país tem.

Já o disse, reafirmo, que se faça o referendo, sendo que o mesmo deverá ser debatido até á exaustão de forma a que o mesmo passe e o pais siga o exemplo dos modelos europeus implantados.

Saudações Regionalistas
José Modesto

 

Enviar um comentário

<< Home