segunda-feira, setembro 13, 2010

Norte - Exportação de vinho verde cresceu 14% até Abril

Exportação de vinho verde cresceu 14% até Abril e bate recorde de vendas da região

As exportações de vinho verde, a segunda denominação de origem (DOC) mais vendida para o exterior depois do vinho do Porto, estão este ano a crescer 14% face a 2009, naquele que foi o melhor ano de vendas de sempre da região.

Os dados são de Abril e revelam que foram já exportados mais de 4,475 milhões de litros deste vinho, contra os 3,919 em igual período de 2009. O crescimento em valor é semelhante, para 10,424 milhões de euros.

Em 2009, as exportações ultrapassaram os 27 milhões de euros, para mais de 80 mercados. Os EUA continuam a revelar-se "o mercado líder para a região", sublinha Manuel Pinheiro, presidente da Comissão de Viticultura dos Vinhos Verdes (CVRVV), com um crescimento de 45% face a 2009.

E se é verdade que o vinho verde assegura já mais de 40% das exportações nacionais de DOC engarrafados, Portugal conta com uma quota da ordem dos 20% e, desde 2000, vem conquistando "aumentos de quota consistentes", diz Manuel Pinheiro, ao mesmo tempo que os preços médios na produção "crescem acima da inflação".

O marketing é um dos enfoques especiais do plano estratégico da CVRVV. Dos 1,4 milhões de orçamento para marketing que a comissão dispõe anualmente, 70% são dirigidos para os mercados externos, de modo a aprofundar a presença em mercados-alvo como os EUA, Canadá, Brasil, Alemanha, Reino Unido, Suíça e países nórdicos. A diferenciação é uma vantagem em que o verde aposta. "Não nos preocupa sermos melhores ou piores do que os outros porque a alma do vinho verde é ser diferente", diz Manuel Pinheiro. Leveza e baixo teor alcoólico são factores distintivos que os responsáveis da comissão pretendem "trabalhar cada vez mais". Mas o plano estratégico aposta ainda no aumento da competitividade da região, apoiando a reconversão da viticultura e das empresas. A palavra de ordem é produzir mais e com menos custos.

Em vez dos 20 mil locais onde se produz, diz Manuel Pinheiro, os verdes têm de ser "uma região mais especializada". Ou seja, onde o viticultor se especialize na produção, "e esta seja rendível", e as uvas sejam canalizadas para um número "muito menor" de adegas cooperativas e centros de vinificação privados onde se faça uso "da melhor tecnologia numa produção direccionada para as necessidades do mercado e com benefício da maior economia de escala".

|DN|
.

Etiquetas:

1 Opiniões

At segunda set 13, 10:07:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caros Regionalistas,
Caros centralistas,
Caros Municipalistas,

Não é de admirar por ser um produto único no mundo, detentor de vantagens competitivas se for a respectiva região demarcada bem gerida e coordenada sectorialmente.
Tem ainda uma espécie produtiva de grande valor acrescentado no caso do 'alvarinho' e que deverá ser desenvolvido (sempre melhorado) o mais que for possível, nomeadamente ao nível das castas. Nesta como noutras regiões demarcadas trata-se de incrementar mas, sobretudo, de melhorar a produção a qual terá sempre mercados compradores.

Sem mais nem menos.

Anónimo pró-7RA. (sempre com ponto final)

 

Enviar um comentário

<< Home