sexta-feira, dezembro 16, 2011

Inovação: Talheres vimaranenses na mesa de todo o mundo

Os talheres da Herdmar estão nas mesas do mundo há um século para "valorizar a importância do momento da refeção".

"A fabricar talheres desde 1911." É desta forma que a empresa de cutelaria de mesa Herdmar, em Caldas das Taipas, concelho de Guimarães, se apresenta ao mundo. Há cem anos que por aquelas bandas se faz a história que já conquistou mais de 60 países com inovadores talheres. Alguns deles exclusivos com acabamento em cores e com aplicações de cristais Swarovski.

O objectivo é "valorizar a importância do momento da refeição", diz Maria José Marques, coma mesma dedicação e rigor com que gere a empresa juntamente com mais três irmãos.

A história da Herdmar começou com Manuel Marques, "o grande mestre e fundador", como lhe chamam os actuais administradores, que, aos 26 anos e com 50 escudos - cerca de 25 cêntimos na moeda actual -, montou uma oficina de facas, nas margens do rio Ave. "Aproveitava a energia hidráulica para auxílio na produção das facas e canivetes, que depois completava juntamente com colheres e garfos que adquiria noutros colegas produtores das aldeias vizinhas", conta a neta Maria José Marques.

Começou por os comercializar nas cidades mais próximas. Oito anos depois, Manuel Marques abriu a primeira fábrica, mal sabendo o sucesso que esta iria alcançar. Já nos anos 50 exportava para as antigas colónias. Ainda hoje, 90% dos produtos são para exportação. Os filhos Abel Marques e José Marques continuaram a escrever a história da empresa nos anos 1960.É com eles que nasce a marca Herdmar e continua a inovação da cutelaria de mesa.

O gosto pelo fabrico de talheres chegou à terceira geração da família com os irmãos Maria José, José Avelino, Abel e Mário a assumirem cada um o seu pelouro na administração da empresa. O negócio segue pela via do sucesso e, desta vez, em novas instalações, desde 2000, com aposta forte no empreendedorismo e na constante procura de novos mercados e consequente aumento do volume de negócios que hoje ronda os 7,8 milhões.

"A oferta de produtos produzidos na fábrica, diferenciados, inovadores, com uma relação aceitável de qualidade/preço" são algumas das mais-valias da Herdmar, segundo a administradora Maria José Marques. Acrescenta a "garantia de um bom serviço e confiança transmitida aos clientes ao longo de um século de experiência".

A fórmula do sucesso assenta, segundo a administradora, na "incessante procura de novas tecnologias aportáveis à produção dos produtos, no melhor relacionamento com todos os colaboradores e na transformação de cada cliente num parceiro". Acrescenta ainda "uma atenção constante à protecção ambiental e a busca de novos mercados". Tem como parceiros empresas de produtos de mesa, como as cutelarias, Ivo, Porcel, Silampos, Costa Verde e Frasa.

Com mais de cem trabalhadores, a Herdmar está na vanguarda com garfos, colheres e facas de design de "alta qualidade", idealizadas e produzidas na fábrica. Dos cerca de 80 modelos em aço inoxidável, distribuídos por quatro níveis de qualidade, os mais vendidos "são os talheres nas gamas média - alta e alta, com linhas modernas e acabamentos em cores - preto, azul, violeta, castanho". Também os utensílios revestidos a ouro e prata fazem sucesso assim como aqueles com aplicação de cristais Swarovski.

Ainda hoje, a fábrica tem um "pequeno museu" com peças produzidas, nas décadas de 20 a 40, pelo avô Manuel Marques, agora recuperados e "adaptados à nova realidade dos mercados, e que representam ainda actualmente um percentual importante nas vendas". O cuidado com o design e apresentação dos produtos estende-se igualmente à embalagem dos talheres. A Herdmar transformou-se, recentemente, numa residência artística no âmbito da Capital Europeia da Cultura de Guimarães.

|DN|
.

Etiquetas: