segunda-feira, abril 12, 2010

Um humilde soldado transmontano

|Alexandre Parafita|

Valia milhões, mas a Pátria apenas lhe “pagou” quinze tostões...

Um pouco por todo o país, comemora-se hoje (9 de Abril) mais um aniversário da célebre Batalha de La Lys, que aconteceu em plena 1ª Guerra Mundial, onde Portugal teve papel preponderante e um jovem soldado português, esguio e pequeno de corpo, deu mostras de uma heroicidade que o mundo inteiro reconheceu e louvou. A sua Pátria, porém, ainda lhe não fez justiça.

Trata-se de Aníbal Augusto Milhais, natural da pequena aldeia de Valongo de Milhais, do concelho de Murça. O seu apelido e o feito notável que praticou na famosa batalha levaram à criação da alcunha “Soldado Milhões”, que o viria a acompanhar toda a vida. Este humilde soldado transmontano partiu para a Flandres, em 1917, incorporado numa força militar portuguesa, destinada a reforçar as forças aliadas, as quais viriam a sofrer violentos ataques por parte dos alemães.

Segundo as notícias publicadas na época, as forças aliadas foram fortemente destroçadas, com muitas mortes, inclusive entre os militares portugueses. E foi no momento em que várias dezenas de militares, muitos deles feridos, batiam em retirada perante a perseguição do exército inimigo, que o jovem Aníbal ficou (negligentemente ou não) sozinho para trás e viu-se perdido, escondido numa trincheira, tendo com ele apenas uma metralhadora Lotz e uma grande quantidade de munições.

A sua única saída era: entregar-se ao inimigo; deixar-se abater; ou então enfrentá-lo. Optou por esta última, conseguindo “varrer”, ao que confirmaram muitos testemunhos, uma coluna inteira de alemães que iam em motocicletas na perseguição dos soldados aliados. Após este acto, prudente ou não, caiu-lhe em cima uma outra coluna de alemães que vinha em socorro dos companheiros atacados pela metralhadora entrincheirada.

Estes, que em princípio contavam que na trincheira se encontrasse uma quantidade vasta de soldados adversários, nem acreditaram quando de lá lhes saiu um único homem, um pequeno e esguio “Rambo”, com uma só metralhadora, agora recarregada de munições, a lutar perdidamente pela sua própria vida. A surpresa daqueles e o arrojo deste (assente na convicção de que nada tinha já a perder) foram determinantes para o resultado da façanha. Muitos militares alemães tombaram na sua frente e os outros trataram foi de fugir.

O Soldado Milhões viria a ser depois socorrido nos seus ferimentos por um médico escocês, que relatou a odisseia aos seus superiores e, a partir daí, a lenda correu o mundo.
Na memória oral transmontana chegou a andar uma quadra popular, que o autor destas linhas recolheu em Sabrosa, a qual dizia:

“Lá vem o grande Milhões!
Só por milagre está vivo,
Pois matou mais alemães
Do que os buracos dum crivo!”

Acabada a Guerra, o Soldado Milhões voltou à sua pobreza, à sensaboria da sua terra natal, onde viria a ter de sustentar, no árduo labor do campo, um outro “exército” – esse formado pelos seus oito filhos.

Uma neta do herói, a viver na Guarda, contou entretanto a um jornal (Terras da Beira) que o avô apenas recebeu da Pátria uma tença de quinze tostões após a Guerra. E lembrou também que, por ser tão pequenino esse pecúlio, chegou a haver quem lançasse na época uma subscrição pública para lhe ser construída uma casinha.

Hoje, numa Sociedade que tanto precisa de heróis (quando os não tem, inventa-os...) o nosso grande Milhões, quase ignorado a nível nacional, apenas possui um pequeno busto na sede do concelho de Murça e pouco mais. Felizmente, por estes dias, o Município está a homenageá-lo condignamente, no âmbito das celebrações do centenário da República.

3 Opiniões

At domingo jun 19, 02:41:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

O destino de quem tem coragem, honrades e valentia e não nega suas origens transmontanas, de homens de armas e valor em todos os períodos da história mundial, onde houver um transmontano, haverá sempre luta e coragem, a vitória ou a morte. Meu maior orgulho é ter sangue bragançano, de homens que sempre derramaram o sangue pela pátria.

 
At domingo jun 19, 02:50:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Vários foram os tranmontanos que fizeram o nome de Portugal famoso no mundo desde D. Fernão Mendes o Bravo, Duarte de Ameida o decepado, Lopo Vaz Sampaio, Fernão de Magalhães, Diogo Cão, Bartolomeu dias, Carvalho Araújo, Milhões, e mutos mais que não enumerei, não há dúvidas que grande parte se não a maior da história grandiosa deste país deve-se aos GRANDIOSOS TRANSMONTANOS.

 
At domingo jun 19, 03:02:00 da tarde, Anonymous Amandio Ferreira said...

Este feito de bravura do soldado Milhões, só prova que um transmontano, quando em desvantagem numérica, mesmo correndo o risco de entregar a vida, agiganta-se tamanho as dificuldades e trespõe qualquer obstáculo que aparece a sua frente. ESTE É O VALOR DO SANGUE TRANSMONTANO.

 

Enviar um comentário

<< Home