segunda-feira, abril 30, 2012

O exemplo da Metro do Porto

A Metro do Porto conseguiu uma proeza: no mais recessivo ano da década que leva de vida, a empresa deixou de dar prejuízo no mês de março. Isto é: as receitas cobriram os custos da operação. É obra? É - e por isso devemos endereçar os parabéns a Ricardo Fonseca, presidente da Metro do Porto, fulanizando nele a boa prestação de todos os que trabalham na Metro.

Para quem tem vindo a observar mais de perto a trajetória da Metro, o facto não espanta, uma vez que a taxa de cobertura da operação vinha melhorando. O que espanta é que o resultado seja alcançado quando desce o número de utilizadores e sobe o preço da oferta. Se tivermos em conta que noutras empresas públicas de transportes (CP, Carris, Metro de Lisboa, por exemplo), a taxa de cobertura anda, em média, abaixo dos 70%, percebemos como foi decisiva a estratégia aplicada por Ricardo Fonseca à Metro do Porto.

"Para nós, é motivo de imenso orgulho", disse ele ao JN. Para nós, utentes e contribuintes, também. Este brioso resultado não deve servir, contudo, para escamotear os sérios problemas da empresa. Antes pelo contrário: deve servir para os enfrentar com a alma menos estremunhada e deve servir, sobretudo, para reclamar ação política a quem politicamente deve agir.

Os dossiês em cima da mesa, no que ao futuro do metro do Porto diz respeito, não são fáceis, a começar pelo desenho de uma estratégia que permita resolver o brutal serviço da dívida e o passivo, suficientes para estrangular qualquer gestão, por muito boa que ela seja.

Depois, é preciso questionar se, perante este resultado, continua a fazer sentido - e se sim, porquê? - aceitar a proposta do Governo que prevê fundir a Metro com a STCP.

A seguir, convém levantar de novo a questão da densificação da rede do metro. "É justificável, à luz desta performance, parar o alargamento da oferta a outras zonas da Área Metropolitana do Porto?

Convém, igualmente, estar atento ao destino a dar às verbas comunitárias que resultarão da "operação limpeza" do Quadro de Referência Estratégico Nacional, bem como ao programa da Comissão Europeia (Conection Facilities) dedicado à rede de transportes.

Vale mais a pena empatar uns milhões em estágios de seis meses que ajudam a melhorar, conjunturalmente, as estatísticas do desemprego, ou, ao invés, faz sentido resolver o problema estrutural das empresas que mostram bons resultados?

Eis, entre muitas outras, questões sobre as quais era importante saber a opinião do novo presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte. Vai sendo tempo de ouvir Duarte Vieira falar sobre o que interessa. Começa a formar-se a ideia, muito pouco interessante para a Região, de que Duarte é dos que prefere gerir os silêncios a ficar prisioneiro das palavras. Ora, o tempo é de falar.

@JN

Etiquetas: ,

3 Opiniões

At terça mai 01, 12:10:00 da manhã, Anonymous Frente Norte said...

HOMENAGEM AO FC DO PORTO... e,a JNPinto da Costa !
em:
http://frentenorte.blogs.sapo.pt/
....................

 
At terça mai 01, 11:17:00 da manhã, Anonymous Francisco L. said...

"O EXEMPLO DO METRO DO PORTO"(Paulo Ferreira/JN:
>>> Comentário:
Penso q este artigo vale o q vale, não percebo muito bem a que público é dirigido,porém isso não belisca minimamente o profundíssimo respeito pelo trabalho do Sr.jornalista PF. Posto isto direi q o q m trouxe aqui foi mais a curiosidade d saber s este tipo de comentário chega ao conhecimento dos Srs.Jornalistas, porq s assim fosse eu teria algo a dizer ao JN algo, q penso teria interesse p o JN, p este Blog e p os leitores. Aqui fica a m sugestão: penso q seria bom p tudo e todos os autores dos artigos aqui publicados responderem às apreciações do comentadores.
Melhores cumprts,
Francisco L.
....................

 
At quarta mai 09, 08:55:00 da manhã, Blogger Rui Sousa Pinto said...

Ai meu Deus...

Se deu lucro foi à custa de tarifas fantásticas como a minha que pago mensalmente 36 Euros para fazer 4 estações. (vergonhoso) Depois a utilização do metro aumentou exponencialmente porque as pessoas não conseguem resistir ao preço dos consumíveis. Foram retirados os descontos aos passes 14/18. Resumindo a minha família paga 180,00 por mês ao metro do porto.
Parabéns pelo lucro!!!
Vergonha

 

Enviar um comentário

<< Home