domingo, agosto 29, 2010

Por um Norte com futuro




Quando há 15 anos se iniciou o actual longo ciclo de poder liderado pelo PS, o Porto convivia com três importantes jornais quotidianos, os semanários e restantes títulos de expressão diária tinham a norte redacções alargadas e com peso próprio, a RTP apostava em expandir em Gaia uma importante produção descentralizada, era lançada a ideia de construção do Media Park, a RTP N - então com N de Norte - começava a desenhar-se como canal regional, a SIC e a TVI pareciam querer apostar numa real descentralização.

Volvida uma década e meia, o JN sobrevive forte mas cada vez mais só. O Comércio do Porto morreu, o Primeiro de Janeiro arrasta-se heróica mas sofridamente, as secções locais de semanários, revistas e restantes diários, são cada vez mais simbólicos quiosques de bairro, na RTP N o N passou de Norte a N de quase Nada e não são os bem-intencionados e projectos Porto Canal ou Grande Porto que contariam este trajecto.

Era esta caminhada inevitável? Com certeza. A indústria da comunicação é das que convive pior com projectos bem-intencionados mas economicamente inviáveis. Corre atrás de acontecimentos relevantes, persegue as actividades geradoras de mais-valias, precisa de estar ao lado dos centros de poder. Ora pouco disto passou a existir no Grande Porto e no Norte em geral. Ao longo da última vintena de anos partiram a economia, a vida cultural e social, os melhores quadros, muitos jovens talentosos. Se nos quisermos cingir ao importante mundo da comunicação social, é notável recordar de onde saíram progressivamente Joaquim Oliveira, Judite de Sousa, Rodrigo Guedes de Carvalho, José Alberto Carvalho, Paulo Baldaia, Carlos Daniel. Do Porto. A maioria de forma irreversível. Esta louca macrocefalia, cada dia mais forte que está a condenar o país ao subdesenvolvimento ainda pode e deve ser combatida, mas tal pressupõe compreender a sua génese e identificar os seus responsáveis.

O principal culpado é obviamente o Governo de Portugal, os sucessivos governos, autores de políticas pró activamente castrantes da energia das diferentes regiões de Portugal. Governos que aproveitaram o processo de privatizações para sediarem em exclusivo na capital todo o sistema financeiro e segurador, os poucos grandes grupos estratégicos (PT, Galp, EDP). Em paralelo concentraram o mais possível o funcionamento de todos os Institutos e Empresas Públicas e das poucas entidades supranacionais que se localizaram entre nós.

Não é pois exagero afirmar que 90% das decisões que condicionam o nosso presente e futuro são tomadas num quadrilátero com pouco mais de 200 Km/2, limitada a sul pelo Tejo, a norte pelo rio Trancão, a este pelo Parque das Nações e a oeste pela Serra de Sintra. Assim não é de estranhar que estejamos perante a única reunião do país com uma média de rendimento per capita próximo da média europeia. Quem parte e reparte e não fica coma melhor parte e não fica com a melhor parte ou é pouco inteligente ou não tem arte.

Em tudo isto perde o país e perde o povo anónimo de Lisboa, que tem de conviver com uma cidade maravilhosa, mas que asfixia com o peso deste centralismo. Um peso que inferniza a sua vida e vai expulsando os seus verdadeiros cidadãos para as grandes cidades dormitório periféricas (Lisboa já tem pouco mais de 500 mil habitantes!).

Culpados são também os agentes políticos, económicos e sociais, que a norte não têm sabido unir-se, gerar ideias e projectos mobilizadores, defenderem a sua pertinência, fazerem deles casos de sucesso e imposição nacional.

Como defensor da regionalização político administrativa acho, contudo, que vale a pena alertar os que militam por essa causa para o logro de partir para ela sem prévias medidas cautelares. Medidas que aplanem o caminho de uma verdadeira descentralização.

Um próximo Governo, que tem de significar alternância, terá que dispersar pelo país institutos públicos, repartir pelas regiões competências e lideranças das soberanas empresas públicas, transferir mais competências para autarquias e outras comunidades locais, conceder qualificados poderes de decisão aos múltiplos órgãos descentralizados da administração, definir regras orçamentais que obriguem a uma justa e sistemática repartição dos escassos recurso da nossa comunidade. Quando isso acontecer a comunicação social regressará ao país real e será um factor decisivo de igualização de oportunidades.

Até lá ancoremos a esperança nas poucas instituições que por aqui vão sobrevivendo com êxito. Entre elas destacam-se poucas, numa primeira linha talvez só três, a Universidade do Porto, o Futebol Clube do Porto e o Jornal de Notícias. Que outras aprendam com o seu exemplo.

|JN|
.

Etiquetas:

2 Opiniões

At domingo ago 29, 10:21:00 da manhã, Anonymous Faria said...

Este senhor não sabe do que fala! Só diz disparates. Para começar, esqueceu-se de referir o curto ciclo de poder do governo PSD/PP (sim porque sozinho, Portugal não quis mais, desde Cavaco, o PSD autónomo no governo da nação). Se calhar Menezes considera esse governo de direita como parte da governação PS. Enfim, tamanha confusão de quem fracasssou como líder nacional do PSD e só se conseguiu safar numa autarquia de subúrbio, para poder continuar a ter mais algum pequeno protagonismo. E mais, essa ideia do parque media, RTP N, surgiu já em 2003, nos anos do governo PSD/PP. Não percebo a teimosia deste senhor em continuar com os disparates. Ele não percebe, ele não vê que o sonho destes jornalistas eram irem trabalhar para a capital? Quem lhe disse que eles foram obrigados a tal façanha? E se Menezes é assim tão bom? Porque não conseguiu evitar essas situações que relata neste seu artigo?

 
At domingo ago 29, 12:34:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros Centralistas,
Caros Municipalistas,

Grandes confusões e suspeições em torno do "post" como do comentário sequente.
Sendo interessante apenas o tema da regionalização, convém referir que a regionalização politico administrativa, como defende o Senhor Presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia, não existe formal nem legalmente. A regionalização ou é administrativa, a corrente dominante, enganadora e auto-enganada, ou é política, a versão minoritária que terá de se empenhar muito mais para que esta tipologia de regionalização consiga atingir os objectivos de desenvolvimnto da nossa sociedade. Objectivos estes que têm por base a diversidade das populações de cada uma das 7 Regiões Autónomas, em termos culturais, tradicionais, antropológicos, geográficos e de recursos, tudo capaz de as mobilizar para se atingir um desenvolvimento sustentado equilibrado e ecológico.
O resto é fogo de vista para os órgãos de comunicação social e para quem vive da especulação de toda a natureza como se o infortúnio individual ou colectivo fosse o sublimador de todos os nossos PRÓPRIOS males.
É uma tristeza permanente ....

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 

Enviar um comentário

<< Home