quinta-feira, junho 25, 2009

Norte e A. M. Porto

As estatísticas são cruéis para a Região do Norte, seja na economia, na educação, no emprego, ou no rendimento per capita dos seus habitantes.

O empobrecimento da região nos últimos anos é alarmante. Sabe-se que, somente em 2002 e 2003, o PIB regional teve uma quebra acentuada, registando um crescimento negativo de 2 pontos, sendo de admitir que essa tendência tenha continuado nos anos seguintes.

A crise económica e social decorrente do ciclo económico mas sobretudo da profunda reestruturação e reconversão da actividade económica regional tem vindo a fazer aumentar continuamente a taxa de desemprego e a colocar a Região Norte na cauda de alguns indicadores nacionais. Em termos mais estruturais, a população desempregada da AMP cresceu, entre 1991 e 2001, acima da média nacional e da Área Metropolitana de Lisboa (AML)

Quadro 1 - Índice de Disparidade do PIB per capita (Portugal = 100)

Norte
79
Centro
82
Lisboa
148
Alentejo
89
Algarve
106
R. A. Açores
83
R. A. Madeira
121

Fonte: INE, 2003

Quadro 2 - Comércio Internacional. Taxa de Cobertura

Portugal
64,5
Norte
113,0
AMP
81,0

Fonte: INE, Estatísticas do Comércio Internacional, 2004

3 Opiniões

At quinta jun 25, 03:05:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Nunca percebi porque comparam Lisboa com Norte, só quem é IDIOTA não percebe que isso é comparar alhos com bugalhos e tem um objectivo.
Comparem Lisboa com Porto.
Sejam honestos uma vez na vida.

 
At quinta jun 25, 05:09:00 da tarde, Blogger Antonio Almeida Felizes said...

Caro Anónimo,

Para seu conhecimento, quando o quadro 1 refere Lisboa, deve ser entendido como a região (NUT II)Lisboa e Vale do Tejo que, naturalmente, terá que ser comparada com as restantes NUTs II do Continente.

Cumprimentos,

 
At quinta jun 25, 07:53:00 da tarde, Anonymous zangado said...

Enquanto a maioria das pessoas do Norte (e não só deste Norte) se deixarem levar pelas promessas e aldrabices dos governos lisboetas e de quem os apoia, bem como pela colonização clubística que sempre serviu o centralismo dessa capital, a situação piorará cada vez mais. Continuam a acreditar na conversa que somos um só país e pequeno, mas para gastar o dinheiro de todos só conhecem a zona de Lisboa e Alentejo. Para quê o novo aeroporto de Lisboa que é desnecessário, um TGV que só vai servir a zona de Lisboa e o Alentejo (pois eu não irei do Porto a Lisboa e dar a volta pelo Alentejo para ir a Madrid ou para a Europa, uma terceira ponte em Lisboa, mais auto-estradas na zona de Coimbra, tudo isso para quê num país com tanto atraso económico e desemprego?
Com um lisboeta como Basílio Horta à frente da associação que procura proteger as pequenas e médias empresas, maioritárias no Norte, querem ir a algum lado?
Governar e dirigir de longe é dirigir mal, como estamos cheios de constatar.
Já é tempo das pessoas do Norte se oporem a esta política do PS e do PSD, acolitados pelo CDS,e criarem um movimento de cidadãos que enfrente o centralismo lisboeta e acabe com isto. Se alguns políticos lisboetas como Mário Lino querem ser espanhóis e ter um TGV para irem visitar a sua capital, não aldrabem porque Lisboa não é nem será a segunda capital da Península, pois esse lugar pertence a Barcelona.
Ou o Norte começa a deixar de ser discriminado, como tem sido, ou então fiquem com Lisboa e o Sul e deixem-nos, a bem ou a mal, construir o nosso Portugal.

 

Enviar um comentário

<< Home