terça-feira, janeiro 08, 2013

UM EXEMPLO A SEGUIR...!

Câmara de Montalegre, pela segunda vez, com dívida zero!

A Câmara Municipal de Montalegre, tal como aconteceu no ano anterior, volta a fechar as contas com dívida zero a empreiteiros e fornecedores. Na altura, o presidente Fernando Rodrigues garantia que o rigor «era para continuar» sendo claro ao referir: «há dinheiro, há obra, não há, não se gasta!». Um saldo que promete voltar a merecer os maiores elogios numa gestão há muito admirada pelos mais variados setores da sociedade.

Para Fernando Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Montalegre, os meios financeiros ao dispor das autarquias, na ajuda ao desenvolvimento do interior e ao bem estar das pessoas, pecam pela escassez. Todavia, o autarca, apesar de frisar esta «insuficiência», alerta para a necessidade de «não se hipotecar o futuro e, por isso, não se deve gastar o que se não tem».

É nesta linha de rumo que voltam a aparecer as contas do município de Montalegre que permitiram «reduzir a dívida bancária e apresentar hoje uma situação financeira fluente que lhe permite fazer obras, investir na educação, na cultura, nos apoios sociais e na promoção dos produtos locais».


«DÍVIDA REPRESENTAVA 100% DA RECEITA»

O presidente da autarquia lembra que quando «chegámos à Câmara, a dívida representava 100% da receita e hoje está abaixo dos 30%». O presente é de tal forma diferente que «pelo segundo ano encerramos com dívida zero a fornecedores e empreiteiros».

Os exemplos que explicam esta saúde financeira podem ser encontrados sob vários domínios. Fernando Rodrigues esclarece: «a Câmara é muito seletiva nas obras e austera nos gastos. Tem dois vereadores quando podia ter seis. Não tem assessores. Não tenho motorista nem chefe de gabinete. Sempre foi assim».
.
@DT

Etiquetas:

2 Opiniões

At quarta jan 09, 03:11:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

This text is prіceless. Hοω can I find
out more?
Also visit my blog get instagram followers now

 
At quarta jan 09, 09:24:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

O que este autarca faz, devia ser a normalidade. mas em Portugal é a exepção e raramente são falados na comunicação social. Gaia, Oeiras, Fundão, Portimão, Aveiro, Cascais etc. é que são os maiores.
Os do FMI em vez de mandarem cortar aos trabalhadores que vejam o exemplo deste autarca. adjuntos assessores, secretárias etc etc. Porque não cortar?

 

Enviar um comentário

<< Home