domingo, novembro 24, 2013

O centralismo é um dos "venenos mortais do país"

O vice-presidente da Associação Nacional de Municípios Almeida Henriques considerou hoje, no Congresso da ANMP, o centralismo como "um dos venenos mortais do país" e reivindicou a clarificação do papel dos municípios na programação e gestão dos fundos comunitários.

"Os municípios devem encarar o novo QREN sem conservadorismos nem ideias pré concebidas, mas o mesmo se espera do Governo", afirmou, sublinhando que "o centralismo tem sido um dos venenos mortais do país, da democracia, da livre iniciativa empresarial e territorial", afirmou o também presidente da câmara de Viseu e ex-secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional do atual Governo.

Almeida Henriques foi, com o presidente da câmara municipal da Figueira da Foz, João Ataíde, relator da síntese das conclusões do trabalho de análise sobre a programação do futuro QREN, designado Portugal 2020, hoje apresentada no XXI Congresso da ANMP, que decorre no Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA), em Santarém.

@Lusa

Etiquetas:

1 Opiniões

At sexta nov 29, 05:14:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Para além disso, Almeida Henriques é ex-presidente do Conselho Empresarial/Câmara de Comércio e Industria da Região Centro...

 

Enviar um comentário

<< Home